Capes vai bloquear 6,05% das bolsas de pós-graduação

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou nesta segunda-feira (2/9) que irá bloquear mais de 5.600 bolsas de mestrado e doutorado, cerca de 6,05% do total de bolsas de pós-graduação. O governo não irá substituir ou renovar bolsas de estudo e pesquisa a partir de setembro de 2019. Isso, na prática, significa que nenhum pesquisador será financiado este ano.

Por Gabriel Pinheiro, do Correio Braziliense

Foto retirada do site Correio Braziliense/Divulgação/Capes

A medida anunciada em uma coletiva na sede da coordenação pelo presidente da instituição, Anderson Correia, mostra que o governo federal e o Ministério da Educação optaram por não investir cerca de R$ 37,8 milhões este ano com pesquisa científica e aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. O critério utilizado para o bloqueio, segundo o governo, é o de manter as bolsas ativas e bloquear as não utilizadas. Bolsistas que têm pesquisas em curso não serão prejudicados.

“Eu gostaria de deixar claro que, para o Ministério da Educação, a Capes é uma instituição fundamental e nós confiamos na importância dela para o fomento e desenvolvimento da pesquisa científica em todo o território nacional.”, disse o Secretário Executivo do Ministério da Educação, Antônio Vogel, antes de os números serem anunciados.

O governo prevê nos próximos quatro anos uma economia de cerca de R$ 544 milhões, considerando o período de vida útil das bolsas. O congelamento será mantido até o início da vigência de novas concessões. “O ano de 2019 não está sendo um bom ano para o Ministério da Educação e 2020 também não será um ano muito fácil para nós”, completou o secretário executivo do MEC.

O presidente da Associação de Docentes da Universidade de Brasília (Adunb), Luis Pasquetti explicou que, para a associação, essas medidas são um retrocesso para a pesquisa e a ciência brasileira. “Ao cortar bolsas dessa magnitude a pesquisa fica em condições mínimas no Brasil, é preocupante.”

Além dos cortes das bolsas, o presidente da Adunb chamou a atenção para aos cortes no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e nos bloqueios nos orçamentos das universidades públicas do Brasil para 2020. “Nós queremos fazer algo para mudar o rumo que o governo está dando para a educação ou mudar o ministro, pois as propostas dele são sempre de desconstruir a educação pública brasileira”, completou Pasquetti.

+ sobre o tema

USP oferece curso online de programação para alunos do ensino médio

USP oferece curso online de programação para alunos do...

‘Com a política de cotas, a universidade passa a ser uma possibilidade real’

Com a política de cotas, a universidade passa a...

Universidade de Coimbra usará enem para brasileiros

Estudantes brasileiros poderão ingressar na Universidade de Coimbra, em...

UNICAMP: 4 Cursos de extensão a distância na área da Educação abrem inscrições

A Escola de Extensão da Unicamp – EXTECAMP é...

para lembrar

Apoiar entrada de jovens negros na universidade é pensar sobre qual futuro queremos

Em um cenário de crise aguda, a educação continua...

Kelly se tornou professora na pandemia e luta por inclusão na sala de aula

Kelly Aparecida de Souza Lima, de 46 anos, tornou-se...

Joel Rufino fala da literatura nas escolas

Joel Rufino dos Santos é um dos nossos mais...

Matrículas das universidades federais caem pela primeira vez desde 1990

George Monteiro, de 20 anos, já tinha encaminhada sua...
spot_imgspot_img

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas, como imaginado. A estudante do 3º ano do ensino médio Franciele de Souza Meira, de...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...
-+=