Desigualdade na educação ‘é calcanhar de Aquiles do Brasil’, diz jornal

 

Uma análise publicada nesta quarta-feira pelo jornal francês Le Monde afirma que as desigualdades no sistema educacional são o “calcanhar de Aquiles do Brasil”.

Intitulado “As desigualdades da educação, calcanhar de Aquiles do Brasil”, o artigo repercute o resultado de um levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que coloca o nível educacional do Brasil no mesmo nível de Trinidad e Tobago.

“Elogiado por seus inúmeros progressos nos campos econômico e social, o Brasil permanece estagnado em uma área crucial: a educação”, diz o texto.

sp_pnad_educacao_nocredit

A análise nota que o país conseguiu “praticamente vencer” o analfabetismo entre os mais jovens, mas “continua a castigar um em cada dez brasileiros de 15 a 17 anos”. “Na prática, a escolarização não é universal.”

Para o jornal francês, “o marasmo brasileiro é resultado em parte da democratização do ensino promovida nos anos 1990. O afluxo de milhões de novas crianças levou a uma queda no nível de ensino, acentuada pela rejeição a expulsar os piores estudantes de das escolas”.

“A mediocridade do ensino público está no centro do problema”, diz o texto, segundo o qual “os professores são mal formados e mal pagos”. “Muitos têm pouca bagagem escolar e experiência”, afirma o Monde.

Além disso, “a estrutura federal do Brasil – em três escalões – agrava esses fenômenos” ao criar mais burocracia e abrir espaço para a corrupção no setor.

“Assim se perpetua, com algumas exceções, um ensino de base em dois níveis: público, gratuito, muitas vezes em estado de calamidade, para as crianças das famílias pobres; privado, pago, de bom nível, para os filhos das famílias abastadas, mais bem preparados para o vestibular e gozar do terceiro ciclo e dos centros de pesquisa financiados com dinheiro público”, descreve o vespertino francês.

O jornal avalia que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ensaiou algumas ações, “reais, embora tardias e insuficientes”. Exemplo disso é o orçamento da saúde, que “tem crescido, mas permanece muito longe, em termos per capita, dos níveis do Chile ou a Argentina”, lista o artigo.

“O Brasil tomou consciência do seu calcanhar de Aquiles diante de uma dupla urgência, econômica e social. De um lado, seu forte crescimento obriga à formação da mão-de-obra qualificada que lhe falta, sob pena de perder competitividade. De outro, uma classe média em plena ascensão reivindica seu direito ao conhecimento, chave de um futuro melhor”, avalia o vespertino francês.

“Esta dupla necessidade deveria incitar a presidente eleita, Dilma Rousseff, a prolongar o ciclo virtuoso que mal começou a ser esboçado sob o governo de seu predecessor.”

 

Fonte: BBC

+ sobre o tema

Pará e África unidos pela cultura

O olhar cinematográfico o acompanha desde a infância,...

Unesco e Brasil criam programa para ensino da história africana

A Organização das Nações Unidas para Educação, a...

As falhas no Enem e os interesses que se movem nos bastidores

"Prova do Enem é tecnicamente sustentável sob todos os...

ProUni 2011: Inscrições Começam em 19/01

As inscrições para o Prouni 2011 – Programa...

para lembrar

Dicas para lidar com o racismo na sala de aula

Não é fácil abordar a questão do racismo na...

Bibliotecas Comunitárias contra o analfabetismo funcional

Por: Kátia Ferraz   A liberdade, a prosperidade e...

Professores da rede pública poderão fazer curso nos EUA

Boa notícia para os professores de Língua Inglesa da...

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...
spot_imgspot_img

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro da ANPAE (Associação Nacional de Política e Administração da Educação), realizado na primeira semana de...

A lei 10.639/2003 no contexto da geografia escolar e a importância do compromisso antirracista

O Brasil durante a Diáspora africana recebeu em seu território cerca de 4 milhões de pessoas africanas escravizadas (IBGE, 2000). Refletir sobre a formação...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas, como imaginado. A estudante do 3º ano do ensino médio Franciele de Souza Meira, de...
-+=