Estudante transexual de pré-vestibular da UFPE é vítima de agressão e denuncia transfobia

Dália Costa relata que foi agredida quando saía de evento voltado à comunidade LGBT na universidade, na sexta-feira (23).

Do G1

Estudante denuncia ter sido agredida em universidade no Recife (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma estudante transsexual denunciou ter sido vítima de violência no campus Recife da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), após sair de um evento voltado à comunidade LGBT dentro da instituição. Dália Costa contou que a agressão física aconteceu no momento em que ela se dirigia à parada de ônibus. Antes, ela havia denunciado um caso de transfobia.

O caso ocorreu na noite de sexta-feira (23). A jovem relatou, em dois posts nas redes sociais ,que saia de uma aula de pré-vestibular no Vestibular Solidário, na UFPE, quando decidiu ir a um aulão cultural promovido pela Diretoria LGBT da universidade, em frente ao Centro de Educação. A jovem foi abordada por um homem durante o evento.

“Um homem cis interrogou se eu era mulher ou não, olhando para mim e minhas amigas. Afirmei ser mulher. O mesmo debochou e imediatamente olhei para o homem e falei ‘diga se eu não sou mulher! Diz olhando para mim e que eu não sou mulher’”, diz uma das postagens de Dália no Facebook, com mais de 2,9 mil interações.

A estudante estava entre o Centro de Educação e o Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) do campus Recife da universidade quando foi agredida fisicamente.

“Ainda estou psicologicamente afetada. Jogaram primeiro uma pedra. Não bateu em mim. Quando eu olho, já foram me agredindo no rosto. Eu perdi a visão, não consegui identificar quem eram os agressores”, contou a estudante ao G1, ressaltando o caso de transfobia que sofreu antes da agressão física.

Dália registrou, neste sábado (24), boletim de ocorrência na Central de Plantões da Capital, no bairro de Campo Grande, na Zona Norte do Recife, e foi encaminhada para fazer o exame de corpo de delito. O caso vai ser investigado pela Polícia Civil.

Publicação denunciando agressão a estudante transsexual em universidade do Recife teve milhares de reações no Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)

Denúncia durante evento

A estudante afirmou ter denunciado a agressão verbal no palco do evento, por ter ouvido que os suspeitos assediavam outras mulheres no local. Apesar de não ter conseguido ver os agressores, Dália acredita que os dois casos podem estar ligados. “Eu denunciei o caso de transfobia durante o evento”, ressaltou.

Ela afirmou que, durante as agressões, também a apalparam nas nádegas e fizeram ameaças como “quebrar o rosto dela”.

“Fazia tempo que eu não chorava, e hoje eu chorei. Chorei com vergonha de chegar em casa e olhar para minha mãe com um rosto que não é meu. Mulher negra, trans, feminista e periférica. Humilhada, agredida e assediada”, finalizou Dália na postagem.

Após compartilhar o relato nas redes sociais, a estudante contou ter recebido ameaças. “Vim na delegacia também para ver o que pode ser feito sobre isso”, explicou.

Reação

Em nota, a DiretoriaLGBT da UFPE, órgão ligado ao Gabinete do Reitor e responsável pelo acolhimento, inserção e permanência dessa população na universidade expressou “total indignação por mais um lamentável episódio de transfobia”.

O órgão informou que o aulão realizado em frente ao Centro de Educação foi um evento de incentivo às manifestações artísticas e culturais promovidas pelas pessoas LGBTs da UFPE.

“Na ocasião, fomos procuradas por uma estudante do Vestibular Solidário, cursinho preparatório para o ENEM, que nos informou que havia sofrido discriminação e violência verbal/ simbólica por parte de um homem cisgênero ainda não identificado. De imediato, paramos as apresentações e repudiamos publicamente e enfaticamente as atitudes do agressor”, diz a nota.

A universidade informou que “não tolera qualquer tipo de discriminação e violência contra a população LGBT, em especial as pessoas trans e as travestis”.

 

+ sobre o tema

As diásporas da b¡cha preta

A descoberta da sexualidade pelos homens negros, e aqui...

ONG conclui primeira edição de programa de capacitação a jovens LGBTs+

Embaixadorxs capacitou em empreendedorismo social e liderança 26 jovens...

Jovens indígenas incluem pauta LGBT no debate

Juventude discute a questão LGBT e pretende levar o...

Família real britânica terá seu primeiro casamento gay

Primo da rainha Elizabeth II será conduzido no altar pela...

para lembrar

Como Luizão, deu aula no Anglo por 5 anos. Ao virar Luiza, foi demitida

No ano passado, “professor Luizão” assumiu que era transexual...

Abel Neto relata que é vítima de ofensas racistas em estádios brasileiros

Com a presença da atleta transgênero Isabelle Neris, jogadora...

Convocação – Blogagem Coletiva pelo Dia da Visiblidade Trans*: Basta de Transfobia!

Em parceria com as Blogueiras Negras,  Transfeminismo e True Love convidamos você para participar...
spot_imgspot_img

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

STF permite reconhecer ofensa contra LGBTQIA+ como injúria racial

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 9 votos a 1, nesta segunda-feira (21) permitir o reconhecimento de atos de homofobia e transfobia como crime...
-+=