Enedina Alves Marques: conheça a primeira engenheira negra do Brasil

Enviado por / FonteDo G1

Filha de lavrador e empregada doméstica, engenheira civil se formou em 1945, na UFPR, em Curitiba. Em 13 de janeiro de 2023, quando completaria 110 anos, paranaense foi homenageada pelo Google.

Filha de um lavrador e uma empregada doméstica, Enedina Alves Marques foi a primeira engenheira negra do Brasil. Ela se formou em engenharia civil em 1945, na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, e foi homenageada pelo Google nesta sexta-feira (13) quando completaria 110 anos.

Mesmo diante de diversos percalços no caminho, a paranaense não desistiu da educação. Na adolescência, se dividia entre o trabalho e os estudos. Aos 32 anos, se graduou.

A história da mulher guerreira foi inspiração para um livro infantil escrito pela professora pós-doutora em estudos interdisciplinares sobre mulheres, gênero e feminismos, Lindamir Salete Casagrande.

Casagrande explica que o contexto histórico em que a engenheira viveu torna o pioneirismo dela ainda mais relevante.

“A universidade não era pensada para mulheres e nem para pretos. Pense: foi uma mulher preta, pobre, filha de escravos libertos que sobreviveu em uma turma com homens brancos da elite. Foi uma batalha muito árdua e significativa.”

Na própria família, a engenheira foi inspiração. A sobrinha Lizete Marques, de 84 anos, disse que a tia Enedina serviu de exemplo.

A sobrinha insistiu na educação e se formou como professora de Educação Física, profissão que seguiu a vida toda.

“A vida dela não foi fácil. Ela lutou muito para se formar. Foi a única dos sete irmãos, todos homens. Ela era a única mulher. Eles todos trabalhavam e ela foi a única que estudou. Só que antigamente o estudo não era valorizado como é agora”, contou.

Grandes obras de Enedina Marques

Enedina Marques é a primeira engenheira negra do Brasil; ela se formou na UFPR (Foto: Artes/ g1)

Durante a a trajetória, Enedina colaborou com diversas obras significativas no Paraná. Uma delas foi a Usina Capivari-Cachoeira, que é a maior central hidrelétrica subterrânea do sul do Brasil, e atualmente é chamada de Usina Governador Pedro Viriato Parigot de Souza, em Antonina.

De acordo com a professora pós-doutora em filosofia contemporânea Maria Rita de Assis César, a biografia de Enedina indica o quanto precisou ser firme para conquistar o espaço que era dela por direito.

“Imagine o que significa uma mulher negra tocar a obra da usina em um campo no meio do mato? Como dizem, é bem provável que ela carregasse um revólver na cintura, e que de vez enquanto ela desse uns tiros para o alto. Era uma necessidade muito grande de se fazer respeitar.”

Oportunidade

De acordo com Lindamir, a trajetória de Enedina foi possível por causa das oportunidades que ela teve ao longo do caminho e por saber aproveitá-las, com dedicação e inteligência.

“Nascida em Curitiba, fez toda formação em Curitiba, com muita luta e algumas oportunidades. A gente não pode esquecer disso, porque se não, vai cair naquela história da meritocracia: ‘Olha, se esforçando todo mundo consegue’. Não. Ela se esforçou muito, ela tinha capacidade, mas ela teve oportunidade.

Segundo a biografia da engenheira, durante a infância, Enedina ajudava a mãe com o serviço doméstico, na casa do militar Domingos Nascimento, em troca de estudos.

“A primeira oportunidade foi dada pelo patrão da mãe dela que matriculou ela em uma escola, porque se ele não tivesse feito isso, ela não teria como ter essa trajetória tão bacana e tão importante para a sociedade.”

Leia também:

Paranaense Enedina Alves Marques marca a história como a primeira engenheira negra do Brasil

Mãos à obra: a trajetória de Enedina Alves Marques

Conheça a história de Enedina Marques, a primeira engenheira negra do Brasil

+ sobre o tema

Marido de Fabíola pagará indenizações a ex-esposa e ao cunhado

Pior que a dor da traição será o prejuízo...

5 filmes que podem te ajudar a entender a importância do feminismo

Eu já fiz uma semana especial de mulheres fortes...

Conselheiro tutelar: “Não tem ‘mas’, nenhuma pessoa merece ser estuprada”.

Rodrigo Mancha, o conselheiro tutelar que recebeu a denúncia...

Nath Finanças é eleita uma das 50 maiores líderes do mundo por revista

A influenciadora brasileira Nath Finanças é eleita uma das...

para lembrar

Não é ‘ideologia de gênero’, é educação e deve ser discutido nas escolas, diz pesquisadora

Pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar),...

Tese de doutorado de Sueli Carneiro vai virar livro

A tese de doutorado da filósofa e ativista Sueli Carneiro,...

Lançamento Agenda Mulher Negra

Participem e fortaleçam o movimento, Mulher Negra mostre a...

Camila Pitanga posa pra capa em Paris e dá sua opinião sobre os assuntos mais quentes de 2015

Capa da Glamour de dezembro, Camila Pitanga - fotografada...
spot_imgspot_img

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...

Defender Maria da Penha é defender a vida das mulheres, os direitos humanos e a democracia

Maria da Penha está sendo ameaçada de morte. Foi necessário que a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, recorresse ao governador do Ceará, Elmano de Freitas,...
-+=