Ceder ou não à loucura

Estabilidade e crescimento dependem também de superar o clima de campanha permanente, insano e improdutivo, instilado por algoritmos

“Não acho que ele [Tarcísio de Freitas] vai ser um cara dentro da loucura que é o bolsonarismo, mas vai ter que ceder muito a ela.”

Nesta avaliação de um deputado sobre as tendências de comportamento do governador paulista frente ao governo federal, há sinais relevantes sobre os rumos da política no Brasil. O parlamentar referia-se ao difícil equilíbrio entre moderação e inclinação à direita radical por parte dos governadores que tentam ampliar o diálogo com Lula sem romper com o bolsonarismo.

A frase deixa mais nítida a dificuldade de se equacionar o tabuleiro das posições políticas. É uma encruzilhada: um lado aponta para um governo eleito contra fortes turbulências golpistas, enquanto o outro oscila entre moderados e ultraconservadores, que flertam com golpismo e persistem na defesa do indefensável, desde o genocídio ao garimpo predatório. Tarcísio busca protagonismo na direita, mas começa a ser queimado por bolsonaristas, insatisfeitos com seu pé no patamar civilizado mínimo.

Daí o alerta sobre adesão compulsória à “loucura”. Esta é sinônimo corrente de bolsonarismo, pois o fenômeno, de difícil compreensão, guarda um potencial epidêmico externo à política propriamente dita. Vale uma licença poética de Khalil M. Gibran: “Eu me tornei louco. E encontrei tanto liberdade como segurança em minha loucura: a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreende escraviza alguma coisa em nós” (em “O Louco”).

Não se trata, claro, da entidade clínica da psicose, mas de loucura oportunista: tanto refúgio como recusa de aceitação de dificuldades objetivas, que podem soar narcisicamente como excessivas. É loucura em que não se vê mundo além de espelho e vitrina.

E nem compromisso humano. Daí a indiferença narcísica dos surfistas em meio à enchente no litoral paulista ou do “empreendedor” do litro de água a 93 reais. Mas sobretudo no fio de ligação entre o ex-mandatário sem empatia com vítimas de tragédias e os moradores do condomínio rico que, insensíveis à contagem dos corpos, agrediam jornalistas, aos gritos de “comunistas”. Não é fio isolado, é parte de uma teia que captura e altera a visão interna dos propensos.

Essa afecção é multiforme. Quando a maior preocupação é o menor engajamento de Lula nas redes ou sua oscilação de popularidade, cabe indagar se não há uma demanda implícita de feed da loucura digital, o capim de engorda do bolsonarismo. Sim, as redes são o pasto da manada, um problema real para a encruzilhada decisória. Mas demagogia não é política econômica. Estabilidade e crescimento dependem de não se ceder à loucura e de superar o clima de campanha permanente, insano e improdutivo, instilado por algoritmos.

+ sobre o tema

Luiza Trajano cria movimento para vacinar todos os brasileiros até setembro

Um grupo de empresários liderados por Luiza Trajano, do Magazine...

Abdias concorre ao Premio Nobel da Paz 2010

Por: PLÍNIO FRAGA Pouco ousado, Lula não foi até o...

Movimentos sociais comemoram decisão da Câmara sobre os royalties

Projeto de lei destina 75% dos recursos para a...

Daniel Munduruku: “Índio é invenção total, folclore puro”

Tatiana Mendonça Volta e meia, o paraense Daniel Monteiro Costa,...

para lembrar

Racismo, negligência e extermínio: o tripé básico do governo Bolsonaro

No Brasil, cor e classe social são fatores de...

Desigualdade social, o maior problema do Brasil

Com um ano eleitoral pela frente, os mais graves...

Balbúrdia e fascismo: como o governo Bolsonaro sucateou a educação

Em 2016, quando eu era professor de uma escola,...

Aos responsáveis, punição

À medida que a CPI da Covid se aproxima...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

Segunda mulher negra na história do TSE toma posse como ministra da Corte

Primeiro foi a mineira Edilene Lôbo, advogada de Taoibeiras (MG) que em 8 de agosto de 2023 foi pioneira ao tomar posse como primeira...

Pé-de-meia: quando começa, como se inscrever e como receber a bolsa do ensino médio

Alunos de famílias inscritas no Bolsa Família poderão receber, a partir de março deste ano, um incentivo financeiro do governo federal de até R$ 9,2 mil...
-+=