Caso Moïse: MPT denuncia quiosques por trabalho análogo à escravidão

Enviado por / FonteCNN, por Pauline Almeida

Procuradoria vai continuar investigando estabelecimentos nas praias e recomenda que proprietários das concessões regularizem vínculos trabalhistas

O Ministério Público do Trabalho (MPT) processou os quiosques Tropicália e Biruta, localizados na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A Procuradoria aponta que os estabelecimentos submeteram o refugiado congolês Moïse Kabagambe e outros trabalhadores a condições análogas à escravidão.

Moïse foi espancado até a morte em um dos quiosques, no mês de janeiro deste ano. Três homens foram denunciados pelo homicídio do jovem de 24 anos e estão presos.

Além dos proprietários, o MPT pede a responsabilização da Orla Rio, concessionária do serviço, e ainda da prefeitura da capital. Para o órgão, ambas falharam na fiscalização.

Após o assassinato do congolês, auditores do Trabalho identificaram pelo menos 256 trabalhadores sem registros em quiosques localizados nas praias da cidade, vários deles imigrantes e refugiados.

CNN pediu um posicionamento da defesa do quiosque Tropicália e da prefeitura do Rio e aguarda retorno. A reportagem ainda tenta contato com a defesa do quiosque Biruta. Já a Orla Rio informou que aguarda a notificação e buscaria detalhes sobre a ação antes de se manifestar.

Em relação à denúncia contra os quiosques Tropicália e Biruta, segundo o MPT, os garçons dos locais não atuam com carteira assinada e são pagos, conforme as declarações dos sócios dos quiosques, por diária, que pode chegar a R$ 0 de acordo com o movimento do dia.

Além disso, a investigação apontou que os profissionais trabalham de 10h a 12h, sem a oferta adequada de alimentação e água, com restrições ao uso de banheiro e sem equipamentos de proteção individual, como protetor solar e boné.

Para a procuradora do Trabalho Guadalupe Turos Couto, as condições análogas à escravidão ficaram comprovadas.

“É um trabalho sob o sol, sem proteção, sem protetor solar, com os pés descalços, na areia abrasiva. Essas circunstâncias impostas culminam na imunodepressão, que é esse cansaço físico, uma exaustão do corpo humano. Além disso, o risco de incidência de câncer de pele”, disse, em entrevista à CNN.

Guadalupe Turos Couto ainda aponta que a ação é um alerta para os demais donos de quiosques. “Regularizem [a situação trabalhista], porque o Ministério Público do Trabalho vai continuar investigando. Nós queremos fazer um trabalho de conscientização dos outros quiosques e também da sociedade… Quando um trabalhador desses fica doente, ele vai ser atendido no SUS. Quem vai pagar? A sociedade. Por isso, a sociedade tem que nos ajudar no cumprimento dessas obrigações, para o bem de todos”, declarou.

Indenização à família de Moïse

A denúncia apresentada à Justiça pede que seja reconhecido o vínculo trabalhista de Moïse Kabagambe na função de garçom, no período entre 1º de dezembro de 2018 e janeiro de 2022, com o pagamento de R$ 285 mil à família do refugiado.

O valor inclui o salário mínimo da categoria e todos os demais direitos, como férias e FGTS.

A Procuradoria ainda solicita uma pensão de R$ 3,4 milhões à família, com base no equivalente a 2/3 do salário do trabalhador e considerando uma expectativa de vida de 76 anos. Enquanto o processo corre, o pedido é que todos os réus paguem um salário mínimo para a mãe de Moïse.

Além disso, o processo cobra pagamento de dano moral individual de R$ 2 milhões, destinados aos parentes de Moïse, e R$ 11,5 milhões por danos morais coletivos, que devem ser encaminhados a uma entidade social sem fins lucrativos.

Em relação aos trabalhadores que continuam atuando nos quiosques, o MPT pede que eles sejam registrados e recebam as condições adequadas para o expediente na praia.

+ sobre o tema

Documentário aborda o apagamento da negritude de Chiquinha Gonzaga

A trajetória de Chiquinha Gonzaga (1847-1935) é analisada sob...

Brasil tem mais de um milhão de casos de dengue este ano

Desde o início do ano, o Brasil registrou 1.017.278...

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Fachin determina que RJ apresente cronograma para câmeras em fardas policiais

Em decisão desta segunda-feira (19), o ministro Edson Fachin, do Supremo...

Movimentos de favelas organizam plano de ação e reivindicam compromisso público no Rio de Janeiro

Numa iniciativa que envolveu ativistas das pelo menos cinco...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...

Enredo e Samba: Mangueira vai homenagear vida e obra de Alcione

A Estação Primeira de Mangueira virá para o carnaval de 2024 com um enredo que vai homenagear uma das torcedoras mais ilustres da escola: a cantora e compositora Alcione. Com...
-+=