Guest Post »
Excellente Escravo – Vende-se um creollo de 22 annos, sem vício e muito fiel, humilde e bonita figura

Excellente Escravo – Vende-se um creollo de 22 annos, sem vício e muito fiel, humilde e bonita figura

Os Negros

por José Antonio Merenda

Em meados do século XIX, eram comuns em nossa imprensa anúncios, como estes, do jornal A Província de São Paulo:

“Negrinha: Compra-se uma de 12 annos para fora, informa-se com Francisco Guedes, rua da Imperatriz”, publicado em 25 de janeiro de 1877 ou “Excellente Escravo – Vende-se um creollo de 22 annos, sem vício e muito fiel: bom e aceado cozinheiro, copeiro, bolieiro. Faz todo serviço de arranjo de casa com presteza, e é o melhor trabalhador da raça que se pode desejar: humilde e bonita figura. Para tratar: à Ladeira de São Francisco n. 84″(sic), publicado em 20 de dezembro de 1878. Como se estivem comercializando um animal, não um ser humano.

Durante mais de três séculos, durante a diáspora negra da África Central, os negros foram arrancados da mãe África e eram transportados para o Brasil amontoados em porões fétidos de navios, como se fossem animais, muitos nem chegavam ao destino, morriam e eram jogados ao mar.

Nos engenhos, nas lavouras de cana-de-açúcar; nas minas, durante o ciclo do ouro ou nas fazendas, nos cafezais, foram a mão-de-obra, como burros-de-cargas, trabalhando de sol a sol, açoitados, dormindo em senzalas, que mais pareciam um estábulo. Poucos tinham o privilégio de não serem tratados como animais, os escravos domésticos, que ficavam na casa-grande, rodeando as sinhás e sinhás-moças. As amas-de-leite ou mães-pretas, as que contavam histórias para os nhonhos e sinhazinhas, tinham um carinho por parte das crianças, pois os seus corações inocentes diziam que elas eram gente, ainda não estavam corroídos pela insensatez, sadismo e o etnocentrismo. Desta forma muitas palavras africanas foram assimiladas pelos pinguinhos de gente e que fazem parte de nosso vocabulário. Os todos poderosos senhores de escravos, que além do erotismo, se deitavam com as negras para que estas parissem, como se fossem vacas, crias que seriam outros escravos, desta vez escravos mestiços.

Com a Lei Áurea assinada em 13 de maio de 1888, crepúsculo do século XIX, pela princesa-regente do Império Brasileiro Izabel de Orleans e Bragança, tendo como um dos ícones o jornalista José do Patrocínio, filho de um padre com uma escrava, os negros estavam livres.

Livres?!  Em nossa opinião estavam começando muitos problemas, que não foram solucionados até hoje. Os negros, que eram tratados como animais viraram gente de uma hora para outra. Ir para onde? Como arranjar emprego, numa terra que até pouco tempo era chique possuir escravos! Até os próprios negros quando alforriados compravam escravos. Os padres também tinham os seus escravos, e em se tratando de escravas as possuíam sexualmente. Muitos ex-escravos continuaram nas fazendas e muitas delas já possuíam a mão-de-obra dos imigrantes europeus, outros se aventuram pelas cidades, ganhando míseros tostões em subempregos, eles subiram o morro, aglomerados em favelas que mais pareciam um chiqueiro, totalmente insalubres, sem nenhuma possibilidade de ascensão social. Escolas nem pensar! Já no início do século XIX, Thomas Jefferson, presidente dos Estados Unidos, dizia: “a liberdade exige um povo com um certo grau de instrução”. O atraso se generalizou. Eram uns “pés-rapados”. Segundo, José Murilo de Carvalho, em seu livro Cidadania no Brasil – O Longo Caminho: “Foram pouquíssimas as vozes que insistiram na necessidade em assistir os libertos, dando-lhes educação e emprego”. E o preconceito . . . preconceito . . . preconceito . . . O homem branco com seu etnocentrismo não aceitava o outro como seu semelhante.

Muitos anos foram percorridos de lá para cá, estamos na segunda década do século XXI, poucos são os afrodescendentes, que puderam cursar uma boa escola, que “subiram na vida”, que são diretores de empresas, que são “gente de sucesso”, excetuando-se os que se enveredaram pela área artística (música) ou futebolística, no entanto nas telenovelas ou nos filmes o preconceito é visível, os personagens negros são, geralmente, empregadas domésticas ou bandidos e na produção de época, com certeza, estará representando a saga de seus ancestrais..

Hoje, os afrodescen-dentes precisam de um empurrão, ou melhor, cotas, para poderem ingressar em uma universidade. Talvez seja esta a maneira que o Brasil encontrou para pagar os atrasos social, econômico, educacional e cultural proporcionados durante tantos anos a um povo, povo este em busca de uma cidadania..

Referências Bibliográficas

Coleção Nosso Século – volume 1900 – 1910 e Cem Anos de Propaganda. Abril Cultural.1980

SILVA, Francisco Carlos Teixeira. História Geral do Brasil. Ed. Campus/Elsevier. RJ. 1990 (p. 44 a 53);

BITTAR, Marisa. História da Educação da Antiguidade à época contemporânea. Edufscar.São Carlos.2009.(p. 70); CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil O Longo Caminho.Ed. Civilização Brasileira.RJ.2009 (p. 50 a 53).


José Antonio Merenda

Graduando em Licenciatura em História da Faculdade Barretos

Fonte: Jornal de Barretos

Related posts