Empresária vai construir fábrica de bonecas negras na Baixada

Com tecidos, lãs e muitas cores, ela costura sonhos e histórias onde crianças negras podem se reconhecer. Nascida de uma geração que herdou a representatividade em trapos, a empresária Jaciana Melquíades, da Era Uma Vez o Mundo, quer que crianças possam tecer um futuro onde seja possível se ver em brinquedos e livros.

Por Cíntia Cruz Do Extra

Criada há sete anos na Vila Jolá, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e hoje no Centro do Rio, a empresa, que tem o objetivo de trabalhar a questão racial com crianças, se prepara para fazer o caminho inverso: voltar para a Baixada. Jaciana quer construir na cidade uma fábrica de brinquedos afrocentrados e impactar a região onde tudo começou.

Historiadora, Jaciana começou a fazer livros de panos pintados à mão e camisetas para se manter. Com o marido e sócio, Leandro Melquíades, professor de História, eles vendiam os produtos no Centro do Rio, onde moravam. Após a gravidez, o casal decidiu abordar a questão racial em seus trabalhos.

— Quando Matias nasceu, surgiu a preocupação sobre como ele se veria no mundo. Então, pensamos em levar a Era Uma Vez o Mundo para o público afrocentrado — explica a empresária.

O primeiro retorno de Jaciana a Belford Roxo foi em 2013, quando o filho tinha 2 anos. Eles começaram a produzir livros e bonecos com a temática negra. A empresa deslanchou. Nos anos seguintes, chegou a fazer 1.156 cópias de livro para escolas de educação infantil do Rio.

— O lema é ler e brincar. O livro “Mariana’’ traz um turbante para a criança desfazer a ideia de que é algo negativo. O trabalho antirracista começa na educação infantil — lembra Leandro.

Procura por investidores

Há dois anos, Jaciana voltou a morar no Rio. Ela quer transformar o espaço onde será a fábrica, na Vila Jolá:

— Voltar com a fábrica para cá é a possibilidade de diálogo com a comunidade na qual eu me formei. Quero ensinar as pessoas a pensarem nas questões raciais.

A proposta da Era Uma Vez o Mundo é de ser um espaço de educação e formação cidadã. Os funcionários vão aprender a produzir os brinquedos e também terão aulas de cidadania.

— A sensação que tenho é de que posso transformar o lugar em uma potência para que seja bom coletivamente — ressalta a empresária.

Leandro e Jaciana criaram campanha de financiamento coletivo e estão apresentando o projeto para investidores e empresas que financiem projetos de impacto social. As vendas dos bonecos, livros e produtos da marca são feitas pelo site www.eraumavezomundo.com.br.

+ sobre o tema

Assista ao trailer de “Whitney”, o filme sobre a vida de Whitney Houston

O trailer do filme “Whitney”, que conta a vida...

Jéssica Ellen fica noiva de Dan Ferreira: ‘Homem mais lindo do Brasil’

Jéssica Ellen está noiva! A atriz anunciou nas redes...

Barrados em treino, africanos se contentam em mostrar apoio à Nigéria

Torcedores de Guiné-Bissau aparecem no Estádio Presidente Vargas, mas...

Projetos sociais ligados à música podem concorrer a prêmios de R$ 10 mil

Estão abertas as inscrições da 1ª edição do Prêmio...

para lembrar

Comunidade quilombola dá o exemplo

Todos os dias, às 05horas30 minutos, a comunidade quilombola...

Como é a vida dos africanos que estudam em Itália?

Em entrevista à Voz da América, Jovani Fernandes, estudante...

Embalada por Beyoncé, Rosângela Santos vence 100m rasos e dança

Por Lydia Gismondi Depois de pensar em desistir do atletismo,...
spot_imgspot_img

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=