Com direção de Luiz Antonio Pilar, musical sobre Ataulfo Alves estreia na próxima sexta

‘Ataulfo Alves — O bom crioulo’ traz a música e o refinamento do sambista para o palco do Teatro Dulcina

POR LUIZ FELIPE REIS, do O Globo 

Ataulfo Alves vestiu o samba para a noite de gala. E foi essa uma das maiores contribuições do compositor ao gênero musical que o tornou famoso. Não à toa, termos como sofisticação, elegância, requinte, entre outros sinônimos, se revezam nas palavras do diretor Luiz Antonio Pilar, do diretor musical Alexandre Elias e do ator Wladimir Pinheiro quando perguntados sobre os principais traços do sambista que eles passaram os últimos meses pesquisando. O trio, ao lado de nove atores e quatro músicos, vai levar o samba e o refinamento de Ataulfo ao palco do Teatro Dulcina com o musical “Ataulfo Alves — O bom crioulo”, que estreia na próxima sexta-feira.

— Ele deu uma nova roupagem ao samba e aos sambistas, ou seja, dotou ambos de maior elegância — diz Pinheiro, que interpreta o protagonista. — Ataulfo vestiu o samba de gala, com sambistas de terno e uma sonoridade de orquestra.

E, assim, ampliou o alcance do gênero, aumentando sua penetração social via rádio e levando-o dos estratos populares às altas rodas da sociedade.

 

Dany Stenzel, como Carmem Miranda, ao lado do ator Wladimir Pinheiro, que encarna o protagonista - Foto divulgação / Eric Paiva/Divulgação Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/teatro/com-direcao-de-luiz-antonio-pilar-musical-sobre-ataulfo-alves-estreia-na-proxima-sexta-17338501#ixzz3kJ3OKgLJ © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Dany Stenzel, como Carmem Miranda, ao lado do ator Wladimir Pinheiro, que encarna o protagonista – Foto divulgação / Eric Paiva/Divulgação

— Ele ajudou a consolidar o samba como a música das rádios, e assim o fez atingir toda a cidade — diz Alexandre Elias.Pilar defende que o compromisso maior de toda a carreira de Ataulfo foi justamente esse: atingir o maior número de pessoas possível. E, de algum modo, entendeu que era preciso readequar o samba, remodelando sonoramente o gênero e vestindo os músicos com trajes de trabalhador, aposentando o imaginário vadio.

— Ele contribuiu musicalmente e socialmente para desmarginalizar o samba — diz Pinheiro. — O governo Getúlio exaltava o trabalhador, e o Ataulfo entendeu o recado. O novo malandro não era mais o malandro, mas o sambista trabalhador.

— O Ataulfo foi o primeiro a gravar samba com orquestra — lembra Elias. — Ele queria os grandes maestros, arranjadores, os melhores músicos e cantores. Ele mirava a sofisticação, e criava esse contraponto entre o popular e o elegante, o sambista de terno que flertava com o erudito, como os negros que criaram o jazz. Talvez por causa de Ataulfo tenhamos chegado à bossa nova.

O espetáculo traz uma narrativa biográfica, apresentada num botequim. Lá, um maître (Marcelo Capobiango) vislumbra o espírito do compositor e dá partida a um papo regado a doses de cana. É no fluxo desse papo que personagens como Ari Barroso e Mário Lago (vividos por Alexandre Vollú) e Pixinguinha e Wilson Baptista (interpretados por Édio Nunes) tomam a cena, junto a clássicos do compositor, como “Errei sim” e “Leva meu samba”.

Para além da música, Pilar fez questão de usar a expressão “bom crioulo” no título da peça para provocar reflexões:

— É para que a gente se pergunte mesmo. O que é ser um bom crioulo?

E o que é? Na visão de Ataulfo, em seu samba “Bom crioulo”, a mensagem diz: “Nunca fez uma arruaça/ Não sabe ser valentão/ Mas não nega a sua raça/ Quando pega o violão”.

— É se valer do seu talento para que a negritude se espalhe — argumenta Pilar. — Para o Ataulfo, era se manter na linha, mas sem negar a raça. O bom crioulo é alguém que afirma a sua origem.

“DRAMA E CONFLITO ESTÃO NA MÚSICA”

Ataulfo desempenhou, de fato, uma trajetória profissional exemplar, ascendente, “sem descaminhos”, diz Pilar, que tem como base o texto de Enéas Carlos Pereira e Edu Salemi. Nascido em 1909 em Miraí (MG), o compositor chegou ao Rio aos 19 anos, onde se dividiu entre o batente na farmácia e o batuque nas rodas. Foi entre fármacos e elementos químicos que ele formulou a boa liga dos seus sambas e cativou parceiros como Mário Lago (“Ai, que saudades da Amélia”) e Wilson Baptista (“O bonde de São Januário”), além de divas como Carmen Miranda, Dalva de Oliveira e Elizeth Cardoso, até, posteriormente, impulsionar a carreira da jovem Clara Nunes. Casado com Judite e pai de cinco filhos, Ataulfo morreu às vésperas de seus 60 anos. Maleável politicamente e com um faro empreendedor apurado, batalhou não só pela sofisticação da música, como foi pioneiro na luta por direitos autorais, contratos mais vantajosos e autonomia artística para cantores e compositores.

— Ele nos dá a chance de vivenciar os aspectos mais positivos do homem negro — diz Pilar. — Não é a miséria, marginalidade ou irracionalidade, mas o talento que garante a quebra de barreiras e o sucesso econômico sem a perda da dignidade.

Às vezes criticado pela maleabilidade, Ataulfo viveu uma vida sem grandes conflitos e crises, o que gerou um desafio aos autores do espetáculo.

— Quando o Ataulfinho (Ataulfo Alves Jr.), filho dele, me incentivou a fazer o musical, eu disse, “Pô, teu pai é quase perfeito, é um problema. Não tem drama e conflito”. Mas é claro que tem, e tudo está na música. É lá que ele fala do amor e seus dilemas, do receio da morte e da afirmação da vida.
SERVIÇO

“Ataulfo Alves — O bom crioulo”

Onde:Teatro Dulcina — Rua Alcindo Guanabara 17, Centro (2240-4879).

PUBLICIDADE

Quando: Estreia 4/9. De qua. a dom., às 19h. Até 4/10.

Quanto: R$ 20.

Classificação: 14 anos.

+ sobre o tema

Irmãs que esbanjam estilo viram sucesso no mundo da moda

As irmãs gêmeas TK Wonder e Cipriana Quann estão...

Kenzo escolheu só modelos negros para sua nova campanha. E ficou DEMAIS

A marca japonesa Kenzo é conhecida por suas fragâncias...

O sorriso de Kiki

Um pequeno grande herói, que deixou o mundo por...

para lembrar

Milton Nascimento lembra como o preconceito racial despertou sua consciência política

Em 2010, Milton Nascimento foi batizado pelos índios Guarani...

Rio de Janeiro sediará evento sobre “O Negro no Cinema Brasileiro”

A atração será gratuita e completamente aberta ao público...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

BH recebe suas primeiras estátuas de mulheres negras

A filósofa Lélia Gonzalez (1935-1994) e a escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977) foram eternizadas na cidade de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Desde...

Itamar Vieira Junior estreia nos livros infantis com trama de crianças trabalhadoras

"O público infantil não deve ser poupado de conhecer essa realidade", afirma Itamar Vieira Junior que em seu primeiro título infantojuvenil, "Chupim", quer direcionar o olhar atento...
-+=