Da ficção e HQs ao ensaio acadêmico, cinco livros para entender Umberto Eco

Umberto Eco morreu há pouco. Aqui, indico cinco obras para se conhecer melhor o trabalho do italiano:

Por  Rodrigo Casarin, do UOL

 

O Nome da Rosa” – livro mais famoso de Eco, narra uma história que se passa em 1327 em um mosteiro franciscano na Itália. Um frei é enviado ao lugar para apurar supostos pecados cometidos por alguns monges. No entanto, uma série de misteriosos assassinatos leva o investigador a uma trama cheia de reviravoltas, marcada pelo mistério e pelo herege erotismo.

O Pêndulo de Foucault” – dentre as obras de ficção, é a segunda mais conhecida de Eco. Publicada em 1988, segue fórmula semelhante àquela adotada em “O Nome da Rosa”. Na década de 1980, profissionais de uma editora encontram pistas de que, em 1312, haveria acontecido uma fraude na Ordem dos Templários que traria consequências até a realidade do século 20.

Apocalípticos e Integrados” – Uma das principais características de Eco foi saber integrar o saber acadêmico com o universo pop. Neste livro de 1965 está presente “O Mito do Super-Homem”, ensaio no qual o autor equipara as histórias em quadrinhos com outras artes até então consagradas. O texto foi largamente reproduzido, integralmente ou parcialmente, em diversos artigos que enaltecem as HQs.

Não Contem com o Fim do Livro” – outro traço fundamental na biografia de Eco é o amor aos livros. Aqui, em parceria com o francês Jean Claude-Carrière, outro célebre bibliófilo, o italiano recorre à história das publicações impressas para garantir em uma série de ensaios que, independente das inovações tecnológicas, os calhamaços feitos de papel não deixarão de existir.

Número Zero” – lançado em 2015, é a última obra de ficção de Umberto Eco. Mesmo sendo um texto aquém de trabalhos anteriores – o próprio “O Nome da Rosa”, por exemplo -, a leitura é válida por abordar temas inerentes à sociedade atual, como a parcialidade da mídia e questões relacionadas ao poder político e aos interesses da sociedade.

Leia Também:

Os jovens que esquecem a história e a memória. Por Umberto Eco

O direito à felicidade

+ sobre o tema

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

para lembrar

Dilma vira em 3 Estados e lidera sozinha em 24 UFs

Dilma Rousseff (PT) avançou no Mato Grosso, Mato...

Caminhada Cultural pela Liberdade Religiosa e pela Paz

 - Fonte: O Tempo - Para defender o exercício da...

2013 já deu as caras: há desejos e sonhos pessoais e políticos

DE CERTEZA TEREI MAIS TEMPO PARA FICAR DE OLHO...

Cantor volta às raízes do reggae

Fonte: Folha de São Paulo - Nos 28...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...
-+=