DA de medicina da UFMG cobra investigação de fraude nas cotas para negros

Enviado por / Fontepor Cristiane Silva no EM

Instituição abriu sindicância para apurar casos de brancos ingressando por cotas. Diretório Acadêmico reconhece o problema e pede apuração

A instituição prepara-se para concluir sindicância, aberta no ano passado, para apurar possíveis fraudes no sistema de ingresso de estudantes por cotas raciais em vários cursos, entre eles da graduação em medicina. O levantamento do perfil dos alunos começou a ser feito a partir de matéria publicada pelo Estado de Minas, em abril de 2016, sobre denúncias feitas por movimentos negros. A instituição, que também recebeu denúncias em sua ouvidoria, vai começar no ano que vem a discutir junto a escolas de ensino médio sobre a Lei de Cotas e a exigir uma declaração por escrito de quem se autodefinir como negro ou pardo.

Ontem, o jornal Folha de S. Paulo publicou reportagem informando que alunos brancos estão ingressando no curso de medicina da UFMG fazendo uso indevido do sistema de cotas da instituição, criado em 2009. As supostas fraudes envolveriam calouros com características físicas que não se encaixam no perfil da política afirmativa.

“O Diretório Acadêmico Alfredo Balena (DAAB) reconhece e apoia a política de cotas raciais para acesso ao ensino superior,agindo como forma de reparo à marginalização socioeconômica histórica da população negra. Também reconhece que fraudes nesse sistema, infelizmente, têm ocorrido, e necessitam ser averiguadas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)”, informou o grupo representantes dos estudantes, por meio de nota publicada em sua página no Facebook.

Ainda segundo  a nota, “Para o DAAB, a UFMG precisa encontrar formas de coibir tais ações fraudulentas, de modo que a finalidade da política de ações afirmativas se instaure de maneira efetiva”.

Leia o texto na íntegra:

“O Diretório Acadêmico Alfredo Balena (DAAB) reconhece e apoia a política de cotas raciais para acesso ao ensino superior,agindo como forma de reparo à marginalização socioeconômica histórica da população negra. Também reconhece que fraudes nesse sistema, infelizmente, têm ocorrido, e necessitam ser averiguadas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para o DAAB, a UFMG precisa encontrar formas de coibir tais ações fraudulentas, de modo que a finalidade da política de ações afirmativas se instaure de maneira efetiva. Assim, tanto a Faculdade de Medicina quanto a Universidade como um todo poderão deixar de ser ambientes tão elitizados e de reprodução constante de opressões. Desse modo, tais espaços estarão aptos a se tornar mais democráticos, pintando-se, assim, com a verdadeira face do povo brasileiro.

Importante salientar, que embora o posicionamento da UFMG demonstre o início de uma possível reação aos fatos que são noticiados, esta reação é ainda incipiente frente ao real tamanho do problema. Não obstante, devemos lembrar que os fatos indicam a necessidade de correções na Política Nacional de Cotas de acesso às IES, e isto em hipótese alguma deve ser confundido com a abolição das Políticas Afirmativas, que são de fundamental e incontestável importância para a construção de uma sociedade equânime.”

leia também:

Brancos usam cota para negros e entram no curso de medicina da UFMG

+ sobre o tema

400 nomes denunciados por fraudes à política de cotas na UFRGS

“O primeiro passo é vergonha na cara” foi uma...

Sinal positivo ao sistema de cotas

A semana absolutamente caótica na política e na economia...

Geração Negra e medo Branco na Universidade

A Universidade está ao alcance de todos? De acordo...

para lembrar

Os prós e os contras

Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Há anos vimos...

Vice da Fifa sugere sistema de cotas para combater racismo no futebol inglês

Jeffrey Webb, vice-presidente da Fifa, declarou em entrevista coletiva...

Deputado retira de pauta na Câmara artigo sobre cota racial para TV

Deputado retira de pauta na Câmara artigo sobre cota...

Lei de Cotas​ – a desinformação e o paralelo histórico

Em 3 de julho de 1968​,​ o ditador Costa...
spot_imgspot_img

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos concursos públicos. A proposta de renovação apresentada pelo governo Lula e elaborada de forma interministerial tem sofrido...

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Folha ignora evidências favoráveis às cotas raciais

Na quinta-feira (7), pela oitava vez, esta Folha publicou um editorial ("Cotas sociais, não raciais") explicitando sua posição ideológica sobre as cotas raciais, negando os evidentes resultados...
-+=