Drauzio Varella sobre estupro na USP: ‘Esses meninos cresceram com a sensação da impunidade’

“Esses meninos cresceram com a sensação de impunidade”. Ao saber que o estudante Daniel Tarciso da Silva Cardoso vai se formar em medicina na USP mesmo após suspensão por dopar e estuprar três alunas da faculdade, o médico Drauzio Varella, ex-aluno da universidade, divulgou um desabafo

Ana Beatriz Rosa no HuffPost Brasil

Foto: TV Globo/Zé Paulo Cardeal

O estudante de medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Daniel Tarciso da Silva Cardoso vai se formar mesmo após cumprir suspensão por ser acusado de dopar e estuprar alunas da faculdade.

A notícia deixou muita gente inconformada, inclusive um ilustre ex-aluno da FMUSP, Drauzio Varella.

Em um vídeo compartilhado em seu Facebook na quarta-feira (2), Varella demonstrou indignação diante da atitude do jovem e da decisão da faculdade. Para ele, o caso é “exemplo” de vergonha e impunidade:

“Quando acontecem esses casos de estupro, todo mundo acha que a mulher tem uma parcela de culpa, principalmente se ela bebeu. Eu fico chocado com esse tipo de interpretação. Eu já bebi e muitas vezes eu passei do ponto, mas eu nunca fui estuprado. E eu não conheço nenhum homem que tenha sido nesse tipo de situação. Estupro é crime. Esse caso da Faculdade de Medicina é exemplar. Eu acho que essa situação é muito simples. Eu fico muito envergonhado disso acontecer na faculdade em que eu aprendi a ser médico. As pessoas ficam chocadas sabe por quê? Porque nós médicos temos acesso aos corpos dos pacientes. E as pessoas têm que ter confiança de que nós vamos respeitá-las, independentemente do fato de elas estarem bêbadas, drogadas ou anestesiadas. Isso não pode acontecer com médicos de forma nenhuma, especialmente com alunos que cursaram as melhores escolas do país. Esses meninos que fazem essas coisas têm a exata sensação da impunidade.”

Cardoso já cumpriu todos os créditos exigidos na graduação, mas estava suspenso desde 2014. Já que cumpriu sua suspensão, o aluno poderá colar grau.

Professoras e pesquisadoras da Rede Não Cala USP, movimento criado para amparar vítimas de violência sexual e denunciar casos de estupro e abuso sexual, divulgaram uma nota de repúdio à decisão de deixar Daniel colar grau.

“Temos plena convicção de que a USP não pode correr o risco de diplomar alguém que pode ser um agressor, ainda mais para o exercício de uma profissão destinada ao cuidado, como é o caso da Medicina.”

Em entrevista ao UOL, o advogado do estudante, Daniel Alberto Casagrande, diz que as acusações de estupro não são verdadeiras.

“Foram instaurados três procedimentos apuratórios na FMUSP e nenhum deles reconheceu a ocorrência de estupro”, afirmou Casagrande ao portal. “A suspensão das atividades acadêmicas se deu por outros fatos, não pelo estupro. Há um processo criminal em andamento que, por tramitar sob sigilo, não pode ser comentado.”

+ sobre o tema

Grupo NEGRAS da UFRB lança a segunda edição do Caderno Sisterhood

O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero, Raça...

Djamila Ribeiro é a entrevistada do próximo Roda Viva

A escritora e filósofa Djamila Ribeiro é a entrevistada...

No país das mulheres fortes

Islândia conquista o cume da igualdade com o impulso...

para lembrar

Três mulheres contam como aprenderam a aceitar e conviver com o vitiligo

Elas têm diferentes histórias sobre vitiligo, mas um objetivo...

É hora de dar voz às que sentem na pele o peso das desigualdades

Na esteira da Revolução Industrial, as mulheres – e até...

17 caras que não estão nem aí para regras de estilo por gênero

por Tolani Shoneye no BuzzFeed A photo posted by Ramoan Bruce...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=