Documentário ‘Viva Nossa Voz’ traz discussão sobre papel das redes para amplificar as vozes e a potência da comunidade negra no Brasil

O Instagram e o Canal Brasil lançam hoje (18) o documentário Viva Nossa Voz, que traz reflexões sobre como as redes sociais e o poder da imagem estão criando novas percepções positivas e inspiradoras sobre ser negro no Brasil. O documentário ficará disponível a partir de hoje no IGTV do @canalbrasil em formato de série em 3 episódios, e também contará com exibição na íntegra no Canal Brasil, dia 23 de dezembro, às 23h30.

Ancorado por Rosane Borges o documentário aborda, através dos relatos de Mc Carol de Niterói, Ana Carolina Oliveira, coletivo Afrobapho, Carla Akotirene, Gabriela de Matos, Gabriela Loran, Isaac Silva e Matheus Pasquarelli, as principais discussões raciais atuais de forma profunda, permeando como as redes sociais estão promovendo novas formas de representatividade e sensação de pertencimento, além de ampliar o conhecimento sobre raízes culturais e fortalecer a conexão da comunidade negra.

“Estamos celebrando esta parceria entre o Canal Brasil, o Instagram e a produtora Preta Portê, que deu vida ao documentário “Viva Nossa Voz”. É mais uma oportunidade de participarmos de conversas urgentes para o sociedade, através do nosso conteúdo. A diversidade é um dos principais pilares do Canal Brasil e há uma atenção constante para que a representatividade nas telas seja vista, pensada, discutida e que traga a possibilidade de transformar quem nos assiste em algum momento”, afirma Gesiele Vendramini, Gerente de Negócios, Produção e Digital do Canal Brasil.

O documentário Viva Nossa Voz traz relatos e reflexões fundamentais sobre temas como racismo, feminismo negro, pater-maternidade negra, vidas LGBTQIA +, empreendedorismo, positividade corporal, nova masculinidade negra, Afrofuturismo e saúde mental, tópicos que ganham cada vez mais força através de discussões nas redes e da formação de verdadeiras comunidades de apoio no Instagram.

“O Instagram é um ambiente onde comunidades de apoio se formam e crescem diariamente. Principalmente para os jovens da comunidade negra, esse é um fator muito importante que os permite compartilhar experiências com pessoas que passam por situações semelhantes, formando uma verdadeira rede de apoio e troca para obter ajuda, inspiração e incentivo”, reforça Natalia Paiva, Head de Políticas Públicas do Instagram para América Latina.

O projeto “Viva Nossa Voz” teve consultoria de Hélio Menezes, antropólogo e pesquisador e Joice Berth, arquiteta, urbanista e escritora. A produção foi realizada pela Preta Portê filmes, liderada por Juliana Vicente, diretora e fundadora da produtora. A artista visual Rosana Paulino também contribuiu com sua visão conceitual, representando a força e o poder da ancestralidade que a comunidade negra leva ao longo de sua trajetória.

O documentário já está disponível no IGTV do @canalbrasil em formato de série em 3 episódios, e a exibição na íntegra acontece dia 23 de dezembro, às 23h30, no Canal Brasil.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Gays enchem orla de cores e exigem fim de preconceito

Fonte: JC Online - Gays, lésbicas e simpatizantes...

Mães de Maio lançam campanha internacional: ‘Vidas negras importam, vidas brasileiras importam’

Compartilhem com as hashtags #BlackLivesMatter #BlackBraziliansMatter #BrazilianLivesMatter Por Mães de...

Racismo: Homem é brutalmente espancado no centro de Embu das Artes

por Karen Santiago Um homem enquanto passeava com sua namorada,...

para lembrar

‘Tiraram quase dois anos de mim’, diz Bárbara Querino

Babiy, 21, ficou um ano e sete meses presa...

Racismo nos campos e nas arquibancadas vira tema da ONU

A questão do racismo no esporte foi parar na...

Carta aberta à Madalena

08 de março de 2021 Mana, Quando vejo a tua imagem-presença...

O consenso das gentes

Por: Edson Cardoso Uma empregada doméstica uniformizada serve a refeição....
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=