Eu suporto ofensa. O que não suporto é falta de criatividade, por Leonardo Sakamoto

Eu suporto xingamento, ofensa, calúnia. Eu suporto pessoas que me param na rua para falar mal dos meus textos e das opiniões. Eu suporto memes em que são usadas fotos em que pareço 20 quilos mais gordo e ressaltam meu cabeção. Eu suporto até quem me para na hora em que começa a tocar Florence na balada para tentar me convencer de que trabalho escravo não existe, mas é um delírio da minha mente doentia.

Foto: Flávio Florido

por Leonardo Sakamoto no Blog

Mas o que eu não suporto é a falta de criatividade. Isso me deprime. Muito.

(Só não deprime mais do que a falta de interpretação de texto.)

Argumentar com suas próprias palavras, sem usar frases feitas que foram cunhadas sei lá aonde. Isso é pedir muito?

Creio que muitos perderam a capacidade analítica, sensação reforçada pelo período eleitoral.

Ao mesmo tempo, há algumas palavras-chave que ativam uma área violenta e primitiva do cérebro de alguns leitores na internet. Quando surgem, eles ignoram totalmente o contexto em que estão inseridas, deixam de lado a necessária ponderacão presente nos ambientes de diálogos construtivos e recorrem a uma frase feita. Para esse pessoal, a interpretação de texto funciona da seguinte forma:

Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá CASAMENTO GAY blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá.

Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL… Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá blá Blá blá blá blá

Por isso, resolvi fazer esta camiseta:

Primeiro, para deixar claro que já li e ouvi tudo isso aí um milhão de vezes. Menos a do “aparelho excretor”, mas achei que valia pela lembrança (#LevySaudadesSQN) Então, talvez usando-a na rua as pessoas pensem: “Pô, não vou falar isso para ele porque já tá na camiseta dele”.

Mas ela também é um alerta: que você, amado e amada, ao soltar essas frases feitas, não está abafando. Pelo contrário, provoca vergonha alheia em quem pensa diferente de você ou igual a você. Ou seja, em quem pensa.

Não só porque elas são bizarras e carregadas do mais puro preconceito. Mas também porque são usadas nas redes sociais por quem não quer ou não consegue argumentar por conta própria e se protege atrás dessas bobagens. Usá-las mostra que você não consegue articular um diálogo por conta própria. O que é triste.

Numa era em que a busca pela garantia da identidade individual é tão importante, pessoas que as usam se dissolvem. Tornam-se nada.

Ser intelectualmente desconstruído por alguém que tem conteúdo é doloroso, mas edificante. Agora, ser “atacado” com frases assim mostra que você não tem nada de interessante a acrescentar. Apenas repete. E repete. E repete. Como deve ter feito a vida inteira.

É isso o que você realmente quer para você?

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

Post-Manifesto pela Transparência nas Eleições

A lei eleitoral brasileira permite que partidos e candidatos...

Norte-americano assume culpa por complô para matar Obama

Um norte-americano se declarou culpado nesta segunda-feira das acusações...

‘HP’: Tudo sobre o ultrajante impeachment da primeira presidente mulher do Brasil

Site lembra em sua matéria que o PT retirou...

Sakamoto: sem direitos humanos, a barbárie tomará conta do Brasil

Reflexo dos tempos de ódio, Sakamoto relata que já...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=