Estudo aponta que 65% dos gays brasileiros já presenciaram homofobia no trabalho

Segundo um estudo realizado pela empresa de consultoria europeia OutNow, 65% dos homossexuais no Brasil já presenciaram situações de homofobia no trabalho. Os dados fazem parte do estudo “Brazil 2017 Report – Out Now Global LGBT2030 Study”, realizado no Brasil entre os meses de junho e julho de 2017 e que fará parte de um outro estudo, a nível mundial, que será concluído em 2018.

Do Revista Ladoa

A pesquisa consultou mais de 4 mil pessoas selecionadas através do aplicativo de relacionamentos Hornet. Um dos apontamentos do estudo é de que no Brasil pode existir a maior comunidade LGBT do mundo, compondo 6% dos habitantes do país, ou seja, 9,5 milhões de brasileiros são LGBT. Mesmo sendo uma população numerosa, os LGBT sofrem mais violência no trabalho e por consequência têm mais dificuldades para se manter nele.

Um dos empecilhos encontrados pelos pesquisadores foi justamente a insegurança por parte dos participantes sobre a exposição de sua sexualidade. Isso levou alguns entrevistados a opinarem de forma anônima e então seus dados não foram considerados tão representativos por não permitir que os pesquisadores identifiquem particularidades de relação social e consumo. Os técnicos da pesquisa afirmam que o Brasil é diversificado em vários setores sociais, o que não seria diferente com a população LGBT, formada também por vários comportamentos.

A maioria dos entrevistados eram homens com idades entre 25 e 34 anos,  sendo que 67% se consideravam gays e 18% se diziam bissexuais. Boa porcentagem deles, 25%, têm curso superior, 29% têm curso superior incompleto e 20% fizeram pós graduação. Dentro do mercado de trabalho estão 58% dos pesquisados, devidamente empregados em turno integral; 34% recebem salários entre R$ 1.000 e R$ 2.500; 2% ganham mais de R$ 10 mil reais e 36% disseram ser assumidos dentro do trabalho.

Mesmo com a relutância de considerar a média devido a diversidade de consumo e relações sociais dos LGBT no Brasil, os pesquisadores afirmam que os entrevistados gastam em média  R$ 418,00 com roupas; R$ 274 com perfumaria e higiene; R$ 131 com cabelo e procedimentos de beleza; R$ 157 com tratamentos estéticos e R$ 242 com sapatos. Esses números mostram que apesar da discriminação e assédio, os LGBT impulsionam boa parte da economia com seus hábitos de consumo. A média de viagens, por exemplo, chega a R$ 3690 reais por ano.

+ sobre o tema

5 mulheres que transformaram o samba – para conhecer e reverenciar

Por muito tempo, as mulheres não tiveram vez no...

Rejeitado por heterossexuais ‘por ser negro demais’, menino é adotado por casal gay

O jornalista Gilberto Scofield Jr e seu companheiro, Rodrigo...

Unesco homenageia mulheres na ciência

Agência da ONU, em parceria com a L'oréal, escolhe...

Sobre musas, preconceito, ofensas e esportes

A cada quatro anos um ciclo se repete. Chegam...

para lembrar

Feministas protestam no julgamento do New Hit

Esta semana que passou, como muitas de vocês sabem,...

Você não sabe ‘how it feels’

Não. Não adianta se emocionar com a performance da Lady...

Proibidas de andar de bicicleta, meninas afegãs encontram liberdade no skate

Em muitas comunidades afegãs, é um costume proibir as...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=