Ciência sem Fronteiras é ‘case’ mundial de sucesso, diz Capes

“O Programa Ciência sem Fronteiras virou um caso internacional de sucesso e, inclusive, vem sendo copiado por outros países. Realmente, deve transformar o ambiente acadêmico brasileiro”, afirmou o professor Márcio de Castro Silva Filho, diretor de Relações Internacionais da Capes, antes de conceder palestra na I Semana Unicamp sem Fronteiras, no Centro de Convenções. “O programa surpreendeu a todos pelo alcance que conseguiu e também pelo número de estudantes brasileiros que está enviando para diversos países.”

Por: Luiz Sugimoto, da Uni Camp

Imagem retirada do site: http://capes.gov.br

Segundo Márcio de Castro Silva, as primeiras chamadas da Capes e do CNPq foram para instituições dos Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Alemanha e França, mas o último edital, que acaba de ser encerrado, envolveu mais sete países, totalizando doze. “Deveremos terminar o ano com aproximadamente 20 mil bolsistas colocados em instituições de ensino e pesquisa no exterior. É um grande feito e, em termos de escala, uma iniciativa sem precedentes no Brasil, ainda mais em tão pouco tempo.”

O diretor da Capes informou que um grupo de graduandos já embarcou e o contingente maior viajará entre junho e setembro (mês em que começa o ano letivo nas universidades do hemisfério norte). O embarque em três momentos está relacionado com o nível de conhecimento da língua onde o bolsista vai estudar. “Quem sair em junho terá a oportunidade de aulas de reforço para aprimorar a língua, por um período de dois ou três meses.”

Convidado a falar sobre as perspectivas do CsF para os próximos anos, Márcio de Castro lembrou que o programa está estruturado para conceder 101 mil bolsas – 75 por parte do governo federal e 26 mil da iniciativa privada. “Este primeiro contingente é de alunos de graduação, mas já temos editais abertos para pós-graduação, pós-doutorado e pesquisadores, que terão condições de viajar no semestre seguinte.”

O diretor da Capes lembrou, também, que o CsF é uma resposta de Dilma Rousseff ao desafio de Barack Obama. “Ele disse que havia 130 mil chineses e 100 mil indianos estudando nos Estados Unidos e perguntou por que o Brasil não mandava 100 mil brasileiros para lá. Então, foi criado o Ciência sem Fronteiras. Um diferencial é que os estudantes chineses e indianos são sustentados por suas famílias, enquanto os nossos participam de um programa de governo.”

A organização da I Semana Unicamp sem Fronteiras está trazendo representantes do Programa CsF do Canadá, Portugal, Reino Unido, EUA, Espanha, Holanda, França e Austrália para expor as oportunidades de intercâmbio oferecidas por seus países. Na programação desta terça-feira estavam palestrantes de Portugal e do Reino Unido. Os horários das 12h30 e das 17h30 foram pensados para permitir maior participação dos alunos dos cursos diurnos e noturnos.

“O Programa Ciência sem Fronteiras é uma grande oportunidade para que estudantes brasileiros façam cursos em Portugal, conheçam nosso país e tenham experiências em áreas diversas”, disse Maria Fernanda Nunes Miranda, chanceler do Consulado-Geral de Portugal em São Paulo. “Para Portugal, é uma situação extremamente positiva para que cada vez mais brasileiros procurem por nosso país e a nossa infraestrutura no âmbito da cultura e do conhecimento, ressaltando principalmente os laços históricos e o bom entendimento político entre os dois países”, acrescentou Paulo Machado, diretor de Turismo do Consulado.

O professor Euclides de Mesquita Neto, pró-reitor de Pós-Graduação da Unicamp, observou que a Universidade já tinha dado início a um plano de internacionalização, conseguindo um acréscimo significativo de adesão dos seus quadros, e que o programa do governo federal surgiu como forte elemento para viabilizar esta mobilidade. “Saudamos o Ciência sem Fronteiras, que vem destravar alguns aspectos, em especial o intercâmbio de graduação, já que na pós-graduação e no pós-doutorado já havia acolhida em termos de financiamento. Estamos organizando esta Semana para que os alunos entendam quais são as oportunidades de intercâmbio e encorajar a participação”.

 

+ sobre o tema

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

CNU: governo decide adiar ‘Enem dos Concursos’ em todo país por causa de chuvas no RS

O governo federal decidiu adiar a realização das provas...

para lembrar

Barroso debate ensino religioso nas escolas

"Há três grandes valores em questão. O primeiro é...

Por que trabalhar com Literatura Negra em sala de aula?

Apesar da implementação da Lei 10.639/2003 que diz respeito...
spot_imgspot_img

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a educação, formação, apoio a juventude e esportes, está com inscrições abertas para a edição 2024/25...
-+=