Extra é condenado a pagar multa de R$ 458 mil por racismo

Extra foi condenado a pagar uma multa de 458.240 reais por constrangimento a uma criança negra de 10 anos, que foi obrigada a comprovar o pagamento de suas compras na unidade do hipermercado na Marginal Tietê, em São Paulo. A empresa recorria de uma decisão judicial anterior, mas o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) decidiu manter a penalidade.

GPA/Divulgação

Por Nelson Filho Do Minas e Gerais

O caso aconteceu em 13 de janeiro de 2011, quando um funcionário conduziu o menino, desacompanhado de um responsável, ao interior de uma sala para prestar esclarecimentos sobre um suposto furto. A criança foi mantida confinada no local, onde foi questionada por empregados da loja, mesmo após a apresentação da nota fiscal.

racismo

“De um lado ocorre a apuração de crime de racismo e segregação da pessoa negra,
enquanto de outro a apuração de abuso às práticas consumeiristas, portanto, não há que se falar na ocorrência de “bis in idem”, diz o processo.
A ação contra a rede foi movida pelo Procon-SP. No relatório, o órgão argumenta que o hipermercado se aproveitou “da inexperiência da criança”, para tirar a
liberdade do mesmo.

A administração dessa unidade em específico era feita pela Novasoc Comercial Ltda, mas a relatora do processo, Flora Maria Nesi Tossi Silva, considerou que as empresas são
parceiras de negócio. “Não se pode, portanto, pretender isentar de responsabilidade, sob
argumento de quem seria o administrador da sede onde ocorreram os fatos”, arma.
O processo diz que o Extra limita-se, basicamente, a armar que a criança estaria
mentindo e que seus funcionários estariam falando a verdade. “Ocorre, no entanto, que a materialidade e autoria do crime de constrangimento ilegal, cárcere privado e injúria,
foram devidamente apurados em inquérito policial, não sendo verdadeira a armação
de que a autuação ocorreu em virtude daquilo veiculado pela mídia”.
Contatada pelo InfoMoney, a rede de hipermercados esclarece “que repudia qualquer
atitude discriminatória e que tem na diversidade uma importante alavanca social e
econômica, respeitando a todos os seus clientes, colaboradores e parceiros”.

Mas sobre o caso em questão não pode comentá-lo, porque ainda está em andamento.

+ sobre o tema

Apresentado no Real Madrid, Vinicius Junior inicia jornada europeia à sombra do racismo

Em sua meteórica ascensão no Flamengo, o atacante se...

Madonna pede desculpas no Instagram após ser acusada de racismo

Madonna teria publicado no Instagram uma foto do filho...

EUA comemoram 50 anos da aprovação da lei que acabou oficialmente com o racismo no país

  Os Estados Unidos da América (EUA) comemoram 50 anos...

CBV repudia ato de racismo contra Wallace e estuda levar caso ao STJD

Entidade divulga nota oficial condenando agressão verbal sofrida pelo...

para lembrar

No Congresso, sociedade civil repudia projeto que reduz maioridade penal

Entidades pretendem pressionar deputados e ocupar plenário da CCJ...

Atlântico negro por Castiel Vitorino Brasileiro

O que há de África em Brasil? O que...

Daniela Mercury faz post contra violência racial no Brasil

Seguidores apoiaram causa de Daniela e aproveitaram o post...

Adolescente chamada de “macaca” ganha bolsa em escola particular

Diretora de colégio no Boqueirão procurou a mãe e...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=