A corrupção como interprete da realidade racial brasileira

Uma verdade deve ser lançada aqui antes de tudo: a corrupção não é questão central; o principal problema do país é a desigualdade social e a dimensão racista desse processo. É o racismo que institui o país mutilado no qual milhões são estrangeiros e/ou estão fora da cidadania regulada. Somos mais de cem milhões de negros (as); aloja-se aí, na assimetria entre o contingente extraordinário desse segmento e as suas péssimas condições materiais e imateriais, a dimensão mais perversa da exclusão brasileira.

Por Fausto Antonio Do Vermelho

Reprodução/ YouTube

Outra verdade ululante é que a corrupção estrutural e a conjuntural têm, no centro como corruptos e corruptores, os empresários e suas empresas. Não é por outra razão que negros (as), índios (as) e pobres estão fora da corrupção conjuntural (feita pelos governos) e sobretudo da estrutural (poder e/ou feita pelos ricos brancos). É a política, compreendida como arranjo e método de organização da sociedade brasileira, que instituir e alimenta a corrupção. Não é o político, como querem os ingênuos ou manipulados pela imprensa branca, o pilar ou motor central do processo.

Do ponto de vista da realidade atual, reduzida ao debate da corrupção seletiva e conjuntural, é necessário discernir entre a existência da corrupção estrutural, que tem raiz na sociedade patriarcal, capitalista e racista brasileira, e a corrupção conjuntural, que se limita a períodos ou intervalos de governos.

A corrupção conjuntural só tem validade para a compreensão da realidade brasileira se tomada de modo relacional. Ela tem um valor contingente, isto é, dado por certos eventos, que são facilmente localizados no tempo e no espaço. A estrutural, por sua vez, tem autonomia de existência no que toca aos eventos governamentais, que são cíclicos. A corrupção estrutural tem, podemos dizer assim, autonomia dos governos, pois se aloja na base material e ideológica do poder e nas estruturas aprovadas juridicamente pelo sistema capitalista. Os sistemas de poder, a base material e ideológica da sociedade, têm endereços, pessoas físicas e jurídicas precisas. Sendo assim, é fácil localizá-los nos sistemas financeiro, econômico, parlamentar, jurídico, militar, policial e de comunicação.

A certidão expedida pela tríade Cunha – Aécio-Temer pode revelar a idade estrutural da corrupção. Neste caso, é preciso considerar conjuntamente a JBS como um padrão de institucionalização, uma regra no processo de acúmulo de capital trivialmente presente na consolidação e hegemonização de empresas na sociedade brasileira e no capitalismo. O modo operandi das empresas passa inevitavelmente pela ilegalidade consentida (legalizada) pelo capital e seu aparato jurídico institucional.

Em outras palavras, as grandes empresas brasileiras apresentam, a despeito dos discursos ideológicos de enriquecimento pela via do trabalho, o acúmulo de capital através da apropriação indevida e sem custo de terras, de empréstimos vultosos ofertados discriminatoriamente pelo sistema bancário e de contratos e licitações fraudulentas. A manipulação e a impunidade e/ou punição relativa da JBS são o modo operandi do capitalismo; as punições são peças do capital e não punição às pessoas físicas e jurídicas; a punição se dá numa medida e numa extensão com vista a normatizar o crime e/ou reduzi-lo ao jogo do dinheiro em estado puro e percentualmente selado pela moral do sistema financeiro. As empresas pagam bilhões e recuperam, no jogo espúrio do mercado financeiro, trilhões

A corrupção conjuntural pede o contexto; a estrutural percorre e é todos os contextos. A conexão entre o conjuntural e o estrutural é dada, em parte, pelos eventos da luta pela condução dos governos nos últimos 15 anos; mas sua certidão (DNA/medula branca) é histórica.

Fausto Antonio é escritor negro-brasileiro e professor da UNILAB – Malês – Bahia

+ sobre o tema

Com iniciativa Global Gateway, UE apoia o Brasil no combate às desigualdades no mundo

A presidência brasileira do G20 fez do combate à fome, à...

Kamala Harris diz que está ‘honrada’ com apoio de Biden e que pretende ‘merecer e ganhar’ candidatura democrata

A vice-presidente Kamala Harris disse em uma declaração neste domingo que...

Biden desiste de reeleição após pressão e anuncia apoio a Kamala Harris

Após pressão de democratas, o presidente dos Estados Unidos, Joe...

para lembrar

O lugar é o mundo: sertaneidade na visão montessoriana

Márcio Jerry Saraiva Barroso, colinense, jornalista, presidente do PCdoB...

A criança precisa poder qualificar o que ela ouve, diz, repete e vive – Entrevista com Kiusam de Oliveira

Promover o protagonismo de crianças negras na literatura infantil...

Chanel Iman – A beleza negra na moda!

Chanel Iman Robinson, nasceu em 30 de novembro...

No país dos deputados “negros” que são brancos

Diversidade, inclusão, pluralidade, equidade, enfim, são várias as denominações...

Para cumprir os ODS, o Estado brasileiro precisa parar de matar pessoas negras

Em um período de dez anos (2012-2022), o Brasil registrou o assassinato de 445.442 pessoas negras. De acordo com o Atlas da Violência de...

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de 200 entidades, dará início à campanha “Quilombo nos Parlamentos Eleições 2024”. O lançamento acontece na...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik Boujikian foi nomeada nesta sexta-feira (21) para o comando da Secretaria Nacional de Diálogos Sociais e...
-+=