Em ano eleitoral, movimento gay cobra aprovação de leis contra homofobia

No ano em que as eleições podem promover a troca dos políticos nos planos estadual e federal, o movimento gay aproveita a 14ª edição da Parada LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), que acontece neste domingo em São Paulo, para cobrar uma lei que puna ações de intolerância.

A parada gay é realizada pela Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo, uma organização fundada em 1999. Além da marcha pelas ruas da capital paulista, a associação promove neste mês diversos outros eventos sob o mesmo tema: “Vote contra a homofobia: defenda a cidadania!”

De acordo com a associação, eles querem “chamar a atenção à necessidade de nomear candidatos comprometidos com os direitos da população LGBT. O objetivo é propor à sociedade que votar corretamente é defender a cidadania plena de todos os indivíduos”.

A parada, considerada a maior do mundo, também serve para as lideranças do movimento pedirem o boicote aos candidatos contrários à causa gay.

“Os fulanos e cricranas que não nos toleram e que acham que vão se passar mais quatro anos sem direitos, sem respeito, que ponham as barbas de molho. Suas batatas estão assando. Terão de voltar para suas igrejas e pregar a intolerância e a homofobia para seus crentes, porque não haverá lugar no Senado para eles. Vamos eleger uma nova geração de políticos, gente sintonizada com o país laico, de respeito a todas as religiões, a todos os corpos, e a todas as mentalidades”, afirmou neste domingo Michelle Meira, coordenadora de LGBT da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência.

De acordo com a associação, “candidatos homofóbicos, além de disseminar o ódio, não estão preparados para representar nossa diversidade e democracia”.

Um projeto de lei que torna a homofobia crime tramita desde 2006 no Congresso. Ele já foi aprovado na Câmara e agora precisa passar pelo crivo dos senadores.

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) comparou a importância do evento para a cidade com a Fórmula 1. “Ao lado de grandes eventos como a Fórmula 1, a Parada Gay gera receita, gera empregos e além disso mostra a diversidade de São Paulo”.

Fonte: Folha.com

 

+ sobre o tema

Homofobia na UFCA e o ódio o feminino – Por Jarid Arraes

Discursos de ódio e casos de racismo, homofobia e...

Michael Sam se torna o primeiro jogador homossexual da NFL

CRISTINA F. PEREDA O jogador do Missouri foi selecionado na...

Revoluções sexuais e novos desafios

Quem busca parceiros sexuais em aplicativos de celular tem...

Ministério Público de PE promove Encontros de Direitos Homoafetivos

A Comissão de Direitos Homoafetivos e a Promotoria de...

para lembrar

Por quê criminalizar a Homofobia?

A maioria dos brasileiros assiste passivamente cenas diárias de...

Na abertura da Copa, pais ensinam filhos a xingar croata de ‘viadinho’

Eu não fui à Arena Corinthians na abertura da...

Héteros fazendo papel de gays são mais frequentes que gays interpretando héteros

De Daniel Day Lewis a Oscar Magrini, muitos atores...

Preconceito e assassinatos: A cada hora, um gay sofre violência no Brasil; denúncias crescem 460%.

Neste ano, em um levantamento até outubro, os episódios...
spot_imgspot_img

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...
-+=