De onde vêm os temas – Por: Fernanda Pompeu

Todo ofício, ocupação, profissão têm seus mistérios. É maravilhoso que assim seja. Pois uma vida sem magias, segredos, eventos inexplicáveis, convenhamos, é meio sem sal. Tentar compreender e explicar tudo pelo sistema racional é ineficaz, além de mentiroso. A razão é nossa profunda aliada, mas não é a única. Ela não dá respostas para tudo.

Algumas pessoas me perguntam: de onde vêm os temas das suas webcrônicas? É claro que eu gosto da indagação, pois denota interesse de um outro pelo meu trabalho. Mas a resposta nunca vem curta, ou objetiva. O fato é que os assuntos da minha escrita vêm de todos os lugares.

 os que brotam de dentro. Uma ou duas obsessões. Um trauma arraigado. Uma fonte de prazer. Experiências inesquecíveis. Tabus e assim vai. Têm os que invadem de fora para dentro. A internet e sua revolução cognitiva. A história da literatura. Os índios e Belo Monte. A polarização política do país etc, etc, etc.

A origem do tema – de dentro ou de fora – não determina a qualidade da escrita. Eis aí outro mistério! Tal como um jogador de futebol, há dias em que a cronista manda bem e outros em que é opaca. O leitor lê e quase não nota o que leu. Nesse caso, o tema nunca tem culpa. Em princípio, são todos interessantes. Mas é a pena da redatora que os tornarão relevantes ou não.

Também é verdade que para escrever é preciso acreditar na história a ser contada. Escrever sem convicção se torna torturante. É infinitamente mais fácil falar mentiras do que escrevê-las. Faça o teste você mesmo. Tente escrever defendendo uma ideia, na sua percepção, indefensável. Difícil, né?

Na minha opinião, a razão de não conseguirmos mentir ao escrever está na emoção da escrita passar primeiro por dentro da gente. Só depois ela ganha uma exteriorização, ou seja, uma expressão desnudada em palavras, frases, parágrafos.

Por fim, há os temas que se impõem. A gente nem pensava neles antes de ir para frente do computador. Eu, por exemplo, não pretendia escrever esta crônica nesta manhã. Confesso que não tinha nenhum tema específico. Mas bastou criar o título para ela surgir inteira. Isso é misterioso, portanto não adianta se contorcer em explicações.

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

para lembrar

Coxinha com doutorado em elitismo

    Adamastor   O Rio de Janeiro se...

O afeto que se emplaca

por Fernanda Pompeu   Sampa tem perto de cem mil...

Manutenção do Bolsa Família depende de atualização dos cadastros

    Beneficiários do Bolsa Família que não atualizarem as informações no Cadastro...

“O cidadão que consome drogas é um portador de direitos como todos os outros”

Em entrevista aos Jornalistas Livres, o antropólogo Mauricio Fiore,...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...
-+=