EUA devem ter negra estampada na cédula de US$ 20; veja outras mulheres no dólar

Enviado por / FonteCNN, por Maria Carolina Abe

A cédula de US$ 20, uma das mais usadas dos EUA, deverá mudar de cara em breve. Logo após Joe Biden assumir a presidência, em janeiro deste ano, ele retomou um antigo projeto, criado por Barack Obama, em 2016, para substituir a efígie de Andrew Jackson, que estampa a nota desde 1928. A escolhida é uma mulher negra, a ativista Harriet Tubman (1822-1913), que lutou contra a escravidão e pelo voto feminino no país.

Trump sentou sobre projeto

O projeto estava parado desde que Donald Trump assumiu a presidência, em 2017. Trump é admirador de Andrew Jackson, inclusive ele tinha um quadro do 7º presidente dos EUA pendurado no Salão Oval durante a sua gestão.

Ainda na campanha eleitoral, em 2016, Trump já havia dito que o plano de Obama para substituir a efígie da cédula de US$ 20 era algo “puramente politicamente correto” e, de maneira pejorativa, sugeriu que Tubman fosse retratada na nota de US$ 2, que quase não circula mais.

Jackson é até hoje uma figura controversa no país. Ele foi proprietário de negros escravizados e lembrado por sua política de expulsão dos índios nativos americanos de suas terras –e até por promover uma limpeza étnica no país.

Quem foi Harriet Tubman

Por outro lado, os feitos de Harriet Tubman são absolutamente memoráveis e heroicos. Nascida escravizada, ela atuou como espiã na Guerra Civil Americana e ajudou a libertar os negros escravizados dos estados sulistas, levando-os escondidos para os estados do norte, onde não havia escravidão. Ela também foi a única mulher a liderar homens em um combate durante a guerra.

Após o fim do conflito, ela se mudou para Nova York, onde liderou uma campanha pela igualdade dos direitos das mulheres e pelo voto feminino. Ela morreu pobre, aos 90 anos, em Auburn, no estado de Nova York.

Outras mulheres no dólar

Se o projeto for aprovado, Tubman será a primeira mulher negra em uma nota de dólar, mas não será a primeira mulher.

Martha Washington, primeira primeira-dama dos Estados Unidos, foi a pioneira. Ela estampou, entre 1860 e 1890, a nota de um dólar de prata.

A segunda mulher foi a índia Pocahontas, entre 1865 e 1869, que também apareceu nas cédulas de US$ 20. Ela aparece sendo batizada e recebendo seu nome cristão, Rebecca.

Para além das notas de papel, outras mulheres também foram homenageadas nas moedas de dólar americano. A sufragista Susan B. Anthony foi a primeira a aparecer na moeda de US$ 1, entre 1979 e 1981, e depois, em 1999.

Também na moeda US$ 1, em 2000, a índia Sacagawea, que guiou Lewis W. Clark até a costa Oeste, foi homenageada.

Ainda na América do Norte, em 2018, o Canadá lançou sua primeira cédula com uma mulher negra, a ativista pelo direito civil Viola Desmond.

E no Brasil?

Já no Brasil, apenas duas mulheres foram homenageadas nas cédulas: a princesa Isabel e a escritora Cecília Meireles.

+ sobre o tema

STJ nega união estável por falta de fidelidade

Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou...

Marcha das Mulheres Negras 2018: Uma mistura de emoção e militância

Uma mistura de emoção e militância, ocorreu durante a...

Dia das mulheres? De quais mulheres – Por: Thayz Athayde

Judith Butler em seu livro Gender Trouble (Problemas de...

Porque vemos homens como pessoas e mulheres como partes de corpo – Por: Guilherme de Souza

Já sabemos que mulheres seminuas são consideradas objetos pelos homens e...

para lembrar

As vozes das mulheres torturadas na ditadura

Dois depoimentos dados na Comissão da Verdade paulista mostram...

Parada LGBT do Rio irá às ruas contra retrocesso em direitos

“O amor, a cidadania e a luta LGBTI+ jamais...

Mulheres do MAB entregam pauta a Dilma

No documento, participação popular na formulação da política energética...

Supremo dos EUA enfrenta o primeiro teste à lei do aborto

A mais alta instância judicial norte-americana ouve esta quarta-feira...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=