Estandarte de Ouro: duas mulheres acadêmicas passam a integrar júri do prêmio

Professoras em universidades públicas e pesquisadoras de temas ligados às escolas de samba, Juliana Barbosa e Angélica Ferrarez dizem que entrada das duas no júri do Estandarte de Ouro está conectada às discussões de gênero do mundo atual e faz ponte com o “carnaval preto” na Sapucaí.

Em samba e carnaval, sou teoria e prática’

Juliana Barbosa, pesquisadora, professora da UFPR e nova jurada

Como começa sua relação com o carnaval?

Eu nasci no Irajá, sou de uma família carioca que foi morar em Londrina quando eu tinha 8 meses. Minha mãe era do Cacique de Ramos, meu pai do Bafo da Onça, e meu avô tinha desde o primeiro disco do Martinho. Era uma casa de bambas que se transfere para o Sul. E eu respirava samba. Minha primeira balada foi assistir aos desfiles das escolas de madrugada.

E como essa paixão foi parar na academia?

Sou formada em relações públicas. Quando fui para a carreira acadêmica, uma pessoa me disse para fazer mestrado e doutorado sobre algo de que eu gostasse. Não me veio nada além na cabeça do que samba. Primeiro usei a semiótica para analisar o processo criativo dos desfiles. Depois fiz meu doutorado sobre Nelson Sargento, e os pós-doc sobre Martinho da Vila. Frequento a Sapucaí e rodas de samba: em samba e carnaval, sou teoria e prática.

E qual o significado de o júri ter agora duas mulheres negras acadêmicas?

É um reflexo desse momento, em que a questão racial e a de gênero estão na pauta. A gente vem reconquistando um protagonismo histórico, porque quando falamos do samba temos as tias baianas que foram protogonistas. Esses lugares que estamos ocupando é até uma reverência às nossas ancestrais.

+ sobre o tema

Os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres brasileiras sob ataque

a mesma semana em que recebemos com revolta a...

Caso Marielle: veja quem já foi preso e os movimentos da investigação

Uma operação conjunta da Procuradoria Geral da República, do Ministério...

Mães criam grupo ”antiterrorismo” contra empregadas

Elas trocam e-mails com observações sobre sua relação com...

Pais falam honestamente sobre por que se arrependem de ter tido filhos

Você já se arrependeu alguma vez de ter tido...

para lembrar

Marido de Fabíola pagará indenizações a ex-esposa e ao cunhado

Pior que a dor da traição será o prejuízo...

Convite: Abertura da Exposição 1000 Mulheres pela Paz ao Redor do Mundo

ATIVIDADES EM ARACAJU / SERGIPE Abertura da Exposição 1000 Mulheres...

Mulheres e o direito à cidade

Entrevista tratou de como o medo de assédio e...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=