Declaração das Mulheres Negras reunidas no Fórum de Feminismos Negros dentro do 13o Fórum da AWID na Bahia, Brasil 5 e 6 de setembro de 2016

1. Nós, mais de 200 feministas negras de todos os continentes e em todas nossas diversidades, reunidas no Fórum de Feminismos Negros, sob o lema “os caminhos que percorremos juntas”;

Enviado para o Portal Geledés

2. Desafiando nossas próprias fronteiras e as que se opõem a nosso crescimento como feministas felizes, saudáveis e orgulhosas e realizando nossos sonhos mais ousados de libertação para nós, nossa terra e territórios e as vidas que defendemos na diversidade de nossa negritude e nossas capacidades e identidades escolhidas;

3. Durante estes dois dias conversamos sobre o futuro, a construção dos feminismos negros globais, a transformação da justiça global, a defesa de nossos territórios, comunidades, povos, resiliência, resistência, o colonialismo, a guerra, os direitos sexuais e reprodutivos, o racismo, o sexismo, o patriarcado, a diversidade sexual, identidades de gênero, arte, violências, alianças transnacionais, aliança intergeracional, entre muitos outros temas;

4. Reconhecendo nossa espiritualidade ancestral e nossa identidade cultural como um dos pilares fundamentais para a defesa de nossos direitos individuais e coletivos;

5. Reconhecendo que as mulheres negras, depois de vários séculos de resistência ativa, ainda vivemos em condições de empobrecimento, de exclusão, de invisibilizacão e marginalização dos espaços de poder político e econômico. Manifestamos a urgência de transformar os modelos de exercício de poder e produção econômica para que respeitem a vida e a diversidade;

6. Reconhecendo os esforços de revisitar os feminismos a partir de uma abordagem interseccional entre raça, gênero e classe;

7. Reconhecendo o racismo como um agravante da situação e condição das mulheres e pessoas não binarias em função de sua orientação sexual, identidade de gênero, sua condição de migrante, de idade, de discapacidade, entre outras;

8. Denunciamos o racismo ambiental que tem sido responsável pelas epidemias de dengue, zika, chikungunha e outras nas comunidades negras, indígenas e pobres e pela violação da autonomia reprodutiva das mulheres e pessoas não binarias;

9. Denunciamos a dominação e o monopólio dos recursos disponíveis pelas corporações ocidentais majoritariamente brancas as quais tem acesso a todos os espaços enquanto lutamos para criar os nossos;

10. Denunciamos a militarização policial mundial na América Latina, Caribe, na África, nos Estados Unidos, responsável pelo genocídio de mulheres e meninas, homens, jovens e meninos negros e conclamamos que esse FÓRUM repudie estas práticas e declare que TODAS AS VIDAS NEGRAS TEM VALOR;

11. Demandamos que seja explicitada a realidade das mulheres e pessoas não binárias negras, e que seja ela seja incorporada em todos os debates, decisões e conclusões que sejam realizados neste 13 Fórum da AWID;

12. Repudiamos o Golpe de Estado contra a Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff,  por constituir um ataque à democracia, ao Estado de Direitos e um obstáculo â participação política das mulheres;

13. Expressamos nossa solidariedade a todas as mulheres do Brasil, em particular, as mulheres negras, que serão as mais afetadas com este retrocesso político e demandamos ao Fórum da AWID que se pronuncie de maneira vigorosa contra esse golpe contra a democracia;

14. Reconhecemos as energias, a disponibilidade e os esforços de lideranças e organizações negras; artistas e agitadoras do mundo, que integraram a equipe de trabalho do Fórum de Feminismos Negros para garantir a presença significativa de mulheres negras no Fórum da AWID.

6 de setembro de 2016 em Costa do Sauipe, Salvador de Bahia, Brasil

+ sobre o tema

para lembrar

No Dia da Visibilidade Lésbica, mulheres retratam suas gerações

Dos 17 aos 60 anos, lésbicas contam das conquistas...

Sobre o filme Corra! e a constante descolonização do nosso pensamento

Corra! para muitos não passará de um suspense, mas...

Zanana L. Akande

Zanana L. Akande, nascida em 1937, é uma ex-política...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=