Eles me odeiam por isso…

Leia aqui na íntegra desabafo manifesto de Jean Wylliys logo após sofrer ameaça de suspensão do mandato por 120 dias pelo Conselho de Ética da Câmara. A punição é defendida por Ricardo Izar (PP-SP), relator do processo por quebra de decoro parlamentar encaminhado pela Corregedoria da Casa, por ele ter cuspido em Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Do Revista Fórum

Eu não recebi dinheiro da Odebrecht.

Nem da OAS.

Nem de nenhuma empreiteira.

Nem dos bancos.

Nem dos planos de saúde.

Nem do agronegócio.

Nem nada disso.

Nunca recebi propina.

Não tenho contas na Suíça.

Não sou milionário.

Não enriqueci no mandato.

Levo uma vida normal.

Sem luxos.

Ando na rua.

Sou o mesmo de sempre.

Não mudei de lado.

Nunca fui aliado de Cunha.

Aliás, enfrentei Cunha desde o primeiro dia.

Fui contra o golpe.

Mesmo sendo oposição ao governo Dilma.

Sempre defendi a democracia.

Nunca votei contra os trabalhadores.

Nunca votei contra a educação pública.

Nunca votei contra a saúde pública.

Nunca votei contra os direitos humanos.

Nunca fui acusado de cometer nenhum crime.

Não menti na campanha.

Meus projetos são os que defendi quando era candidato.

Meus votos são coerentes com o que eu sempre disse que faria.

Não traí.

Não me vendi.

Você pode concordar ou não comigo.

A democracia é isso.

Mas eu sou honesto.

Nunca agi com violência.

Não insulto os outros.

Só recebo insultos.

Deles, dos que têm ódio no coração.

Por ser veado.

Defendo ideias.

Não faço parte do lado deles.

Nunca fiz parte.

Eles me odeiam por isso.

E por ser veado.

Essa é a verdade.

Eu não sou deputado.

Estou deputado.

Sou professor.

Jornalista.

Escritor.

Ativista.

Estou deputado pelo voto popular.

Porque 144.770 pessoas votaram em mim.

Eu respondo a essas pessoas.

Se suspenderem meu mandato, estão calando toda essa gente.

Vocês não gostam da democracia.

Mas toda essa gente gosta.

E muita mais.

Pode crer.

Boa noite.

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Comércio entre Brasil e África cresce 416% em 10 anos

  Os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio...

Dilma sobre a campanha: ‘Sou outra pessoa, muito melhor’

Esbanjando bom humor, candidata petista diz que campanha foi...

para lembrar

A receita de beleza de Camila Pitanga

Camila Pitanga está se desdobrando para não descuidar...

Nos EUA e no Brasil, o “mal” são sempre os outros. Nunca nós mesmos

''Nós devemos manter o 'mal' fora de nosso país!'' Por Leonardo...

Racismo, este des-conhecido

por Márcia Moraes de Oliveira   Há anos...

Natal para as crianças: Roteiro de programação gratuita

Natal no Zoológico Além de passear por entre as...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=