A culpa não é dos filhos: é do marido

Uma nova pesquisa realizada na Harvard Business School revela o que a maioria de nós já desconfiava: mulheres altamente qualificadas não estão chegando ao topo das carreira como imaginaram aos 20 anos. Mas a razão não são os filhos ou a decisão de deixar o trabalho para se dedicarem fulltime à maternidade. O verdadeiro motivo são os maridos.

 Por: Cynthia de Almeida no  Mulheres Incríveis

Não estamos falando de seres jurássicos que determinam que “mulher minha não trabalha”. É melhor e, talvez, pior que isso. As mulheres se casam, tem filhos e …priorizam a carreira dos maridos (que, por sua vez, também priorizam as próprias carreiras ).

O que acontece é familiar a todas as mulheres que batalham para conciliar as agendas de mãe com a da vida profissional. Quando alguém tem que abrir mão de um compromisso importante em função das crianças (ou adolescentes) quem o faz, na grande maioria das vezes, é a mulher. Quando existem conflitos entre os horários de trabalho do casal e alguém deve preterir a promoção que vai exigir ainda mais tempo fora de casa é, de novo, a mulher. Quando um dos dois deve ser expatriado em função de uma oportunidade internacional, mulheres abrem mão de seus planos e empregos para seguir o marido. O contrário é raro.

O que a pesquisa das sóciologas Robin Ely, Colleen Ammerman e Pamela Stone  (A new study ofHarvard Business School ) traduz em estatístiscas sobre o mito da “opção de deixar a carreira” (opt-out) é que apenas 11% de mulheres da geração X abandonaram seu trabalho para se tornarem mães em tempo integral.  A grande maioria, 74% de mulheres entre 32 e 48 anos, continua a trabalhar depois dos filhos, numa média de 52 horas por semana. No entanto, o fazem com muito mais sacrifícios e interrupções do que seus parceiros. A maioria das mulheres afirma ter acreditado, ao se casarem, que ambas carreiras seriam igualmente valorizadas e que o tempo “roubado” do trabalho para cuidar das crianças seria igualitário. Hoje, 40% delas acreditam que se enganaram e que o trabalho dos maridos foram priorizados enquanto suas carreiras se moveram mais lentamente, ou estagnaram.

Enquanto as mulheres planejavam trajetórias profissionais igualitárias, mais de 70% dos homens das gerações X e boomers nunca pensaram assim e afirmaram considerar suas carreiras prioritárias. Sobre quem cuidaria dos filhos, 86% deles achavam que as mulheres tinham maior responsabilidade na função. Entre as mulheres, 65% da geração X e 72% das Baby Boomers afirmam ter assumido como delas a tarefa com as crianças.

O estudo é praticamente um espelho da vida real, em que a maior parte dos altos executivos, empresários e presidentes de empresas tem mulheres que não trabalham ou tem atividades menos desafiadoras que seus cônjuges. Entre suas dicas para as mulheres que não querem desistir da escalada, Sheryl Sandberg, COO do Facebook e uma das executivas mais bem pagas do mundo, aconselha a investir na escolha do marido certo (leia mais na série de posts que a Brenda publicou aqui, Lições das Mulheres Poderosas):”A maior decisão de carreira que você pode tomar é se você vai ter um companheiro de vida e quem será essa pessoa”, escreveu Sheryl em seu livro Faça Acontecer.  Enquanto as mulheres se dividem entre a ascensão profissional, o sonho de serem mães e preservar a carreira dos parceiros, eles chegaram lá  sem culpa e não tiveram que abrir mão do futuro no trabalho para se tornarem pais.  Contaram com a ajuda, o sacrifício e o back-office das mulheres.

+ sobre o tema

Em SP, mutirão acha presas mulheres que deveriam estar livres

Dos 5.698 processos analisados na 1ª fase pela Defensoria...

Rilza Valentim: primeira mulher negra prefeita da cidade de São Francisco do Conde

A prefeita Rilza Valentim de Almeida Pena tem 50...

Nota de repúdio à publicidade sexista da Prudence

A Marcha Mundial das Mulheres repudia o anúncio da...

para lembrar

Homofobia e racismo serão punidos em estádios de futebol de SP

Os clubes de futebol e seus torcedores poderão sofrer...

Nobel da Paz 2018 vai para ativistas que lutam contra violência sexual

Médico Denis Mukwege tratou com sua equipe cerca de...

“Com a criminalização da homofobia, muitos crimes não ficarão impunes”, diz MV Bill

O cantor carioca de rap, MV Bill, 35, surpreendeu...
spot_imgspot_img

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...
-+=