Ex-presos estão céticos com apuração do Exército

São Paulo – Ex-presos políticos e familiares de mortos e desaparecidos receberam com ceticismo a informação de que os comandantes das Forças Armadas abriram sindicâncias para apurar violações de direitos humanos em centros militares durante a ditadura.

Na avaliação do jornalista Alipio Freire, ex-preso político e militante na área de direitos humanos, qualquer sindicância conduzida exclusivamente por militares corre o risco de ter seus resultados questionados. “Não conheço os comandantes militares de hoje. Não sei o que pensam do que houve no passado. Mas sei que essas sindicâncias deveriam ser feitas por comissões mistas, com a presença de representantes da sociedade civil, do governo e das Forças Armadas”, afirma. “Isso evitaria que os seus resultados fossem postos em dúvida e questionados.”

A presidente do Grupo Tortura Nunca Mais do Rio de Janeiro, professora Victoria Grabois, é mais cética que o jornalista. “Tenho muitas dúvidas sobre essa informação. Em primeiro lugar, acho impossível eles darem respostas para uma questão desta amplitude num prazo tão curto, de trinta dias. A menos que tenham tudo organizado em arquivos”, diz a professora. “No caso de responderem, existem duas hipóteses. Podem dizer que não houve nada lá dentro das instalações militares e que não existem documentos da época. A segunda hipótese é reconhecer alguns dos casos de pessoas mais conhecidas, como os do jornalista Vladimir Herzog e o do deputado Rubens Paiva. Admitiriam as mortes e apontariam alguns nomes de responsáveis. Seriam nomes de pessoas que já estão expostas, que já foram reconhecidas por suas vítimas e até enfrentam processos movidos pelo Ministério Público Federal.”

Victoria, cujo pai figura na lista dos mortos e desaparecidos na Guerrilha do Araguaia, citou como exemplo de militares que podem ser citados nas sindicâncias das Forças Armadas os coronéis reformados Paulo Malhães, que relatou à Comissão Nacional da Verdade crimes que teriam sido cometidos por militares no Rio, e Carlos Alberto Brilhante Ustra, apontado por vários ex-presos políticos como responsável por torturas no DOI-CODI de São Paulo.

O ex-preso político Ivan Seixas, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos de São Paulo, não acredita que as Forças Armadas estejam mesmo dispostas a esclarecer as denúncias sobre violações de direitos humanos em suas instalações nos anos da ditadura. “Espero estar enganado. Mas tenho quase certeza de que as Forças Armadas vão desconversar. Podem, no máximo, citar os lugares oficiais reconhecidos como centros de tortura, como as sedes do DOI-CODI no Rio e em São Paulo. Não vão nomear, porém, de maneira nenhuma, lugares que eram mantidos na clandestinidade, como a Casa da Morte, em Petrópolis.”

Fonte: Combate Racismo Ambiental

+ sobre o tema

Defender os que defendem os direitos humanos deve ser uma prioridade

Laisa Sampaio, defensora dos direitos humanos brasileira, recebe...

Tumulto, rosto escondido e pastor ‘ex-gay’ marcam passagem de Feliciano por Salvador

Presidente da Comissão de Direitos Humanos cobriu a cabeça...

Revista O Menelick 2º Ato: resgate da imprensa negra em São Paulo.

A ideia de sua criação parte do fundador e...

O genocídio dissimulado

  Por Luciano Martins Costa,  Pequena nota escondida...

para lembrar

Monique França: A médica de família que luta contra o racismo na saúde

Aos 29, médica atende em unidade de favela no...

Cientistas de Oxford e Harvard criam o mapa genético mais detalhado do mundo

O mapeamentoa é o primeiro a incluir dados de...

Padillha sofre agressão em restaurante do Itaim, em SP, e responde em texto

INACEITÁVEIS INSTANTES DE INTOLERÂNCIA Por Alexandre Padilha Do Portal Fórum Toda...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=