Estudo diz que muitos homofóbicos são homossexuais enrustidos

O Departamento de Psicologia da Universidade da Georgia (EUA) concluiu que ‘homofóbicos são gays enrustidos’; os pesquisadores recrutaram homens, declaradamente heterossexuais; eles enfrentaram uma bateria de perguntas que os dividiu em dois grupos: os que se sentiam mais e o que se sentiam menos desconfortáveis com o assunto homossexualidade; em seguida todos foram equipados com um pletismógrafo peniano, aparelho que mede o grau de excitação do pênis em resposta a imagens; os participantes assistiram a cenas de sexo heterossexual, entre duas mulheres e depois entre dois homens; na última situação, cobaias do grupo com mais tendências homofóbicas tiveram quatro vezes mais aumento de volume peniano do que os do grupo formado por quem não se incomodava com homossexuais

(Foto: Romulo Faro)

Do Brasil247

O Departamento de Psicologia da Universidade da Georgia (EUA) concluiu que ‘homofóbicos são gays enrustidos’. Na maioria dos casos, há um conflito tão grande quanto a própria sexualidade que o tormento se transforma em raiva e agressividade.

Os pesquisadores recrutaram homens, declaradamente heterossexuais. Eles enfrentaram uma bateria de perguntas que os dividiu em dois grupos: os que se sentiam mais e o que se sentiam menos desconfortáveis com o assunto homossexualidade.

Em seguida todos foram equipados com um pletismógrafo peniano, aparelho que mede o grau de excitação do pênis em resposta a imagens. Os participantes assistiram a cenas de sexo heterossexual, entre duas mulheres e depois entre dois homens.

Na última situação, cobaias do grupo com mais tendências homofóbicas tiveram quatro vezes mais aumento de volume peniano do que os do grupo formado por quem não se incomodava com homossexuais.

Mais da metade dos “homofóbicos” teve ereção, enquanto menos de um quarto do outro grupo mostrou algum tipo de excitação ao ver as imagens de dois homens transando. Depois do teste, quando confrontados, todos os homofóbicos negaram a excitação que sentiram minutos antes.

O estudo tem 20 anos. De lá para cá, outras instituições realizaram testes parecidos e o resultado é sempre o mesmo: a atitude negativa, a agressividade, a intolerância e a fobia se manifestam em pessoas que tentam reprimir o desejo sexual que sentem por outros do mesmo gênero, de acordo com publicação da jornalista Mariliz Pereira Jorge.

 

+ sobre o tema

Lei Maria da Penha está sob ameaça, alerta deputada

A Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) comemora três anos sob...

“Se a bandeirinha é bonitinha, que vá posar na Playboy”

A agressão verbal contra a auxiliar Fernanda Uliana prova...

Estupro: um custo intolerável à sociedade

O lar não é um lugar seguro para milhões...

para lembrar

Derrota da democracia por Flávia Oliveira

Jean deixa a vida pública em prol da particular....

Mecânica para mulheres: Detran oferece curso gratuito

Estão abertas as inscrições para o Curso de Mecânica...

Gomes Sambo lamenta mortes maternas em África durante parto

Luanda - O director regional da OMS (Organização Mundial...

Dia Nacional do Orgulho Gay: afinal, temos o que comemorar?

Nesta quinta-feira (25) se comemora o Dia Nacional do...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=