Cineasta Joel Zito Araújo avalia que mídia tradicional é injusta no debate racial

Passados 125 anos da lei que libertou africanos e seus descendentes da escravidão no Brasil, o cineasta negro Joel Zito Araújo avalia que, na mídia, há “desequilíbrio” na apresentação de temas relacionados à questão racial, como ações afirmativas, entre elas as cotas, e políticas destinadas a comunidades quilombolas.

O cineasta propõe uma reflexão sobre o tema ao trazê-lo ao debate em seu mais novo filme, Raça, uma parceria com a documentarista americana premiada com o Oscar, Megan Mylan. O lançamento, marcado para a próxima sexta-feira (17), ocorre 25 anos depois que a temática foi levada às telas pelo cineasta e ator negro Zózimo Bulbul com o documentário Abolição, sobre a situação da população negra brasileira.

Araújo é categórico ao afirmar que seu documentário tem o objetivo de apresentar ao público uma “versão dos fatos” e argumentos ignorados pela imprensa nos últimos anos.

“As mídias tradicionais foram injustas no debate racial. Sempre privilegiaram aqueles que eram a favor de sua posição editorial, ou seja, contra cotas, contra terra para quilombos, e ignora coisas graves que aconteceram e acontecem, como a exterminação de jovens negros na periferia”, diz ele, que também é especialista com pós-doutorado em comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e foi professor visitante na Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

A percepção de Araújo tem fundamento teórico. O Grupo de Estudos Multidisciplinares de Ação Afirmativa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), coordenado pelo professor João Feres Júnior, constatou que, entre 2001 e 2009, 96% dos editoriais de jornais e revistas no Rio e em São Paulo foram contrários a ações afirmativas raciais. Reportagens e artigos de opinião se posicionaram de maneira parcial em relação às cotas, de acordo com a pesquisa.

joelzito3

Diante desse cenário, o cineasta acredita que o público de classe média, que vai ao cinema, não conheceu o “outro lado”, em favor dos negros. Por isso, reuniu em seu filme os temas que polarizaram a mídia: a discussão sobre o Estatuto da Igualdade Racial, no Congresso Nacional,  o julgamento da constitucionalidade das cotas raciais, no Supremo Tribunal Federal (STF), e a regularização de terras quilombolas. “O filme é uma espécie de justiça histórica em função do desequilíbrio do debate”, declara.

Ele avalia que o próprio cinema peca na forma como retrata o racismo, e a mídia brasileira precisa rever sua abordagem. “O cinema brasileiro tem muitos filmes sobre cultura negra, sobre o carnaval, sobre o candomblé, sobre isso e sobre aquilo, mas evitar falar do racismo é [ser] cúmplice da ideologia do branqueamento”. Para ele, de modo geral, “ a mídia tem uma profunda dificuldade de encarar que somos um país diverso, cuja metade da população é negra”.

Para produzir Raça, o cineasta acompanhou, de 2005 a 2009, o senador Paulo Paim (PT-RS), a ativista quilombola Miúda e o empresário e cantor Netinho de Paula – vereador paulista que criou a primeira emissora de TV feita por negros.

 

 

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Deputada Leci Brandão Propõe a criação da Semana Estadual do Hip-Hop

    De acordo com o Projeto de Lei 306/2012 ,...

Câmara realiza homenagem ao Professor Eduardo de Oliveira

Sessão solene realizada em comemoração aos 86 anos do...

Ministra da igualdade racial participa de caminhada contra intolerância religiosa no Rio

Mobilização reuniu no domingo (16), milhares de candomblecistas, católicos,...

para lembrar

Cearense no comando nacional da Cufa

Em solenidade no Theatro José de Alencar, o rapper...

Entrevista da Ministra Luiza Bairros ao jornal Fêmea

Assista e divulgue o vídeo com a entrevista da...

I Oficina de Direito Sacerdotal das Religiões de Matriz Africana em Londrina

I OFICINA DE DIREITO SACERDOTAL DAS RELIGIÕES DE MATRIZ...

Desafios da Militância em Brasília e Roteiro Cultural Candango

Desafios da Militância em Brasília e Roteiro Cultural...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=