Eu não corro com lobos

No lugar de onde venho, a família do comercial de margarina não tem sequer pão.

Eu não corro com lobos. Bem que eu queria. Só que, de onde venho, não  temos a permissão para sermos selvagens. Precisamos nos adequar, domar quem somos para caber. Precisamos fugir dos instintos arquetípicos para  colocar comida na mesa. Precisamos alisar nosso cabelo, clarear nossa pele, dizer “sim, senhor”. 

O lugar de onde venho deveria ter determinado o lugar para onde eu  poderia ir: uma cadeira marcada na primeira fila do subemprego. Com  direito ao reforço diário da minha baixa autoestima e submissão ao meu  homem-sapo-marido-dono-príncipe. Afinal, não é para isso que as  princesas existem? No lugar de onde venho, a família do comercial de  margarina não tem sequer pão. Esse é um paradoxo que me intriga: se  tivéssemos margarina lá em casa, onde passaríamos essa guloseima? Nunca  vi mais do que duas crianças sorridentes no comercial, casalzinho lindo,  sonhado, organizado, higienizado, quase esterilizado. Já lá em casa, eram  sete bocas para serem alimentadas. Mal-alimentadas, malvestidas, malparidas, mal… 

Pois, em não tendo chance de atender às normas sociais, eu pude ser  quem eu quisesse, anormal 

Como vocês podem ver, não sou uma leitura confortável. Mas, do lugar de  onde vim, não adiantava tentar me adequar: mulher, pobre, preta, mãe,  lésbica. Sem chance. Então perdoem o desconforto que causo e não  desistam de mim. Pois, em não tendo chance de atender às normas sociais,  eu pude ser quem eu quisesse, anormal. Eu sou a Onilia Araújo, contadora, empreendedora social, ativista em diversidade sobre raça, gênero e 

LGBTQIA+ e estou aqui para falar com vocês sobre grana, carreira e autorrespeito, com as lentes lá daquele lugar de onde vim. Namastê (Isso foi uma ironia)


Onilia Araújo é contadora, multiempreendedora, ativista feminista, LGBTQ+ , mãe do Pietro e  luta pela valorização e desenvolvimento econômico do povo negro. É fundadora da I.CON  (Inovação Contábil), sócia da Lanceiros Tech, empresa de prototipação de negócios digitais  formada por pessoas pretas/periféricas, diretora da Odabá – Associação de  Afroempreendedorismo e co-fundadora da MIMA, um lab de experiência feminina em  criptoativos.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Sete lições de liderança que aprendi com mulheres negras

Que lições as mulheres negras que ocupam a cena...

Na paz e na guerra, continua-se negro

Inicio esse texto já alertando que não sou historiadora...

A Consciência Negra e seus múltiplos sentidos

A celebração do Dia da Consciência Negra, todos os...

Quantas professoras negras você já teve na universidade?

Quantas professoras negras eu já tive? Foi uma questão...

para lembrar

“Não me venha falar da malícia de toda mulher”

Não me venha falar da malícia de toda mulher”:...

Racismo e Solidão, precisamos falar sobre isso

Vamos falar sobre cor? Não, não vamos falar sobre...

Pela Ampliação da Maioridade Penal!

Em tempos de PEC 171, que propõe o rebaixamento...

Exposição “todo dia é dia 18”

Campanha “todo dia é dia 18” O objetivo da campanha...

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=