Com show ‘Tarde’, Milton Nascimento revisita sua obra

Cantor mostra clássicos e músicas menos conhecidas durante apresentação

POR LEONARDO LICHOTE, do O Globo

A letra de “Tarde” completa o desejo de retorno da frase “Quero voltar” com o verso “Poder a saudade não ter”. Nesse sentido, a parceria do cantor com Márcio Borges (lançada em 1969) combina com a proposta do espetáculo batizado com o nome da canção, no qual Milton volta a clássicos da carreira num formato novo — baseado num duo de violões de sete cordas e contrabaixo acústico. O repertório do show — inicialmente marcado para 16 de dezembro, mas adiado por motivos de saúde para esta quinta, no Teatro Bradesco — também inclui músicas que o compositor e intérprete não cantava havia anos.

Milton explica que “Tarde” surgiu do desenvolvimento natural de trabalhos anteriores que já tinha feito com os violões dos irmãos Wilson e Beto Lopes — o contrabaixista Alexandre Ito completa a formação que o acompanha:

— Antes desse show ser intitulado “Tarde”, nome sugerido pelo jornalista e amigo Marcus Preto, a gente já tinha feito algumas experiências nesse formato. Junto com os irmãos Wilson (que também tocam viola caipira no show) e Beto Lopes, já tínhamos tocado uma vez no Espaço Tom Jobim e, depois, numa festa do Grammy Latino, na Miranda. E como nesses dois shows a aceitação do público foi bem bacana, decidimos seguir em frente e ver no que dava. Mas nada disso foi planejado com um objetivo específico, o show simplesmente aconteceu.

COMPONDO PARA DOIS DISCOS

A escolha do repertório — de sucessos como “Ponta de areia”, “San Vicente” e “Caçador de mim”, ao lado de menos conhecidas como “Idolatrada” e “Sueño con serpientes” (do cubano Silvio Rodrigues, que Milton gravou em 1980 num dueto com Mercedes Sosa) — segue a mesmo fluxo. Ou seja, pouco planejamento e muita intuição.

— São canções que se adaptaram muito bem nesse formato somente com violões sete cordas e o baixo de Alexandre Ito, que tem a característica de usar o arco em várias canções, como em “Idolatrada”, por exemplo, que eu não tocava havia muitos anos — detalha Milton. — Mas não há uma explicação, um motivo para retomar as canções. Elas é que vieram até a gente, “Sueño con serpientes”, “Cio da terra”, a própria “Tarde”… Tudo começou com a gente tocando sem preocupação de comercializar isso, é um encontro de amigos.

A criação dos arranjos, completa, segue a mesma lógica:

— Não costumo pensar em como o arranjo vai soar, que impacto ele vai causar etc. A gente vai tocando até chegar ao ponto crucial que nos deixe à vontade e, principalmente, feliz com a música. Só então a gente leva pro show. Nada é pensado de forma mecânica, se for assim não funciona.

 

O desejo de “poder a saudade não ter” não se revela somente no olhar renovado sobre a obra que produziu até aqui — uma história que inclui 40 álbuns, mais de 20 milhões de discos vendidos, cinco Grammys e a participação central na suave e contundente revolução do Clube da Esquina. Entre os novos projetos, além de um documentário sobre ele produzido pelo canal HBO e dirigido por Cleisson Vidal (com mais de 60 horas de filmagem feitas desde 2014), Milton tem escrito canções.

— Atualmente tenho dois projetos de discos sendo preparados sem muita pressa. Um deles já está todo gravado, e nesse eu escrevi umas sete letras para músicas de parceiros — diz o compositor. — Mas, como não tenho cobrança de gravadoras e tal, não sofro pressão nenhuma de lançá-los. Sendo assim, vai tudo no seu tempo.

“Tarde”

Onde: Teatro Bradesco — Av. das Américas, 3.900, Barra (4003-2051).

Quando: Amanhã, às 21h.

Quanto: De R$ 50 a R$ 200.

Classificação: Livre.

 

+ sobre o tema

Conheça o The Elders: ex-líderes que buscam a paz mundial

Por: LUÍS EDUARDO GOMES Na região de Amhara,...

Como preparar uma pele negra perfeita antes da maquiagem

Tenho a pele negra e tenho dúvidas enormes na...

A Revolta dos Malês

O conhecido sociólogo e escritor Clóvis Moura em entrevista...

Emílio Santiago critica MPB atual: “É tudo muito cool”

Lançando o DVD "Só danço samba", cantor fala sobre...

para lembrar

Jaden Smith filma para Netflix serie que conta historia do Hip Hop na década de 70

Jaden Smith cobriu seus dreadlocks com uma peruca afro...

Seun Kuti lança seu clipe Black Woman

"Seun Anikulapo Kuti, filho mais novo do lendário músico...

Mano Brown não vai fazer show com Lobão na Virada Cultural

Por meio da página do Facebook da produtora Boogie...

E Luiz Carlos Gá voltou pra casa. Foi desenhar uma nova marca, no Orun

O carioca, Luiz Carlos  Gá, o filho de Ari...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...
-+=