CPI da Violência Urbana ouve Vilma Reis e Marcelo Paixão

Fonte: Lista Racial-

Tema: “Juventude Negra, a principal vítima da violência no Brasil”

 

A Comissão Parlamentar de Inquérito que apura a violência urbana vai tratar do tema “Juventude Negra, a principal vítima da violência no Brasil” nesta quarta-feira (11/09), às 14:30h, na Câmara dos Deputados. O economista Marcelo Paixão e a cientista social Vilma Reis foram convidados a partir de requerimento do Deputado Federal Luiz Alberto (PT/BA).

 

É a primeira vez que a questão será tratada como tema principal nesta CPI. Alguns dados foram apresentados por outra(o)s convidada(o)s em relação ao perfil da maioria que morre por causa de homicídios: jovens, negros, na faixa etária entre 15 e 24 anos. Entretanto, o debate desta realidade como foco prioritário acontecerá nesta Audiência.

 

CONVIDADA – Vilma Reis é mestra em Ciências Sociais no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH/UFBA), onde defendeu a Dissertação “As políticas de Segurança Pública implementadas nos bairros populares de Salvador e suas representações, 1991-2001”, em 2005. Atualmente, é Coordenadora do Ceafro/UFBA e presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra.

 

CONVIDADO – Marcelo Jorge de Paula Paixão é Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro e coordena o Laeser – Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Raciais (Laeser), do Instituto de Economia (IE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O Laeser é o responsável pelo Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil (2007-2008). Entre outros indicadores, o Relatório faz análise de mortalidade da população brasileira.

 

DADOS – Uma das constatações do estudo a ser apresentado pelo Dr. Marcelo Paixão é que o número de negros assassinados no Brasil é duas vezes maior do que o de brancos, apesar de cada grupo representar cerca de metade da população do país. A conclusão é baseada em dados do Sistema Único de Saúde (SUS) referentes a 2006 e 2007. Nesses dois anos, 59.896 negros foram assassinados. Entre os brancos, o número foi de 29.892. Entre as crianças e jovens de 10 a 24 anos é que se constata a maior diferença entre o número de homicídios de negros e brancos. Entre os maiores de 40 anos, o número de homicídios é similar nos dois grupos.

 

Mais informações:
Equipe de Comunicação – Deputado Federal Luiz Alberto (PT/BA)
Brasília: Daniela Luciana (DRT/BA 1998) / 61 8179-9316
Salvador: Naiara Leite (DRT/BA 2823) / 71 8229-8159

Veja Também

Marcelo Paixão: Relatório das Desigualdades Raciais no Brasil 2007-2008

Vilma Reis: “Os lugares mais privilegiados estão sob controle da ‘branquitude’”

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Em carta a Dilma, MPL lembra de índios e pede diálogo com movimentos sociais

Convidado para reunião com a presidenta, Passe Livre pediu...

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos,...

para lembrar

LITERATURA: 5º FAN 2009

OMO-OBA: HISTÓRIAS DE PRINCESAS Kiusam Oliveira OS NOVES...

Carta à hebraica

Ter recebido palestrantes de esquerda não é desculpa para...

Sakamoto – Mesmo com proteção, ativista diz que será assassinada

Leonardo Sakamoto A repórter Ana Aranha foi ao Sul...

Produção de Madonna cancela encontro com AfroReggae, diz coordenador

Fonte: Folha OnLine-O coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=