Corinthians divulga manifesto contra homofobia

A luta contra o racismo no futebol tem ficado cada vez mais em voga devido aos recorrentes episódios ocorridos em gramados por todo o mundo. O combate à homofobia, por outro lado, ainda engatinha, com torcedores que se mostram repugnados com agressões racistas hostilizando, com naturalidade, sem culpa e sem pudor, jogadores e torcedores rivais com xingamentos claramente homofóbicos.

Expressões como “bambi”, “florminense”, e “marias”, utilizadas para “ofender” são-paulinos, torcedores do Fluminenses e cruzeirenses, se tornaram rotineiras no universo futebolístico brasileiro sem que campanhas de conscientização contra esta prática fossem criadas. Punições tampouco foram impostas aos clubes para coibir a homofobia no mundo da bola.

Recentemente, a torcida do Corinthians adotou condenável atitude de gritar “bicha” quando goleiros adversários – principalmente o arqueiro Rogério Ceni, do São Paulo – preparavam-se para cobrar o tiro de meta. Nesta sexta-feira (12), então, preocupado com possíveis punições por conta destas agressões de sua torcida contra jogadores rivais, e valorizando a história de combate ao racismo e ao elitismo do clube, o Corinthians soltou um manifesto, conclamando sua torcida a parar com as agressões homofóbicas.

“Pelo fim do grito de ‘bicha’ no tiro de meta do goleiro adversário. Porque homofobia, além de ir contra o princípio de igualdade, que está no DNA corinthiano, ainda pode prejudicar o Timão”, diz um trecho do manifesto.

Leia o comunicado completo:

Corinthians divulga manifesto contra homofobia
Corinthians divulga manifesto contra homofobia

 

Fonte: Brasil Post

+ sobre o tema

Carta das Mulheres Negras 2015

Marcha das Mulheres Negras 2015 contra o Racismo e...

Mortes de mulheres no Brasil têm raça e classe definidas, dizem pesquisadores

"Violência no Brasil é um fenômeno social articulado a...

A Marcha das Vadias é necessária!

  Nota da Justiça Global em apoio à Marcha das...

para lembrar

Pesquisa analisa racismo no Brasil

  Quanto mais escura a cor da...

Luiza Brunet: “Escolhi a violência doméstica como bandeira da minha vida”

Dois anos após denunciar por agressão o ex-companheiro, o...

Deputados protocolam projeto para impedir transexuais e travestis de usarem nome social

Parlamentares de dez partidos protocolaram, nesta quarta-feira, projeto de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....

Conheça Luana de Noailles primeira manequim do Brasil

A baiana Luana não é muito conhecida no Brasil, mas na Europa ela é um ícone da moda há décadas. Considerada a primeira manequim negra...
-+=