Em 04 de Agosto, há 114 anos, nascia Louis Armstrong, dono da voz que transformou o jazz

Ele sonhou com um mundo melhor. E o fez, com aquele gogó dourado, capaz de trazer aspereza ao jazz, gênero que só existe da forma que o conhecemos hoje porque, no primeiro ano do século 20, em um 4 de agosto, como esta terça-feira, nascia Louis Armstrong.

no Diário do Grande ABC

A data de nascimento de Armstrong, aliás, só foi confirmada pelo historiador musical Tad Jones já nos anos 1980. Neto de escravos negros, o futuro músico nasceu em um berço pobre de Nova Orleans, no estado norte-americano da Louisiana.

A vida nunca lhe foi gentil – tratava-se de um rapaz afrodescendente em uma sociedade sulista e preconceituosa, que só aboliu a escravidão quatro décadas antes. Foi abandonado pelos pais e criado pela avó e pelo tio. Armstrong, contudo, lutou como nunca.

Cantou nas ruas e só foi capaz de comprar o primeiro trompete ainda jovem, antes dos 15 anos. Apoiado por uma família judia e caucasiana, os Karnofskys, Armstrong cresceu. Entendeu, inclusive, a discriminação em duas frentes diferentes – como descendente de escravos e presenciou o preconceito contra os judeus.

Armstrong brigou, lutou contra a discriminação da forma que sabia. Não era tão dado a explicitar opiniões políticas, embora tenha se pronunciado, por exemplo, contra o caso de segregação racial na escola Little Rock Central High School, em 1957.

O músico, que morreu em 1971, aos 69 anos, deixou sua marca ao romper a barreira racial em um período conturbado da história recente norte-americana. E o fez com um talento incomum. Incomparável, até. Situa-se hoje no olimpo do jazz, ao lado do contemporâneo Duke Ellington e de nomes que vieram depois, como Miles Davies e Charlie Parker.

Na voz, com uma técnica incomparável de scat (técnica de improvisação com o uso da voz) e no trompete, Armstrong fez história. Gravou “What a Wonderful World”, canção criada por Bob Thiele e George David Weiss, de forma magistral.

A música havia sido oferecida a Tony Bennett, que rejeitou a oferta. Melhor para Armstrong – e para o mundo, já que sua versão é definitiva. Cantou como poucos por esse “mundo maravilhoso”, como se as palavras fossem suas. Era a sua mensagem, por mais que não tivesse cunhado aqueles versos.

114 anos depois do nascimento do músico, a visão soa utópica. Ainda. Se, neste 4 de agosto, contudo, cada um de nós fizer um mínimo, dizer um “eu te amo”, como Armstrong cantava, o mundo definitivamente seria melhor – quer homenagem melhor do que essa?



+ sobre o tema

Como africanos usam a arte para gerar renda e cultivar tradições

O Nova África desvendou o artesanato africano e mostrou...

Beyoncé diz que seu novo disco nasceu de experiência de rejeição no country

Beyoncé divulgou nesta terça-feira (19) a capa do seu...

Jennifer Hudson deve cantar em jantar

Jennifer Hudson deve ser a estrela de um jantar...

para lembrar

Escândalo de doping pode consagrar africana que teve que provar ser mulher

A sul-africana Caster Semenya, 24, pode herdar duas medalhas...

Rosa Parks “Melhor andar com dignidade que rodar na humilhação”

Aos olhos e ouvidos de todo o mundo, a...

Mário de Andrade

Mário Raul de Morais Andrade (São Paulo, 9 de...
spot_imgspot_img

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...

Majestosa, Lauryn Hill entrega show intenso e coroa história da Chic Show

"Não é só um baile black", gritou Criolo durante o terceiro show do festival Chic Show 50 Anos, no sábado (12). O rapper do...

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...
-+=