Dias com Viviane: trajetória audiovisual de Viviane Ferreira

A programação da Cinemateca do MAM apresenta no mês de julho a mostra Dias com Viviane: trajetória audiovisual de Viviane Ferreira. Durante a mostra, o público terá acesso a filmes realizados pela cineasta de forma online e gratuita. Os filmes serão programados entre os dias 2 de julho a 5 de agosto, através da página oficial da Cinemateca do MAM no Vimeo.

Viviane Ferreira começou a construir sua carreira no audiovisual na virada da primeira década do século XXI. Entre curtas e médias metragens de ficção ou documentais, além de videoclipes e outros formatos de produção, Viviane estabeleceu-se como uma importante referência do audiovisual negro brasileiro. Foi a segunda mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil, com o filme Um Dia Com Jerusa (2020). 

A produção de Viviane nasce num momento de transição tecnológica, de estruturação de novas políticas públicas e de expansão da produção fora dos eixos tradicionais e hegemônicos de produção do audiovisual no Brasil. Com a mostra a Cinemateca do MAM pretende revisitar parte dessa produção em uma tentativa de pensar e compreender o cinema que foi feito no Brasil ao longo dessas duas primeiras décadas deste século. Além de cineasta e advogada, Ferreira é uma ativista e uma liderança na produção independente brasileira, criando e assumindo a presidência da APAN – Associação de Profissionais do Audiovisual Negro e em 2021, assumindo a direção da SPCine, distribuidora da prefeitura da cidade de São Paulo.

As sessões estão divididas em cinco programas, que seguem uma ordem cronológica das realizações da diretora. O primeiro programa será exibido do dia 2 ao 8 de julho e apresenta duas obras produzidas na primeira década dos anos 2000. O média-metragem Dê sua ideia, debata é um documentário que apresenta opiniões diversas acerca de temas como afrocentrismo, diáspora africana e classificação racial.  Já o curta-metragem Mumbi7cenas pós Burkina traz a cineasta Mumbi no processo de construção de um roteiro, rememorando obras importantes da história do cinema brasileiro.

O segundo programa exibe videoclipes dirigidos pela realizadora através da produtora Odun Filmes e o curta-metragem O Dia de Jerusa, selecionado e premiado em festivais como Rotterdã, Tiradentes, Mostra Internacional de São Paulo e Festival Internacional de Mulheres no Cinema. O dia de Jerusa apresenta as personagens Silvia e Jerusa, que compartilham em uma tarde vivências que remontam às suas ancestralidades. O programa será exibido entre os dias 9 e 15 de julho.

O terceiro programa acontece dos dias 16 a 22 de julho, apresentando o documentário Peregrinação, realizado em 2014. A obra conta a trajetória do candomblé como estratégia de resistência da população negra no Brasil por meio das experiências de um escritor africano, da região do Djibuti, em viagem a Salvador/BA e de uma produtora cultural brasileira, do Rio de Janeiro, em sua primeira viagem à Ilha de Goré, no Senegal.

Já o quarto programa será exibido dos dias 23 a 29 de julho, com a obra Sambailando, que apresenta as origens e desenvolvimento do estilo musical Samba Rock. Finalmente, a quinta sessão acontece durante os dias 30 de julho a 5 de agosto, apresentando o filme Pessoas- Contar para Viver, dirigido e apresentado pelos diretores Marcelo Machado, Marco Del Fiol, Pedro Cezer, Tatiana Toffoli e Viviane Ferreira. 

Além das exibições dos filmes, a programação conta com um debate com a realizadora Viviane Ferreira e mediação da professora Izabel Melo da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no dia 16 de julho às 16h, através do canal da Cinemateca do MAM no Youtube e Facebook.

Serviço

Data: de 2 de julho a 5 de agosto de 2021

Local da exibição dos filmes: ​ Canal da Cinemateca do MAM (www.vimeo.com/channels/cinematecadomam) 

Local do debate: Youtube e Facebook do MAM Rio

Ingresso: Gratuito

Sessões

SEX 2 JUL – QUI 8 JUL

Programa 1. 

Dê sua ideia, debata de Viviane Ferreira. Brasil, 2008. Documentário. 28’. Sinopse: Documentário que apresenta opiniões diversas acerca de temas como afrocentrismo, diáspora africana e classificação racial. As entrevistas foram realizadas na semana do 20 de novembro de 2007 nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro em contextos que, de alguma maneira, acontecia debates sobre relações raciais. 

Mumbi7Cenas Pós Burkina de Viviane Ferreira. Brasil, 2010. Com Maria Gol. 7’. Classificação indicativa livre. Sinopse: Depois de participar de um importante festival de cinema, a jovem cineasta Mumbi não consegue conceber sua próxima obra. A recordação de obras marcantes do cinema brasileiro aciona seu processo criativo.

SEX 9 – QUI 15 Jul

Programa 2. 

D’origem africana de Viviane Ferreira. Brasil, 2013. Videoclipe . 4’40’’. Sinopse: Clipe produzido pela Odun Filmes, fruto da premiação em 1º lugar na 2ª edição do Festival Mulheres Mcs recebido pelo grupo D’Origem com a música De origem africana.

Amor ao rap de Viviane Ferreira. Brasil, 2012. Videoclipe. 4’40’’. Sinopse: Clipe produzido pela Odun Fimes, fruto do 1º prêmio da 1ª edição do Festival Mulheres Mcs recebido por Amanda Negrasim com a música Amor ao Rap.

Carroceiro de Viviane Ferreira. Brasil, 2012. Videoclipe . 3’53”.

Amigo também pode de Viviane Ferreira. Brasil, 2012, Videoclipe. 4’41”.

O dia de Jerusa de Viviane Ferreira. Brasil, 2014. Com Léa Garcia e Débora Marçal. 20’. Classificação indicativa livre. Sinopse: Bixiga, coração de São Paulo. Jerusa, moradora de um sobrado envelhecido pelo tempo, recebe, num dia especial, Silvia, uma investigadora de opinião que circula pelo bairro convencendo pessoas a responderem a questionários para uma pesquisa de sabão em pó. No momento em que conhece Silvia, Jerusa proporciona-lhe uma tarde inusitada repleta de memórias, convidando-a a partilhar momentos de felicidade com uma “desconhecida”.

SEX 16 – QUI 22 Jul

Programa 3. 

Peregrinação de Viviane Ferreira. Brasil, 2014. Documentário. 50’ Classificação indicativa 10 anos. Sinopse: Documentário que conta a trajetória do candomblé como estratégia de resistência da população negra no Brasil por meio das experiências de um escritor africano, da região do Djibuti, em viagem a Salvador/BA e de uma produtora cultural brasileira, do Rio de Janeiro, em sua primeira viagem à Ilha de Goré, no Senegal.

SEX 23 – QUI 29

Programa 4. 

Sambailando de Viviane Ferreira. Brasil, 2012. Documentário. 50’ Classificação indicativa 10 anos. Sinopse: O Samba Rock, suas origens, sua caminhada na música e na dança, até os dias de hoje.

SEX 30 Jul – QUI 5 Ago

Programa 5. Pessoas – contar para viver de Marcelo Machado, Marco Del Fiol, Pedro Cezer, Tatiana Toffoli e Viviane Ferreira. Brasil, 2019. Documentário. 86’. Classificação indicativa 10 anos. Sinopse: E se existisse um museu que ao invés de abrigar objetos materiais pudesse abrigar histórias de vida de pessoas, qualquer pessoa, muitas pessoas? Pois ele existe. Cinco documentaristas são convidados a adentrar o acervo do Museu da Pessoa composto por mais de 18 mil histórias de vida e a propor releituras e recortes autorais. Os cinco documentaristas – Marcelo Machado, Marco Del Fiol, Pedro Cezar, Tatiana Tofolli e Viviane Ferreira – e a fundadora do Museu, Karen Worcman, contam suas próprias histórias de vida ao longo do documentário. O filme é ́ uma viagem afetiva pela vida de brasileiros e brasileiras como a história de Sinair, garimpeiro desde os 11 anos, Amir Klink, atleta que cruzou o Atlântico numa canoa, Tula Pilar, empregada doméstica que se tornou poeta, Kaka´ Wera´, que se descobriu indígena quando entrou na escola e tantas outras. Um passeio pelos conflitos da história brasileira recente a partir das memórias dos seus habitantes. Viver para contar e contar para viver.

Debate

SEX 16 JUL, às 16h (Youtube e facebook)

Dias com Viviane: trajetória audiovisual de Viviane Ferreira. Conversa com Viviane Ferreira. Mediação Izabel Melo.

Sobre Izabel Melo:

Doutora em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP. Professora da UNEB, pesquisadora  da Filmografia Baiana, integrante dos Grupos de Pesquisa “História e Audiovisual: circularidades e formas de comunicação” (ECA/USP) e “Cinema, História e Educação: teoria e mediação pedagógica” (UNEB).  Autora do livro “Cinema é mais que filme”: uma história das Jornadas de Cinema da Bahia (1972-1978), (2016), além de outras publicações em livros e revistas. Também colabora com festivais, participando de curadorias e júri. Têm interesses de pesquisa vinculados à história e historiografia do cinema, sociabilidades, cineclubismo, festivais de cinema e formação.

+ sobre o tema

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

para lembrar

Compositora e agora roteirista: Beyoncé vai escrever e protagonizar filme sobre escravidão

Beyoncé já estrelou uma série de longa-metragens no passado – Dreamgirls, Obsessiva –...

Camila Pitanga é favorita em premiação do Festival do Rio

Atriz concorre pelo filme "Eu Receberia as Piores Notícias...

Mostra exibe filmes africanos de graça na Caixa Cultural de Salvador

    Serão exibidos 18 filmes africanos produzidos por cineastas de...
spot_imgspot_img

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

“Ó Paí, Ó 2” segue em primeiro lugar nos complexos de Salvador e alcança um público de 120 mil pessoas em todo o país

"Ó Paí, Ó 2" estreou em todo o país no dia 23 de novembro e segue, por dois finais de semanas consecutivos, sendo a maior...

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...
-+=