Depois que você virou uma militante negra, é muito difícil falar com você!

Eu lembro que lá pelos anos 2006 e 2007 eu comecei a tomar mais conhecimento da questão racial, acesso aos movimentos negros e a privilegiada oportunidade de conhecer e ser convidada a fazer parte das organizações de mulheres negras.

por Viviana Santiago para o  Palavra de Preta

Nessa época, eu vivia à consciência da questão racial como quem ganha seus primeiros óculos de grau: Fui uma criança muito míope, e recordo até hoje a sensação de somente om os óculos, começar a perceber o detalhe das coisas… Aqueles borrões? Eram as folhas das arvores, Aquela mancha no muro que eu via de dentro do ônibus? Era um desenho tão fofinho… E foi assim: dos detalhes num muro à precisão nas cores, tudo mudou; e a tomada de consciência racial opera de maneira muito parecida.

Ter a consciência racial e entender os mecanismos pelos quais o racismo e as discriminações raciais são operados, faz com que pessoas negras entrem nesse mesmo movimento: Fatos do cotidiano, frases, falas, posturas passam a ser vistos de outra maneira, ou eu diria: passam a ser inteiramente percebidos.

Durante muito tempo mulheres negras ouvem, vêm, sentem… vivenciam um conjunto de  situações, que no limite, eram a tentativa de subalternização, de exercício do controle sobre suas vidas e copos: Somos convidadas a rir das piadas que diziam que quando nêgo não caga na entrada, caga na saída, Fomos intimada a aceitar os elogios que diziam que nós éramos nêgas, mas muito inteligentes,  Tivemos  que aceitar os olhares indiscretos, e o atendimento cheio de má vontade quando precisávamos utilizar algum serviço. E para cada uma dessas violências havia a pronta resposta: “É só uma brincadeira, porque se chateou?” “É um elogio!” “Não, não é má vontade, é que você também foi usando essa roupa”! E a minha preferida: “É que vocês mulheres negras são hipersensíveis”

Obviamente nós entendíamos que estávamos sendo preteridas, percebíamos um nível de desprezo, e sim, dava pra sentir um incômodo em todas essas situações. Só que naquele momento, era um incômodo que muitas de nós ainda não sabíamos nomear, ou talvez não ousássemos dizer o nome. E dessa forma, talvez durante algum tempo, muitas de nós tenhamos sido interlocutoras incomodadas, mas silenciosas, que não dispunham de ferramentas para atuar sob essas violências a que éramos submetidas;

Ao vivenciar um processo de tomada de consciência racial, ao entender as dinâmicas do racismo e as estruturas de dominação, subalternização e opressão vigentes na sociedade, cada uma de nós mulheres negras começa a mudar esse jogo.  De incomodadas interlocutoras silenciadas passamos a serem pessoas que conseguem identificar e nomear cada uma das situações vividas: Tudo passa a ser apontado, criticado, problematizado. Cada piada, elogio e atitude racista será imediatamente exposta. Hoje na sociedade racistas, ativistas negras somos pessoas que sobrevivem à violência racista e a enfrenta ativamente.

Diante dessa mudança em nosso comportamento, tem sido cada vez mais comum, escutar das pessoas brancas: “Agora está ficando difícil falar com você, a gente tem que pensar bem antes de falar alguma coisa!”.

Precisamos pensar no real sentido dessa frase, como diriam as militantes negras em Recife: precisamos desembrulhar esse presente: A frase trata do incomodo de algumas pessoas- racistas-  que gostariam de seguir afrontando, ofendendo, humilhando e destituindo as pessoas negras. Numa permanência da mentalidade escravocrata, racistas não apenas querem o direito de continuar a dominação racista, como têm a firme convicção de que a população negra não pode reagir.

Costumo ouvir esse argumento de mais variadas pessoas, algumas delas conhecidas por sua educação, polidez, algumas que dedicaram e dedicam suas vidas à construção de um mundo melhor.

Mas parece que esse mudo melhor, educação e polidez não se destinam as pessoas negras.

Pare para pensar: Você realmente costuma ver essas pessoas que acusam mulheres negras de agressividade e histeria, realmente falando tudo que lhes vem à cabeça, do jeito que lhe vem à cabeça quando fala com todas outras pessoas em sociedade? Não seria verdade que percebemos que essas pessoas costumam tomar alguns segundos pra organizar as ideias, identificar o que estão falando e buscar se expressar da maneira mais justa possível?

Não é novidade, que pessoas racistas, mesmo aquelas que lutaram pelos direitos, nunca reconheceram a população negra como os humanos dos direitos humanos, a nossa humanidade é constantemente negada, mas nós não aceitaremos menos.

Quando ouço essas frases, percebo dois movimentos muito nítidos: a busca por colocar o desvelar de injustiças e racismo no nível de histeria e agressividade e a intenção transformar pessoas racistas em vítima de intolerância, e mudando radicalmente a logica da história, convida o interlocutor a se sentir muita pena da pessoa racista,  que para não ter problemas de convivência com as mulheres negras, enfrenta agora a necessidade de gasto de tempo pensando no que se dizer para não ser ofensivo às mulheres negras.

Mas a pergunta a ser feita é: Por que deveria ser diferente? Será que não é isso mesmo que as pessoas deveriam fazer? Revisitar a si mesmas em busca de reprimir conteúdos ofensivos e discriminatórios e na relação de alteridade com a outra e o outro tratar sempre de modo a respeitar sua integralidade e inteireza?

Nós mulheres negras merecemos respeito, ou melhor, exigimos! E vamos lutar por isso. A luta antirracista se constitui da tomada de consciência e de assumir posicionamento diariamente, em vários momentos do nosso dia, porque é em cada fucking moment do nosso dia, que tenta nos vilipendiar. E nós lutamos contra esse sistema, disso depende nossa sobrevivência,

Não dá para fazer a luta de outra maneira, não dá para enfrentar o racismo sem a radicalidade que nos faça tomar consciência e explicitar que é impossível fazer a luta antirracista sem incomodar as pessoas racistas.

Então minha palavra para pessoas racistas seria: Não se trará de nos pedir a sermos soft e moderadas na denúncia do racismo e na luta pela construção do nosso bem viver, se trata sim de entender que me merecedoras de respeito que somos, vamos continuar exigindo o respeito; e você pessoa racista: Meça suas palavras, atitudes e posturas, se não medir será confrontado e ideia que deixamos é: Transforme esse incômodo em aprendizagem. Revisite –se.

+ sobre o tema

O poder do amor próprio

Minha história se inicia no dia 30/01/1993, em uma...

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...

Mulheres pretas acadêmicas

Seguindo os últimos textos, onde destaquei algumas mulheres que...

A Mulata Globeleza: Um Manifesto

A Mulata Globeleza não é um evento cultural natural,...

para lembrar

Eleições 2018: e nós com isso?

Quem somos nós? Somos lésbicas e o povo LGBT...

Onde estavam as mulheres negras na ditadura militar?

Vou começar falando da dificuldade em escrever sobre mulheres...

Thais Ferreira: A mente brilhante das oportunidades a quem não tem

Jovem carioca planta sementes para que população mais vulnerável...

Grupo usa mitologia dos orixás para criar coreografias e oficinas de dança

Balé das Yabás debate o feminismo e o transforma...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=