Dilma anuncia Jaques Wagner, Cid Gomes e outros 11 para a Esplanada

O atual ministro do Turismo, Vinícius Lajes, permanecerá no governo.
Nomes indicados para o primeiro escalão tomarão posse apenas em janeiro.

Por Fernanda Calgaro Do: G1

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira (23), por meio de nota oficial, os nomes de 13 novos integrantes do primeiro escalão do governo federal. Entre os ministros que atuarão no segundo mandato da petista estão os governadores da Bahia, Jaques Wagner, do Ceará, Cid Gomes, e o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. O Palácio do Planalto também confirmou a permanência no primeiro escalão do ministro do Turismo, Vinícius Lajes.

A expectativa em Brasília é que Dilma conclua a reforma ministerial de seu segundo governo na próxima segunda-feira (29), dia em que ela retornará de um descanso com a família no litoral da Bahia. A presidente deve embarcar nesta quinta (25) com a filha Paula e o neto Gabriel para a Base Naval de Aratu, localizada na península São Tomé de Paripe, no subúrbio ferroviário de Salvador. Desde que assumiu a Presidência, em 2011, ela tem escolhido a base militar baiana para repousar nos dias de folga.

Os novos ministros assumirão os cargos somente na próxima semana, após a posse da presidente reeleita, no dia 1º de janeiro. Além dos nomes anunciados nesta terça, já estavam confirmados desde o final de novembro os futuros titulares da equipe econômica: Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento), Alexandre Tombini (Banco Central) e Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio). Mesmo sem terem sido empossados, os quatro futuros ministros da área econômica já vinham trabalhando no processo de transição.

Veja abaixo a lista completa de ministros anunciados nesta terça pela Presidência:

Aldo Rebelo (Ciência Tecnologia e Inovação)
Cid Gomes (Educação)
Edinho Araújo (Portos)
Eduardo Braga (Minas e Energia)
Eliseu Padilha (Aviação Civil)
George Hilton (Esporte)
Gilberto Kassab (Cidades)
Helder Barbalho (Pesca)
Jacques Wagner (Defesa)
Kátia Abreu (Agricultura)
Nilma Lino Gomes (Igualdade Racial)
Valdir Simão (Controladoria Geral da União)
Vinicius Lajes (Turismo)

Henrique Alves
Cotado para assumir uma pasta na Esplanada dos Ministérios, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), divulgou nota oficial nesta terça na qual informou ter solicitado ao vice-presidente da República, Michel Temer, que seu nome não seja incluído na reforma ministerial.

Na última sexta-feira (19), reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo” afirmou que o nome de Henrique Alves faz parte de uma lista de 28 políticos supostamente mencionados na delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

No comunicado, o presidente da Câmara diz que antes de ter seu nome analisado para o primeiro escalão, quer esclarecer o que o antigo dirigente da estatal declarou ao Ministério Público Federal.

 

+ sobre o tema

O Golpe Branco do Parlamentarismo de Fato

Antes da crise que está nos jornais, há a...

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial. Outros fatores...

Um quinto dos americanos acha que Obama é muçulmano, diz pesquisa

Obama frequenta a igreja e já reiterou publicamente sua...

O transporte de tração animal no Central Park e no Sul de Minas

Sou aficionada por revistas e livros sobre animais de...

para lembrar

As primeiras pesquisas foram uma meia vitória para Dilma e uma meia derrota para Aécio

por : Paulo Nogueira Os petistas têm razão para, se...

Por que me envergonho do meu País

No ano da graça de 1900, um camarada chamado...

Ofensiva de empresários no Brasil para proteger e defender a governabilidade de Dilma

Líderes empresariais firmam pacto para superar crise Do Jornal do...

E se não tivesse havido golpe?

Vejam vocês que ironia. Não tivesse havido golpe, estaríamos...

E se não tivesse havido golpe?

Vejam vocês que ironia. Não tivesse havido golpe, estaríamos agora entrando em uma eleição limpa, tranquila e muito provavelmente, com a saída democrática de...

Mulheres apoiam nota de Dilma em crítica à sórdida capa de Veja sobre Marisa

Texto assinado por diversas mulheres do meio político, além de ativistas e entidades, entre elas a ex-ministra Eleonora Menicucci, diz que as "mulheres comprometidas...

Pedro Serrano: Ao manter os direitos políticos de Dilma, o Senado passou atestado de que houve golpe

Por 61 votos a 20, o Senado aprovou nesta quarta-feira (31/08) o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT). Por Conceição Lemes Do Viomundo Porém, por 42 votos a...
-+=