Dilma encaminha ao Congresso projeto que cria cotas no serviço público

A presidente Dilma Rousseff assinou nesta terça-feira (5) projeto de lei que reserva 20% das vagas em concursos públicos a afrodescendentes. Reivindicação histórica do movimento negro, a proposta vai em regime de urgência constitucional ao Legislativo, isto é, terá de tramitar em cada Casa em um prazo máximo de 45 dias.

A promessa havia sido feita pela presidente em julho passado, quando se reuniu com representantes de movimentos ligados à igualdade racial no Palácio do Planalto. O encontro ocorria, à época, a reboque das manifestações de junho, e o governo afirmara que procurava segurança jurídica para acelerar a medida.

TAI NALON

“É uma iniciativa que tem um imenso potencial transformador. E mais: é um exemplo para outro demais entes da federação e os demais poderes –o Legislativo e o Judiciário. Nós queremos que o debate dessa proposta seja amplo, intenso, mas rápido”, disse a presidente, na abertura da 3ª Conferência Nacional da Promoção da Igualdade Racial.

O projeto obriga que qualquer concurso público da esfera do Executivo federal estabeleça um mínimo de 20% das vagas a negros e pardos quando aprovado.

“Nós queremos, com essa medida, iniciar a mudança na composição racial dos servidores da administração pública federal. Esperamos também incentivar medidas similares a essas e esse é um importante efeito que se inicia hoje.”

Além disso, a presidente também anunciou a criação de uma instância específica de atenção à população afrodescendente. Disse ainda que áreas quilombolas e indígenas terão prioridade no envio de profissionais do Mais Médicos a partir da próxima etapa.

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Menina negra leva cusparada e é chamada de “cocô” em escola no Paraná

Uma criança negra de 4 anos foi chamada de...

O preço do sucesso para os negros

O episódio lamentável do esdrúxulo caso de racismo cometido...

Faça a coisa certa!

Levei algum tempo para escolher por me manifestar. Desde...

para lembrar

“O massacre saiu do Carandiru e passou a ser cotidiano nas periferias e nas favelas”

Casa de Detenção Carandiru, 2 de outubro de 1992....

A família negra no tempo da escravidão

Há alguns anos venho investigando as experiências de vida...

Deputados criticam criminalização do candomblé em debate na Câmara

A Câmara dos Deputados celebra, nesta terça-feira (21), o Dia...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=