Dennis de Oliveira: “Essa sociedade fragmentada entre Casa Grande e Senzala tem que acabar”

Para professor da ECA-USP, demandas e vozes das periferias brasileiras precisam ser atendidas e ouvidas para a construção de uma sociedade democrática

Por Anna Beatriz Anjos no, Revista Fórum 

“O sujeito da periferia tem também um protagonismo cultural, uma proposta social e política, que são importantes e devem ser levados em consideração em uma sociedade democrática.” Essa é a avaliação de Dennis de Oliveira, jornalista, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Ele é um dos debatedores do seminário “A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas”, promovido pela Fórum, em parceria com a Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo, e com apoio do SPressoSP e iG. (para se inscrever, clique aqui).

Oliveira integrará a mesa sobre articulação em rede contra a violência policial, ao lado de Douglas Belchior (UNEafro Brasil), Débora Maria (Mães de Maio) e Silvio de Almeida (Instituto Luiz Gama). A ideia da rodada é discutir a seletividade da Polícia Militar, cujos alvos, em sua maioria, são jovens negros e moradores das periferias, além de mostrar como a internet pode ser uma arma eficaz para denunciar a barbárie cometida pelos agentes de segurança.

Abaixo, leia uma prévia do que será discutido no encontro:

Fórum – Qual a relação entre racismo e violência policial? A PM age, realmente, de forma seletiva?

Dennis de Oliveira – Sim. A PM usa o critério do tipo suspeito. E, para se monitorar o tipo de ação desse tipo suspeito, coloca-se a questão racial como elemento central. Quando a PM vê um jovem negro, uma pessoa negra na rua, tem outro tipo de atitude do que se fosse um jovem branco.

Fórum – Na sua avaliação, quais são os caminhos a serem seguidos, nas esferas institucionais e civis, para que o modelo de segurança pública brasileiro seja transformado?

Oliveira – Primeiro temos que falar sobre a polícia militar. A sua concepção é um contrassenso, porque “militar” significa ter uma ação de combate ao inimigo, e a função da polícia não é essa, é dar segurança ao cidadão. Uma das bandeiras que a gente defende é a desmilitarização da polícia, para que ela seja civil, e esteja sob o controle social – esse é o primeiro aspecto. A segunda coisa é que você, efetivamente, a partir de uma força dessa, já tenha uma formação democrática, voltada aos direitos humanos, para retirar totalmente essa cultura autoritária que vem do regime militar, inclusive, e está presente nas forças de segurança.

Fórum – E na sociedade civil, o que deve ser feito? Como seus diversos atores, movimentos e entidades devem se articular para forçar esse tipo de mudança?

Oliveira – É um debate bastante complicado. Na sociedade civil, ainda há uma hegemonia das ideias de que a violência se combate com mais violência, quando, na verdade, ela é produto de problemas sociais, estruturais da sociedade, e assim por diante. Então, a primeira coisa é ter uma ação da sociedade civil para mudar essa cultura. Por exemplo, na última campanha presidencial, tivemos a questão da redução da maioridade penal, levantada pelos candidatos conservadores, e, inclusive, partindo de uma premissa falsa, dizendo que muitos menores de idade cometem crimes hediondos. Os dados mostram que apenas 1% dos crimes hediondos é cometido por menores de idade – essa é, de fato, uma premissa falsa. Outra coisa que se diz, por exemplo, é que é aumentando as penas, as punições, que se resolve a violência. Os dados internacionais mostram que não é verdade: nem sempre os países com penas mais duras têm menores índices de violência, isso é um dado objetivo.

É necessário que haja uma discussão mais ampla, baseada em dados. A mídia corporativa, hegemônica, acaba tendo um papel muito importante nisso. Esses programas sensacionalistas da televisão e do meio impresso, por exemplo, acabam contribuindo para a formação dessa cultura. Repensar o papel da mídia também é importante.

Fórum – Por que, na sua opinião, é fundamental pautar e discutir a cultura de periferia neste momento?

Oliveira – Porque a gente precisa, de fato, inserir a periferia, em todos os aspectos – culturais, sociais e políticos – na sociedade. Essa sociedade fragmentada entre Casa Grande e Senzala, centro e periferia, que ainda vigora no Brasil, tem que acabar. Não é possível pensar uma sociedade democrática, justa, se continuarmos achando que a periferia é um gueto. O sujeito da periferia tem também um protagonismo cultural, uma proposta social e política, que são importantes e devem ser levados em consideração em uma sociedade democrática.

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Não votar em Bolsonaro: para os negros uma questão de amor próprio

A fala do capitão Jair Bolsonaro, candidato do PSL,...

Publicidade, falsos ideais e os muros que precisamos derrubar

No palco iluminado da publicidade, as marcas não podem...

Decisão do STF abate o racismo religioso

Quem vocifera contra cultos de matriz africana busca ditar...

O grande anjo negro: Sterling é capa de revista masculina e discute o racismo no futebol

Atacante do Manchester City também fala sobre importância de...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=