Djonga: “Uma hora você quer pegar no revólver, outra hora quer ler um livro, até entender seu caminho”

O rapper mineiro, de 25 anos, mostra maturidade ao refletir sobre os obstáculos até ‘Histórias da minha área, seu quarto álbum de estúdio

Por Guilherme Henrique, do El País

DANIEL ASSIS/@176STUDIO (CUSTOM CREDIT)

A foto de capa de Histórias da minha área, quarto álbum de estúdio do rapper mineiro Djonga, configura uma espécie de linha tênue onde o artista se equilibrou durante parte da sua vida. Ao mesmo tempo em que aparece sentado e sorrindo, seu corpo também está crivado de balas e deitado no chão. Mas não só ele. Todos os integrantes que compõe a imagem são frutos dessa dubiedade.

A trajetória de Djonga, construída na zona leste de Belo Horizonte, precisava ser reverenciada de alguma maneira. “Você só vai ser o maior do Brasil depois que for o maior da sua rua”, decreta em uma das dez faixas que compõe o novo trabalho. Ao relembrar o lugar de onde veio, mantém o discurso ácido presente desde Heresia, seu primeiro disco, ainda que a melancolia da perda e o desespero da ausência estejam igualmente presentes. “Eu tava lá, eu vi acontecer/Tô cheio de ódio e com saudade de você” reflete em Não Sei Rezar.

Djonga desvela as camadas do novo disco, lançado na sexta-feira,13, utilizando o que aprendeu na rua e também no curso de história na Universidade Federal de Ouro Preto, onde estudou até o último semestre. Aos 25 anos, o rapper exibe maturidade. Além do já citado Heresia, compõe sua discografia O menino que queria ser Deus (2018) e Ladrão (2019). “Disco de platina na minha sala/ e ainda assim não me sinto completo / Corro atrás do que ainda não tem nome/ Juro que não tenho tesão por nenhum objeto” (Otro patamá). O tesão, neste caso, é utilizar a arte para causar desconforto e movimentar as estruturas.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

para lembrar

Lei inclui ‘Afoxé Omo Oxum’ no calendário cultural de Sergipe

O ano de 2011 começou a todo vapor para...

Valdecir Nascimento: Carta manifesto de apoio a Valdecir Nascimento

Exmo.sr. Jaques Wagner Governador do Estado da Bahia Salvador/BA...

Heróis Negros – liderança e sabedoria

Por que os Heróis não são Heróis negros? Pergunta...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=