E Luiz Carlos Gá voltou pra casa. Foi desenhar uma nova marca, no Orun

O carioca, Luiz Carlos  Gá, o filho de Ari Bartolomeu de Almeida, dizia: “Quando começo a  contar minha história tenho que falar do meu pai, que, logo cedo descobriu minha capacidade do desenho e me levou a Escola de Belas Artes  apresentou , ao pintor, Casimiro Ramos e a partir daí começou a construção do artista, que hoje sou.

Era o preto do Rio de Janeiro das intervenções urbanas, humanas, africanas e afetivas.

Um cabra com uma visão sarcástica da humanidade, cheio das ideias carregadas de infinitudes, no enfrentamento ao racismo estrutural e insidioso.

Um artista plástico, referência histórica do MNU do Rio de Janeiro e outras bandas do mundo, com traços finos tendo como propósito as grandes revoluções humanas.

 Um homem dos palavrões:” Como posso falar do racismo sem falar palavrões?”

O homem das marcas, do “Trator de Veludo”, do “Faça a Coisa Certa”, “Nota Preta”, “Coisa de Crioulo.”

Um ativista com relação intima com a valorização do protagonismo negro:

“A comunidade negra conhece Nelson Mandela, mas não conhece Abdias Nascimento.

Tudo que fiz o tempo todo está ligado a questão racial.”

A última vez que , essa ativista encontrou Luiz Carlos  Gá foi em uma terça-feira, do ano de 2016, no VLT Carioca, em uma viagem técnica do Instituto Raízes de Áfricas, ao Rio de Janeiro .

A conversa foi apressada e substantiva.

A viagem técnica  tevecomo interesse conhecer profissionais, ferramentas e modelos de gestão utilizados pela Incubadora Afro Brasileira, buscando o desenvolvimento de empreendimentos de base econômica, agregados ao valor étnico para implementação no estado de Alagoas.

Gá era grandiloquente em tudo que fazia, mas. reafirmava sua amorosidade ao mundo a partir da vivência por ser avó de Matheus, o neto muito amado no mundo do artista.

Um agitador de caminhos, revolucionário de ideias, Gá agora terá seu merecido descanso.

Reencontrará o imortal, Marcos Romão.

Pode descanse, seu cabra, por aqui, você semeou Matheus.

Que o Orun o receba com muita festa.

Salve, Salve!

+ sobre o tema

Ilê Aiyê está de luto pela morte de mãe Hilda Jitolu

Faleceu neste sábado, 19, às 10h30, a ialorixá Hilda...

Morre o ator e cineasta Zózimo Bulbul, aos 75 anos

O ator e cineasta Zózimo Bulbul morreu nesta quinta-feira...

Morte de Daniel Marques, poeta da zona leste, comove artistas das periferias

Figura relevante da cena cultural periférica, o poeta Daniel...

Morre a poeta Tula Pilar, seguidora de Carolina Maria de Jesus

Uma poeta negra, mineira, que trabalhou como doméstica e...

para lembrar

Ari Cândido, o primeiro fotojornalista negro de guerra do Brasil

“A fragilidade gelatinosa do seu pré-roteiro acumula situações sempre...

A beleza negra de Odara

“Deixa eu dançar pro meu corpo ficar odara”, canta...

‘Negras cabeças’ debate espaço da mulher negra nas artes conduzida pelo cabelo e ancestralidade

No dia escolhido para dar visibilidade à luta das mulheres...
spot_imgspot_img

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Somos o mundo

Faz quase 40 anos, uma ação entre artistas mudou a forma de celebridades e sociedade civil se relacionarem com agendas humanitárias urgentes. A ficha...
-+=