EUA devem ter negra estampada na cédula de US$ 20; veja outras mulheres no dólar

Enviado por / FonteCNN, por Maria Carolina Abe

A cédula de US$ 20, uma das mais usadas dos EUA, deverá mudar de cara em breve. Logo após Joe Biden assumir a presidência, em janeiro deste ano, ele retomou um antigo projeto, criado por Barack Obama, em 2016, para substituir a efígie de Andrew Jackson, que estampa a nota desde 1928. A escolhida é uma mulher negra, a ativista Harriet Tubman (1822-1913), que lutou contra a escravidão e pelo voto feminino no país.

Trump sentou sobre projeto

O projeto estava parado desde que Donald Trump assumiu a presidência, em 2017. Trump é admirador de Andrew Jackson, inclusive ele tinha um quadro do 7º presidente dos EUA pendurado no Salão Oval durante a sua gestão.

Ainda na campanha eleitoral, em 2016, Trump já havia dito que o plano de Obama para substituir a efígie da cédula de US$ 20 era algo “puramente politicamente correto” e, de maneira pejorativa, sugeriu que Tubman fosse retratada na nota de US$ 2, que quase não circula mais.

Jackson é até hoje uma figura controversa no país. Ele foi proprietário de negros escravizados e lembrado por sua política de expulsão dos índios nativos americanos de suas terras –e até por promover uma limpeza étnica no país.

Quem foi Harriet Tubman

Por outro lado, os feitos de Harriet Tubman são absolutamente memoráveis e heroicos. Nascida escravizada, ela atuou como espiã na Guerra Civil Americana e ajudou a libertar os negros escravizados dos estados sulistas, levando-os escondidos para os estados do norte, onde não havia escravidão. Ela também foi a única mulher a liderar homens em um combate durante a guerra.

Após o fim do conflito, ela se mudou para Nova York, onde liderou uma campanha pela igualdade dos direitos das mulheres e pelo voto feminino. Ela morreu pobre, aos 90 anos, em Auburn, no estado de Nova York.

Outras mulheres no dólar

Se o projeto for aprovado, Tubman será a primeira mulher negra em uma nota de dólar, mas não será a primeira mulher.

Martha Washington, primeira primeira-dama dos Estados Unidos, foi a pioneira. Ela estampou, entre 1860 e 1890, a nota de um dólar de prata.

A segunda mulher foi a índia Pocahontas, entre 1865 e 1869, que também apareceu nas cédulas de US$ 20. Ela aparece sendo batizada e recebendo seu nome cristão, Rebecca.

Para além das notas de papel, outras mulheres também foram homenageadas nas moedas de dólar americano. A sufragista Susan B. Anthony foi a primeira a aparecer na moeda de US$ 1, entre 1979 e 1981, e depois, em 1999.

Também na moeda US$ 1, em 2000, a índia Sacagawea, que guiou Lewis W. Clark até a costa Oeste, foi homenageada.

Ainda na América do Norte, em 2018, o Canadá lançou sua primeira cédula com uma mulher negra, a ativista pelo direito civil Viola Desmond.

E no Brasil?

Já no Brasil, apenas duas mulheres foram homenageadas nas cédulas: a princesa Isabel e a escritora Cecília Meireles.

+ sobre o tema

Para Ana Estela Haddad, primeira-dama é termo anacrônico

Casada há 24 anos com Fernando Haddad, com quem...

Homens bonitos têm salários maiores que homens feios, diz jornal

Homens fisicamente atraentes na Austrália podem ganhar cerca de...

Nova lei cria dilemas e expectativa para domésticas

Nos fundos de um prédio na Asa Sul, bairro...

para lembrar

Universidade dos EUA oferece bolsa de estudos para ‘atletas’ de videogame

Num país como os Estados Unidos, onde estudar em...

Trump proíbe entrada de estrangeiros nos EUA a partir do Brasil

Os Estados Unidos anunciaram, neste domingo (24/05), que vão...

Bombeira negra de Boynton Beach processa cidade após ser retratada como branca em mural

Latosha Clemons, de 48 anos, ingressou na carreira de...

Estrela do basquete dos EUA é libertada de prisão na Rússia

A estrela do basquete americano Brittney Griner foi libertada...
spot_imgspot_img

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Misoginia e racismo na renúncia em Harvard

Muitos têm sido os desdobramentos da guerra em Gaza, cujos efeitos se estendem para além da catastrófica situação da população palestina. Os EUA têm sido especialmente tensionados pela...

Após 48 anos na prisão, homem é libertado nos EUA por ter sido condenado injustamente

Um juiz do Estado americano de Oklahoma inocentou um homem que passou 48 anos na prisão por um assassinato que ele não cometeu. Até o momento, essa...
-+=