sexta-feira, junho 24, 2022
InícioQuestões de GêneroLGBTQIA+'Caráter não se mede por sexualidade', diz transexual Silvânia Santos conselheira tutelar

‘Caráter não se mede por sexualidade’, diz transexual Silvânia Santos conselheira tutelar

Silvânia Santos foi eleita pela população para ocupar o cargo público.
Trabalho é garantir direitos de crianças e adolescentes em situação vulnerável.

por Marina Fontenele no G1

Trabalhar na defesa dos direitos e em busca de dias melhores para crianças e adolescentes. Esse é o objetivo da conselheira tutelar Silvânia Santos de Sousa, 26 anos, transexual eleita para a função com quase 400 votos da população da Zona Norte de Aracaju. Membro do Grupo Homossexual do Bugio (GHB) e ligada a movimentos transgêneros, ela afirma que é a primeira transexual do Brasil a assumir, de forma titular, ao cargo de conselheira tutelar.

“Competência e caráter não se medem pela sexualidade. Um amigo me disse que eu tinha tudo para dar errado diante do preconceito que ainda existe a sociedade: nasci negra, na periferia, deficiente e transexual. Mas eu não quis me vitimar, pelo contrário, eu acreditei nos meus sonhos e quis mostrar que eu sou capaz de ajudar as pessoas e trabalhar pela comunidade”, afirma Silvânia, que assumiu a função pública neste mês.

silvania2 Foto: Marina Fontenele/G1)

Antes de a população elegê-la conselheira, Silvânia já fazia um trabalho voluntário de aula de dança para crianças do bairro Bugio.  “Aquilo me realizava então pensei que eu poderia chegar a mais crianças e adolescentes que merecem atenção. Tive medo no início, mas a comunidade me apoiou e me confiou essa missão”, lembra. As aulas eram mantidas através de doações de comerciantes da região. Nessa época, Silvânia era funcionária da recepção de uma empresa e ainda não tinha vestia de forma feminina.

“Os principais problemas que eu e meus colegas de trabalho vamos combater são evasão escolar e hospitalar, negligência, violência física, psicológica e sexual, entre outros. Nosso dever é garantir os direitos de crianças e adolescentes que estão em situação de vulnerabilidade social, em risco de violência ou opressão. Vamos conversar com a família, aconselhar para que situações como estas não aconteçam mais”, destaca.

Para a transexual, a experiência de quem vivenciou algumas dessas dificuldades aguçou a sensibilidade. “Hoje minha família me apoia, mas já passei por humilhação na rua e ouvi muitos comentários maldosos até assumir de vez a minha felicidade porque ser transexual não é só uma mudança de visual e de órgão sexual, mas sim a adequação à minha identidade”.

Foto: Marina Fontenele/G1) Foto: Marina Fontenele/G1)

De acordo com a conselheira municipal, o racismo acontece fora de casa e a vítima geralmente tem o apoio da família, que acolhe e encoraja. “Já o preconceito sexual, muitas vezes já começa dentro do núcleo familiar quando a criança apresenta trejeitos de homossexual e nesses casos a pessoa fica sem chão, sem ter a quem recorrer. Acaba que a casa se torna um ‘terreno inimigo’, é preciso reverter esse tipo de situação”, analisa.

Silvânia acredita que a evasão escolar é outro problema grave, que precisa do apoio de todos no combate. “A evasão escolar de homossexuais é uma coisa que preocupa muito também porque isso acaba reduzindo as futuras possibilidades de trabalho. E, menos oportunidades podem acabar impulsionando a prostituição e a entrada no submundo da marginalidade. Todos têm o direito à educação e possuem capacidade de realizar seus sonhos”, finaliza. Para o futuro, ela planeja cursar faculdade de Direito e continuar com o trabalho na comunidade.

Artigos Relacionados
-+=