Demolição já! Chega de invasões ao Terreiro da Casa Branca!

Enviado por / FonteAvaaz

O Terreiro da Casa Branca, um dos mais antigos candomblés da Bahia, matriz de inúmeras outras comunidades de axé e o primeiro monumento negro tombado pelo IPHAN, necessita de intervençao imediata diante de uma invasão de seu terreno por uma obra mal executada, com risco de desabamento. Nós, amigos do terreiro e outras pessoas que prezam pelo patrimônio público afro-brasileiro, vimos por meio deste abaixo-assinado registrar nossa aflição diante dessa situação e pedir medidas urgentes.

A invasão começou no final de 2019 e foi logo denunciada, mas em 2020 a pandemia provocou interrupções nas atividades de fiscalização dos órgãos competentes. O dono da construção, entretanto, prosseguiu. No final de 2021, o Ministério Público Estadual foi acionado e a obra foi interditada. Análises técnicas identificaram o risco de desabar em cima da estrutura física do santuário de Omolu, pondo em risco a vida de quem transita pelo local. Contudo, o dono da construção ignorou a decisão. A obra continuou.

Essa invasão está longe de ser a única. É apenas a mais recente e a mais ousada, pelo risco de desabamento. Faz parte de um problema crônico de crescimento urbano desordenado nas imediações da casa, que vem paulatinamente invadindo o terreno tombado pelos fundos e laterais. As invasões anteriores também foram denunciadas, mas não houve providências.

No dia 31 de março de 2023, uma equipe da prefeitura fez uma demolição parcial da invasão mais recente. Exigimos, porém, que a demolição seja total. Não deve permanecer nenhum centímetro de invasão no terreno tombado! Exigimos a salvaguarda do patrimônio desse terreiro histórico, com medidas decisivas contra essa invasão e todas as anteriores e a criação de um sistema de fiscalização permanente, a fim de conter futuros problemas.

+ sobre o tema

Produtores sergipanos elaboram Mostra de Cinema Negro

“É preciso quebrar as barreiras impostas pelo modelo de...

Alessandra Santos de Oliveira

Alessandra Santos de Oliveira (2 de Dezembro de 1973),...

Lima Barreto, um Intelectual Negro na Avenida Central

Autora: CELI SILVA GOMES DE FREITAS Filiação Institucional: UERJ   }Suas crônicas...

Alfabetização: memórias de um escritor leitor…

Entrevista - Alfabetização: memórias de um escritor leitor... {xtypo_quote}As...

para lembrar

13 de maio e a perseguição às religiões de matriz africana

"Vovó não quer casca de coco no terreiro. Para...

Mãe de santo aponta falta de diálogo e intolerância em demolição de terreiro na Grande SP

Mãe de santo em Carapicuíba, Grande São Paulo, Odecidarewa...

Povos de Terreiro ganham cartilha de direitos

Diz um ditado: ‘Ìṣẹ́gun rárá ṣe òpin o nìkan...
spot_imgspot_img

Renafro celebra 20 anos de fundação com seminário em Salvador, nos dias 24 e 25 de novembro de 2023

A Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde irá celebrar os seus 20 anos de fundação no Seminário Nacional das Religiões Afro-brasileiras e...

Da Cor da Bahia: conheça história da yalorixá que abriu as portas do terreiro para o 1º afro do Brasil

Nascida em Salvador, em 1923, Hilda Dias dos Santos, a Mãe Hilda foi uma yalorixá, ativista, educadora e figura determinante na criação do bloco afro...

Emancipa Axé discute o que as comunidades de matriz africana podem fazer na luta antirracista

Um encontro no próximo dia 15 de novembro, feriado de Proclamação da República, vai debater o papel das comunidades de matrizes africanas na luta...
-+=