Carta de sobrevivente para atirador da Noruega

Jovem de 16 anos publicou mensagem a Anders Breivik no Facebook.

‘Combatemos o mal com o bem. Nós ganhamos’; leia a carta na íntegra.

Uma mensagem escrita para Anders Breivik, o extremista de direita que confessou a autoria dos ataques que deixaram 77 mortos na Noruega, foi publicada no Facebook nesta segunda-feira (1º) e tem causado repercussão na Noruega.

Escrita por Ivar Benjamin Oesteboe, um sobrevivente do tiroteio na ilha de Utoya, a carta se concentra em dizer que o plano do atirador funcionou ao contrário, e que o povo está mais unido do que nunca. “Nós não respondemos o mal com o mal, como você faria. Nós combatemos o mal com o bem. E nós ganhamos”.

Com alguns colegas, Oesteboe se escondeu após Breivik começar a disparar contra os jovens que participavam de um acampamento promovido pelo Partido Trabalhista na ilha de Utoya, próxima da capital norueguesa.

O adolescente chegou a ver o atirador em ação. “Quando me virei, vi ele vestindo um uniforme da polícia. Ele atirava nas cabeças das pessoas enquanto ria”, contou ele ao jornal norueguês “Dagbladet”. Oesteboe e os amigos só saíram do esconderijo quando a polícia chegou ao local.

Leia abaixo a íntegra da carta escrita pelo jovem.

“Caro Anders Behring Breivik,

Muitos dos meus amigos que conheci em Utøya estão mortos, e você é o autor do crime. Por pura coincidência você não me matou, eu tive sorte.

Você pode pensar que ganhou. Você pode pensar que destruiu o Partido Trabalhista e pessoas no mundo que são responsáveis por uma sociedade multicultural, matando os meus amigos e camaradas.

Sei que você irá falhar.

Você não só chocou o mundo, mas deixou as nossas almas em chamas, e saiba que nunca antes estivemos todos unidos como agora.

Você se refere a si mesmo como um herói, um cavaleiro. Você não é um herói. Mas uma coisa é certa: você criou heróis. Em Utøya, aquele dia quente de julho criou alguns dos maiores heróis que o mundo já viu, você fez com que todos os povos do mundo se unissem. Negros e brancos, homens e mulheres, crianças e adultos, vermelhos e azuis (referências às cores dos partidos políticos), cristãos e muçulmanos.

Você fez a sua oferta aos mártires, os imortais, e você mostrou ao mundo que, quando uma pessoa demonstra tanto ódio quanto você tem feito, pense em quanto amor podemos mostrar quando nos unimos?

Você matou meus amigos, mas você não matou a nossa causa, nossas opiniões, nosso direito de nos expressar. Mulheres muçulmanas são tratadas nas ruas com simpatia, e seu objetivo era proteger a Europa do Islã? Seu trabalho tem servido ao seu propósito, criamos uma comunidade.

Você merece ouvir como o seu plano funcionou. Muitos estão com raiva, você é o homem mais odiado. Eu não estou zangado. Não tenho medo de você. Você não pode nos tocar, somos maiores do que você. Nós não respondemos o mal com o mal, como você faria. Nós combatemos o mal com o bem. E nós ganhamos.”

Fonte: G1

+ sobre o tema

Paola Corosella: Morte de Pedro Gonzaga gera menos revolta que a de um cachorro

A chef Paola Carosella condenou a indignação seletiva da...

“Assunto de preto”?

A esmagadora maioria festejou, mas confesso que fui tomada...

Não à redução da maioridade penal

O que está por trás do ressurgimento do projeto...

A luta indígena em Santa Catarina

Por: Elaine Tavares, jornalista Um júri popular definiu, na última...

para lembrar

Natiruts: Quem Planta O Preconceito

Quem planta preconceitoRacismo, indiferençaNão pode reclamar da violênciaQuem...

Governo de SP lança campanha contra o racismo

Parceria entre o governo Geraldo Alckmin (PSDB) e a...

Batuko: poder feminino, literatura oral e tradição.

O Continente Africano, em toda a sua diversidade, possui...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=