Conferência nacional discute igualdade dos povos

– Fonte: Gazeta Web-

Thinkstock/Getty Images

Evento foi construído com as demandas das conferências municipais e regionais

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEE) participa no período de 25 a 28 de junho, no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília (DF), da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Conapir). Durante o evento, os participantes terão a oportunidade de ampliar o diálogo, e a cooperação entre órgãos e entidades governamentais e não governamentais de promoção da igualdade racial.

Segundo a gerente de Educação Étnico-Racial e de Gênero da SEE, e uma das delegadas representantes de Alagoas na II Conapir, Irani da Silva Neves, Alagoas levará 135 delegados para participar desta conferência. “Teremos representantes da sociedade civil, das comunidades de terreiro, quilombola e indígena. Além desses segmentos, participarão também representantes do governo estadual, dos municípios e alguns parlamentares do Estado”, disse.

Irani Neves ressalta que todos os estados da federação participarão do evento. Segundo ela, ao todo, deverão participar cerca de 1.326 delegados e 200 convidados.

“Além da educação estadual, participarão também um representante do Instituto de Terras do Estado de Alagoas (Iteral) e um da Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos”, lembrou a gerente.

Pelo regimento da conferência nacional o Estado participante pode apresentar cinco propostas. Todas elas são oriundas das conferências municipais e da conferência estadual.

Sobre a educação, a representante da SEE vai apresentar a necessidade de se garantir a educação básica para todas as comunidades quilombolas e indígenas com acesso à Inclusão Digital.

Outra reivindicação da pasta de Educação será a garantia de espaço para a temática étnico-racial nos meios de comunicação públicos e privados. “Também, a formação continuada para gestores e professores das escolas públicas do sistema do ensino estão inseridas nos pleitos de Alagoas”, acrescenta Irani Neves.

A gerente assegura que nesta conferência deverão ser apontados possíveis ajustes nas políticas de igualdade ora em curso, e fortalecidas as relações das mesmas com as políticas sociais e econômicas em vigor. “Será um momento de consolidação da promoção da igualdade racial enquanto política permanente de Estado, que perdure para além do atual governo, até que seja alcançado o equilíbrio nas relações étnicas em nossa sociedade”, anseia.

Matéria origianl: Conferência nacional discute igualdade dos povos

+ sobre o tema

Pela memória de minha mãe Alice

O Patriarcado matou minha mãe. É assim que quero...

Artigo: A estética é o que nos mata primeiro

Acredito que seja forte afirmar que o primeiro gatilho...

para lembrar

Uefa abre investigações contra abusos racistas e homofóbicos nos jogos da Hungria na Euro

A Uefa abriu uma investigação sobre "potenciais incidentes discriminatórios" que...

Racismo é coisa de criança? Quando os desenhos ensinam a odiar

Nelson Mandela já nos ensinou que “Ninguém nasce odiando...

Racismo contra Carrillo indigna os peruanos

Por:ANTÓNIO ADÃO FARIAS E JOÃO LOPES Numa altura...

Caso Extra: Caso repercute na mídia e Abílio Diniz reage

  S. Paulo - O caso da agressão de seguranças...
spot_imgspot_img

Uma supernova

No dia em que minha irmã nasceu, a Nasa fotografou uma supernova no universo. Quando minha irmã nasceu, foi uma das maiores alegrias da minha...

Número de crianças e adolescentes mortos pela polícia cresce 58% sob governo Tarcísio, apontam dados da SSP

O número de crianças e adolescentes mortos pela polícia aumentou 58% entre 2022 e 2023 — primeiro ano do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) —,...

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...
-+=