Dilmistas, Marinistas e Aecistas: andem uniformizados, por favor

Gosto de acompanhar os debates dos presidenciáveis comentando pelo Twitter. Já foram ossos do ofício. Hoje, considero apenas um hábito não saudável.

Foto: Flávio Florido

Por: Leonardo Sakamoto

E, ao contrário do que muitos possam pensar, todos os candidatos e candidatas têm muito o que oferecer. Principalmente no campo da graça.

Com o tempo, percebe-se que há comportamentos que se repetem entre os tuitadores.

Se você faz um comentário jocoso sobre o candidato A, o eleitor do B posta que você é “gênio da raça”. No momento seguinte, ao fazer um comentário jocoso sobre B, o mesmo eleitor diz que você é o “maior débil mental da face da Terra”. Se você goza de C, o cara de B volta a dizer que “Saka é rei”. Para, depois, sugerir que você seja “processado pela lei eleitoral” quando fala novamente de B, porque B dá margem para isso (comentários reais retirados do Twitter).

Na minha timeline, não salva ninguém. Todos têm torcidas organizadas na rede – Dilmistas, Marinistas, Aecistas…- para falar dos três candidatos à frente. E não falo do povo que faz o debate político saudável, não. Muito menos dos haters e trolls contratados pelas campanhas para fazer o papel de contrainformação, desconstrução, vigilância e ataque. Estou falando do pessoal que faz isso na faixa, por amor à camisa.

Mais do que um sentimento de estar construindo um mundo novo, coletivamente, esse pessoal se junta guiado pela sensação de conforto trazida pelo sentimento de pertencimento a um grupo. E, o melhor: esse grupo se define muitas vezes não pela aceitação das propostas do seu candidato, mas por identidade reativa ao adversário. Juntam-se pelo ódio ao outro, não pelo amor ao seu.

Eles abandonam a razão muito antes que o povo das organizadas do futebol. Esse sabe quando o seu time dá vexame e quando manda bem, protesta contra os dirigentes, vaia a própria esquadra, reconhece jogadas de craque do adversário, enfim, “lealdade, humildade, procedimento”.

As organizadas eleitorais da internet, não. Tudo o que sai da boca de seu candidato ou sua candidata é a Verdade Suprema com cheiro de lavanda, ladeado por coelhinhos brancos e fofos. E, da boca do outro, a mais completa titica pútrida e fétida, infestada de vermes e baratas.

Muito se critica a Mancha Verde, a Gaviões da Fiel ou a Independente. Mas, ao menos, o pessoal das torcidas anda uniformizado. Na internet, com exceção de alguns poucos que se identificam como tal, não temos muita informação sobre eles. Estão na penumbra. Andando nas sombras. Podem ser qualquer um.

Você pode estar, neste momento, pedindo uma caracu com ovo e um torresmo à milanesa no boteco ao lado de um deles e nem sabia. Isso dá medo, não?

Por isso, peço que cada uma das organizadas lancem seu uniforme próprio, digital e analógico de preferência. Não é discriminação, longe disso.

Mas, dessa forma, é mais fácil ser condescendente até outubro quando tiverem seus ataques bipolares de raiva.

“Calma, ele é um torcedor eleitoral, não um eleitor. Não é culpa dele. Não sabe o que diz.”

Fonte: blog do Sakamoto

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

75 anos após libertação de Auschwitz, antissemitismo ainda ameaça sociedades democráticas

Lembrando 75 anos desde a libertação do campo de...

A promoção da igualdade racial pelas empresas – Por Reinaldo Bulgarelli

Neste artigo, o educador Reinaldo Bulgarelli, especialista em diversidade,...

Manoel Querino por Cidinha da Silva

Manuel Raimundo Querino nasceu no 28 de julho de...

Uma elite que combate Bolsa Família, mas não se acanha em usar mordomias do Estado

O bolsa-madame e o bolsa-família Do QTMD? (Quem tem medo...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=