Eu não corro com lobos

No lugar de onde venho, a família do comercial de margarina não tem sequer pão.

Eu não corro com lobos. Bem que eu queria. Só que, de onde venho, não  temos a permissão para sermos selvagens. Precisamos nos adequar, domar quem somos para caber. Precisamos fugir dos instintos arquetípicos para  colocar comida na mesa. Precisamos alisar nosso cabelo, clarear nossa pele, dizer “sim, senhor”. 

O lugar de onde venho deveria ter determinado o lugar para onde eu  poderia ir: uma cadeira marcada na primeira fila do subemprego. Com  direito ao reforço diário da minha baixa autoestima e submissão ao meu  homem-sapo-marido-dono-príncipe. Afinal, não é para isso que as  princesas existem? No lugar de onde venho, a família do comercial de  margarina não tem sequer pão. Esse é um paradoxo que me intriga: se  tivéssemos margarina lá em casa, onde passaríamos essa guloseima? Nunca  vi mais do que duas crianças sorridentes no comercial, casalzinho lindo,  sonhado, organizado, higienizado, quase esterilizado. Já lá em casa, eram  sete bocas para serem alimentadas. Mal-alimentadas, malvestidas, malparidas, mal… 

Pois, em não tendo chance de atender às normas sociais, eu pude ser  quem eu quisesse, anormal 

Como vocês podem ver, não sou uma leitura confortável. Mas, do lugar de  onde vim, não adiantava tentar me adequar: mulher, pobre, preta, mãe,  lésbica. Sem chance. Então perdoem o desconforto que causo e não  desistam de mim. Pois, em não tendo chance de atender às normas sociais,  eu pude ser quem eu quisesse, anormal. Eu sou a Onilia Araújo, contadora, empreendedora social, ativista em diversidade sobre raça, gênero e 

LGBTQIA+ e estou aqui para falar com vocês sobre grana, carreira e autorrespeito, com as lentes lá daquele lugar de onde vim. Namastê (Isso foi uma ironia)


Onilia Araújo é contadora, multiempreendedora, ativista feminista, LGBTQ+ , mãe do Pietro e  luta pela valorização e desenvolvimento econômico do povo negro. É fundadora da I.CON  (Inovação Contábil), sócia da Lanceiros Tech, empresa de prototipação de negócios digitais  formada por pessoas pretas/periféricas, diretora da Odabá – Associação de  Afroempreendedorismo e co-fundadora da MIMA, um lab de experiência feminina em  criptoativos.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Meritocracia: uma piada de mal gosto

Era 13 de março pela manhã… Bum... bum.. bum .........

Todo dia um golpe diferente. Mas todo dia a mesma dor.

Todo dia um golpe diferente.  Mas todo dia a mesma...

Do afeto potente, da luta e da ancestralidade, nasce a Enegrecida

Eu nunca imaginei que meu um trabalho de conclusão...

100 dias de governo, o que de fato aconteceu para quem é uma pessoa negra?

Quem se interessa pela área econômica com certeza tem...

para lembrar

Direito à Ancestralidade

Independentemente de como você professa sua fé, pessoas pretas...

Reconexão Ancestral

Belo Horizonte, 21 maio de 2021 Olá, minha tataraneta! Há tempos...

Eu, uma mulher negra da Geração Z, inventei a minha profissão

Deixa eu me apresentar: sou Vitorí, mulher, negra, cis,...

Um convite especial: vamos à Bienal do Livro da Bahia?

Desde que publiquei meu primeiro livro, o Negra Sou, finalista do Prêmio Jabuti 2020, as minhas lembranças junto às bienais do livro têm ganho...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...

Competência Feminina Negra diante de Chefes e Colegas de Trabalho Negros: Desafios e Reflexões

Hoje, mês da consciência negra, não focalizaremos no racismo perpetrado pelos brancos, mas sim direcionaremos nossa atenção para nós mesmos. Vamos discutir as novas...
-+=