Cara de um, focinho do outro

Íamos pela avenida Dr. Arnaldo, incrivelmente livre de trânsito, quando minha irmã Cláudia soltou a frase que inspirou o presente texto. Falávamos sobre quais tópicos do cotidiano e comportamento merecem ser debatidos. Então, ela pontuou: Política, por exemplo. Se não se discute política, é a guerra. Adorei a frase, pois é isso mesmo. Política é coisa pública, algo que – queiramos ou não – interfere diretamente sobre o preço do pãozinho e a subjetividade de cada um. Ninguém está imune a ela. Com consciência, sem consciência, gostando, detestando, a política está em toda parte.

Por Fernanda Pompeu Do Yahoo

Algumas pessoas pensam que política é manifestação do cálculo e da razão. Mas eu também acho que política tem muitíssimo a ver com emoções. Amigos deixam de ser amigos, mulheres rompem com maridos, filhos brigam com pais por conta de crenças e posições ideológicas! É como se, mesmo discordando, eu tolerasse tudo o que uma amiga pensa de si mesma, mas quando ela fala da coletividade, do país, eu quero que o pensamento dela coincida com o meu. Letra a letra. Quem não está comigo, está contra mim.

Neste 2015 brasileiro, as redes sociais vêm mostrando de forma acachapante a falta de debate e a negação de diálogo entre divergentes políticos. Não se roçam pontos de vista. Se trocam ofensas. A história toda se dá pela antiquíssima estratégia de desautorizar não o argumento do outro, mas a própria pessoa. Quem não pensa como eu, pensa contra mim.

Uns poucos criam, muitos copiam. Petralha para quem é simpatizante do PT, ou do pensamento de esquerda. Tucanalha para quem é simpatizante do PSDB , ou do pensamento de centro. Golpista para quem é simpatizante da direita. Ah, dinossauro para quem, como eu, ainda usa os conceitos de esquerda, centro, direita. Reparo que petralha e tucanalha são palavras gêmeas que trancam o debate. Apelidos que se equiparam. Nas trocas de pedradas verbais, ninguém convence ninguém.

Penso que mais do que duelar por conta das diferenças, o eficaz seria procurar os pontos de concordância. As conexões possíveis e produtivas. Todos querem educação de qualidade e saúde universal. Todos acreditam que nenhum cidadão deva ser condenado à miséria e ao abandono. Então por que não avançar em torno dos termos comuns? Se não ouvirmos os adversários políticos, se não articularmos discussões honestas e respeitosas, aí sim – como falou minha irmã Cláudia – entraremos em guerra.

+ sobre o tema

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente....

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de...

para lembrar

Para o pessoal das pautas identitárias

Ninguém aguenta mais vocês ignorarem os problemas urgentes do...

Dilma indica Luiz Fux para 11º vaga no STF

A presidente Dilma Rousseff indicou nesta terça-feira (1º/2) o...

Renda Básica para promover justiça e paz

Por: PHILIPPE VAN PARIJS e EDUARDO MATARAZZO SUPLICY   Instituir a...

Dilma: Brasil não é contra a criação de uma taxa financeira internacional

Por: Sílvio Ribas Cannes - O Brasil não...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05) o Projeto de Lei 4.129/2021, que cria diretrizes para a elaboração de planos de adaptação à...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram emergência no Maranhão devido às fortes chuvas que atingem todo o estado. A informação foi...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do Estado emerge da catástrofe. A pandemia de Covid-19 deveria ter sido suficiente para demonstrar que...
-+=