Guest Post »
A disparidade entre maternidade e paternidade: Conceito e Expectativa Social

A disparidade entre maternidade e paternidade: Conceito e Expectativa Social

É preciso muito pouco para ser considerado um paizão. E é preciso muito pouco para ser considerada uma mãe de m**da.

Por Tayná Leite De Huff post Brasil

Minha timeline está cheia de feministas e mulheres em geral indignadas com a matéria de Dia dos Pais da Folha de S.Paulo e fui ver do que se trata, pensando que fosse mais uma polêmica sobre homões da poha que não fazem mais do que sua obrigação. Preparada a fazer jus ao recente título de biscoteira que recebi por este post aqui, qual não foi minha surpresa, ao entrar no link da matéria e me deparar com a seguinte headline:

“Está pensando que a vida dos pais é só trabalho e cuidar da cria? Eles também batalham para colocar em prática seus hobbies, como cruzar oceanos atrás de um show de heavy metal, fazer longas caminhadas pelo Nepal e guardar uns minutinhos para desfrutar do jardim.”

Hummmm… Olha, não! Eu realmente não estava pensando isso! Aliás, alguém no mundo pensa?

Fiquei impactada com essa chamada dramática para conhecermos as histórias de Jota, Jair, o motorizado, Sandro, o veloz, Rodrigo, o guardião das plantas e Wilson, o planejador e estou bem disposta a arriscar um palpitão beeeem grande de que a repórter que co-assina essa matéria não é mãe.

Eu realmente não consigo imaginar um mundo em que faça sentido que conciliar a paternidade com hobbies e momentos para si seja matéria de capa da Folha. Nessa esteira, logo teremos capas com Zezinho, que conseguiu conciliar a paternidade com duas amantes e a pinguinha no final do dia. Ou João que superou-se encontrando formas criativas de conciliar a paternidade com o futebol de quarta, o chopinho de quinta e o churrasquinho de sexta… True story!

Pais conciliam a paternidade com o que querem desde que mundo é mundo — isso quando sequer exercem de fato alguma paternidade. Muitos nem sequer se dão a este trabalho e simplesmente esquecem que pessoinhas andam por aí carregando 23 de seus cromossomos (e que precisam de fralda, comida, amor, atenção, colinho, cuidado…).

A matéria de Dia das Mães da mesma Folha de S.Paulo trazia mães contando o quanto a maternidade as transformou e reforçando o sentimento de culpa e imperfeição que assola a todas nós:

“‘Mãe é tudo igual, só muda de endereço.’ Esse dizer antigo não podia estar mais errado: mãe é tudo diferente. Cada uma é uma. Talvez o que toda mãe tenha em comum seja o sentido de imperfeição. (Calma! Pode ser que a sua mãe seja perfeita, e nesse caso ela será assunto para uma próxima reportagem.)”

Seria tudo muito cômico não fosse tão trágico o cenário de total exaustão e desigualdade que nos acomete enquanto mães.

Eu estou rindo, mas estou nervosa, gente!

Confesso, porém que, passada a indignação inicial compartilhada com minhas colegas, tenho mais é que agradecer à Folha por ilustrar de forma tão clara, crua e quase banal essa disparidade tão necessária de ser debatida e, principalmente, o que significam enquanto conceito e enquanto expectativa social a maternidade e a paternidade.

Desde a treta com as mães de pet que eu (e a maioria das feministas mães) venho insistindo no fato de que maternidade não é sobre amor ou sobre amar incondicionalmente – apenas! O nome disso que as mães de pet reivindicam é, na verdade, paternidade!

Paternidade é sobre amor, porque paternidade é facultativa… Porque paternidade permite viver sua vida e ser matéria de capa de uma revista sobre o Dia dos Pais sem se dar destaque ao que representa esse papel na vida deles.

Maternidade é sobre:

  1. perder oportunidades de emprego por ser mãe;
  2. sentir culpa e ser julgada por suas escolhas o TEMPO TODO;
  3. não ter mais direito à vida pessoal que não envolva os filhos (ou ser julgada por isso);
  4. não dormir decentemente por MESES a fio (se não anos…);
  5. ter a RESPONSABILIDADE de CRIAR um ser humano de valores, que não saia por aí sendo escroto e fazendo o mínimo de bostas possíveis no planeta…

Pai que consegue conciliar hobby não é novidade nenhuma! Seja o hobby escalar o Himalaia ou a cerveja com os amigos. Novidade é mãe que consegue ter uma noite com as amigas ou, mais raridade ainda, uma noite sem filho em que não fiquem o tempo i n t e i r i n h o te perguntando: “mas e o fulaninho?”. Novidade seria uma mãe que consegue não sentir nem um pinguinho de culpa por estar fazendo algo única e exclusivamente pelo seu prazer e que não envolva o filho em absolutamente nada.

Aliás, o que tem de mais similar entre a reivindicação da maternidade de humanos e de pets é a ausência masculina do rolê… Eu disse em maio que queria ver os pais de pet querendo ocupar seu papel em agosto… Seguimos aqui esperando sentadas… Deve ser porque estão ocupados conciliando suas muitas tarefas com a paternidade… #contemironia

Dia desses apareceu na minha timeline o enésimo post de uma mãe culpada por deixar a filha na escola para (fazer a unha) trabalhar e me deparo com o comentário de um pai – na melhor das intenções – sobre como ele (ao contrário da colega afundada em culpa e lamentação) “deixava sua filha na escola com a maior satisfação…” blá-blá-blá “pai é mesmo diferente” dizia ele…

É! Pai é mesmo diferente… Pai não sente culpa porque homens não foram socializados para isso e não sabem, mesmo que queiram, o tamanho da pressão que é colocada nos nossos ombros do momento em que aquelas duas listras aparecem na nossa frente e até mesmo antes (na pressão para engravidar). Ou talvez porque não era ele que tinha que lidar com noites insones cuidando da cria doente (muitas vezes você mesma convalescendo) e ainda ter que chegar no trabalho bela, saltitante e pensante.

Pai é diferente…

Amor de pai é leve! Amor de mãe pesa… Amor de mãe dói!

Amor de pai é lindo! E facultativo…

Amor de mãe vem com culpa acoplada pelas próximas dez gerações!

Amor de pai inclui escalar montanhas e ter hobbies e depois repassar essa paixão para o filhote. Amor de mãe significa não poder beber uma gota de álcool durante a amamentação e ter que ser a chata que te manda botar uma blusa ou arrumar os brinquedos.

É… Pai é mesmo diferente!

Acha que eu estou viajando, exagerando, sendo dramática de mimimi de feminista mal-amada e coisa do tipo? Pois veja só uma coisinha:

Ano passado, a Folha publicou uma reportagem sobre a levantadora da seleção de vôlei que deixou de amamentar sua filha para competir pelo Brasil, e o assunto repercutiu de uma maneira completamente acusatória e culpabilizadora para essa mulher, seja por qual ângulo se olhasse. Ainda que algumas mães dissessem que a decisão é dela e que ninguém tem nada a ver com isso (ahvá!), uma importante parcela caía no “não julgo maaaaaaaas (as pessoas podiam super parar de falar depois dessa frase nenom?!) eu jamais teria coragem porque, sabe, os meeeeeeeussss filhos são minha prioridade sempre! Porque emprego nenhum, dinheiro nenhum no mundo é mais importante do que os filhos… Blá-blá-blá”.

Vejam, estávamos aqui discutindo a possibilidade da mulher ganhar um Ouro Olímpico gente! (infelizmente não rolou, mas enfim…) e as pessoas estavam o quê? Orgulhosas? Achando lindo o como ela conciliava a carreira de super-atleta e a maternidade? Não! As pessoas estavam 1) chamando ela de gorda e 2) criticando as escolhas dela enquanto mãe e profissional (provavelmente criticariam também se ela abandonasse o vôlei para cuidar da filha em tempo integral porque né?! você precisa dar conta de tudo!).

Essa cobrança sobre nós é injusta, é pesada, é cruel mesmo e precisamos falar disso! O contrário sequer é cogitado: sempre rola um pai atleta perdendo o parto do filho todo emocionado e todo mundo comovido com o “sacrifício” que ele está fazendo pelo país!! Isso é muito foda!!!

Na mesma época, rolou uma polêmica sobre a entrevista em que a Sandy disse não querer ter mais filhos porque se sente culpada por não ter tempo. Ao invés de refletirmos no porquê de cargas d’agua a pessoa tem que dar satisfação para o mundo sobre sua maternidade, tava lá todo mundo malhando ela porque “ela já tem dinheiro suficiente” e “não precisa trabalhar” e “que se ela quisesse ela arrumaria tempo”.

Incrível como mãe só pode trabalhar por necessidade e não por realização… Filhos têm que ser prioridade, mas só da mãe…

Sim porque eu adoraria ver grupos de pais debatendo esse dilema entre paternidade e carreira… Quem sabe quando eles se engajarem nisso, as coisas nas empresas comecem efetivamente a mudar.

Crianças têm que ser prioridade, sim! Dedicação à infância também! Mas não apenas da mãe… Também do pai, da comunidade, do Estado, das empresas… Através de políticas públicas, creches de boa qualidade e com horários que atendam às necessidades das famílias, enfim… Tudo aquilo pelo que lutamos diariamente.

E agora vem essa matéria desenhar, aliás, quase cuspir na nossa cara que é isso mesmo! Que ser mãe e ser pai são socialmente coisas completamente distintas, e a Folha não fará nada para mudar isso!

Ser mãe é ter que justificar para todo mundo por que você irá concorrer às Olimpiadas! Ser pai é levar confete por cumprir a sua obrigação e ser matéria de capa quando você “concilia” a paternidade com – pasmem – sua vida!

É preciso muito pouco para ser considerado um paizão.

E é preciso muito pouco para ser considerada uma mãe de merda.

E digo mais: é preciso muito pouco para nós mesmas NOS CONSIDERARMOS mães de merda!

E antes que a turma do #masnemtodoomi se arme, o objetivo deste post não é falar sobre pais e mães e sim sobre maternidade e paternidade e suas concepções e pesos sociais. A crítica não é aos pais da matéria e nem àqueles que se dedicam com esmero a essa missão tão gostosa!

Meu marido mesmo é um puta pai e eu sou uma puta mãe e nosso filho é muito abençoado por ter um exemplo masculino tão íntegro, responsável e cumpridor de suas responsabilidades. Mas sim, ele concilia a paternidade com seus hobbies e segue tomando sua cerveja com os amigos enquanto eu continuo aguardando o dia em que eu possa sair de casa sem ter que voltar correndo porque meu bebê está desesperado pedindo por mim. Em quase 12 meses (isso sem contar a gravidez) eu saí com as minhas amigas à noite para curtir e espairecer a mente um total de ZERO vezes e ainda assim me sinto culpada e sou criticada quando digo que queria poder deixar Cacá para poder pegar uma baladinha e dançar.

Sim, porque eu deveria compreender que “ser mãe é padecer no paraíso”, mas ser pai é poder ser você e ainda ter esse serzinho pequeno e delicioso te amando incondicionalmente e te enchendo de abraços quando você volta para casa.

Meu desejo neste Dia dos Pais é que possamos liberar as mães… Que mais e mais pais sejam como os do meu filho e tantos outros que têm se dedicado a paternar de forma diferente.

Desejo aos pais que experimentem conciliar tomar banho e ir ao banheiro com neném chorando no seu pé. Que experimentem mais cafés frios e almoço atrasado e bagunça na casa. Que conciliem o dizer não ao chefe que quer marcar aquela reunião às 18h com uma boa performance que traga resultados e justifique seu emprego.

Quanto mais eles conciliarem isso, mais as mães se libertarão para conciliarem suas próprias existências com a maternidade. E que eles saibam que este é o verdadeiro presente para os filhos e filhas deles: um mundo mais igual, mais leve e livre de culpas!

Feliz Dia dos Pais!

Related posts