Festa da Boa Morte atrai baianos e turistas para Cachoeira, na Bahia

Por: Lílian Marques

Procissão da Irmandade marca o início da programação no recôncavo.

Organizada por 23 senhoras, a festa celebra a libertação dos escravos

A tradicional procissão deu início à Festa da Boa Morte na noite do sábado (13), na cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano. Vinte e três mulheres, todas com mais de 40 anos, que fazem parte da Irmandade da Boa Morte, levaram a imagem de Nossa Senhora pelas ruas da cidade até a Capela da santa. Cachoeirenses e turistas de todas as partes do mundo acompanharam o cortejo e os cânticos das irmãs.

Quem organiza a festa de 2011 é a provedora da irmandade Ágda de Oliveira. Um cajado sagrado carregado por ela permite que a provedora seja identificada. “Apenas irmãs que já ocuparam a mesma função podem tocar no objeto”, avisa a procuradora geral da Irmandade, Maria Lameu. Ágda explica que a eleição para a organização da festa é feita entre as 23 mulheres que fazem parte da instituição.

provedora 02

“Nós escolhemos entre nós quem será a provedora, a procuradora geral, a tesoureira e a escrivã”, relata dona Ágda, que há 16 anos participa da Irmandade fundada em 1820 pela Tia Ciata, com o objetivo de comemorar a alforria de escravos e desejar que aqueles que morreram com sofrimento tivessem uma boa morte.

“Nós comprávamos alforria… a comemoração é sempre pela libertação dos escravos, que sofriam muito. Queremos muita paz para todos. Estou muito feliz em organizar a festa, vai ser ótima!”, completa.

 

A juíza perpétua da Irmandade, espécie de chefe da organização, é dona Estelita de Souza. Com 104 anos de idade, ela não abre mão de participar da festa. Dona Estelita precisa de um andador para se locomover e fica atenta a todos os movimentos na sede minutos antes da festa começar. Pela tradição da casa, o cargo de juíza perpétua é ocupado pela irmã de maior idade e maior tempo na instituição. É dona Estelita que exerce poder supremo na Irmandade.

jota veloso 02

Com todas as integrantes vestidas de branco e com velas acessas nas mãos, a Irmandade da Boa Morte começa a procissão por volta das 19h. Um pequeno grupo de quatro pessoas carrega a imagem da santa pelas ruas da cidade.

Os cânticos em homenagem a Nossa Senhora da Boa Morte tomam conta de Cachoeira. A primeira parada é na Capela de Nossa Senhora d’Ajuda. A irmandade leva a santa ao altar, faz orações e sai novamente em procissão.

Em frente da Casa da Estrela, uma nova pausa. O local foi residência da juíza dona Zuleika Machado, à frente da Irmandade até 1985. A parada em frente a casa onde dona Zuleika morava é uma demonstração de respeito pela importância que ela teve para a instituição.

Em seguida, o grupo vai para a Capela de Nossa Senhora da Boa Morte, onde a imagem da santa é colocada no altar. Um padre conduz a missa pelas almas das irmãs falecidas. Com o templo religioso lotado, fiéis acompanham a cerimônia.

O cantor e compositor Jota Veloso, irmão de Caetano Veloso, acompanhou a procissão. Para ele, que nasceu em Santo Amaro, também no Recôncavo Baiano, a festa é tradição. “Sempre que posso, eu venho. É uma das festas mais lindas da Bahia, que mostra a força, perseverança e fé dessas mulheres. É um presente para a Bahia”, diz.

casal rj

A médica carioca Silvia Disitzer foi à festa pela primeira vez este ano. “Fiquei sabendo [da festa] porque meu marido já veio várias vezes, ele é de Salvador. Estou achando a procissão linda, é maravilhosa e emocionante. Vemos que elas [as mulheres da irmandade] são poucas, são velhinhas, não sei como isso continua. Elas tiveram uma importância enorme. Essa tradição tem que ser mantida”, opina a turista do Rio de Janeiro.

O marido da médica, Niguel Arcanjo, que é presidente do bloco afro Malê de Balê, em Salvador, conta que já foi à festa várias vezes. “Uma vez trouxe uns 300 alunos para conhecer a festa, em 1980. Eu venho sempre, trouxe ela para conhecer”, conta.

O irlandês Eanonn Dunehy, que também é médico, está pela segunda vez em Cachoeira para acompanhar a festa, que dura três dias. Ele mora em Salvador há cinco anos e conheceu a festa através do chef de cozinha Benedito de Jesus e do turismólogo Antônio Jorge, amigos que o irlandês fez na capital baiana.

irlandes e amigos

“Acho muito linda, muito interessante. A primeira vez que estive aqui foi há três anos, é uma cultura viva”, diz o médico, que hoje faz pesquisas sobre a cultura afro no Brasil.

Após a cerimônia na Capela da Nossa Senhora da Boa Morte, a festa continua na sede da Irmandade. As 23 mulheres fazem uma ceia que, pela tradição, não pode ter comidas com azeite, nem pimenta. Pão, saladas, assado de peru e frango são alguns dos pratos oferecidos na ceia, que é reservada às irmãs e seus convidados. Elas passam a noite do dia 13 de agosto em vigília.

No domingo (14), as homenagens a Nossa Senhora da Boa Morte começam às 19h, com a Missa de Corpo Presente de Nossa Senhora, na Capela da Irmandade. Às 21h, o grupo de mulheres segue em procissão do enterro da santa pelas principais ruas de Cachoeira.

 

No dia 15 de agosto (segunda-feira), a Irmandade tem uma programação intensa. Às 5h, há uma alvorada de fogos. O governador da Bahia, Jaques Wagner, e outras autoridades políticas locais, participam, às 9h, de uma sessão solene da festa.

Em seguida, às 10h, haverá a missa de assunção a Nossa Senhora da Boa Morte. Logo depois, a Irmandade fará uma procissão festiva em homenagem a Nossa Senhora da Glória e a posse da Comissão organizadora da festa. Ao meio-dia, a dança toma conta das comemorações da Irmandade, com valsa e samba- de-roda na sede da instituição. A programação segue com um almoço das irmãs, convidados e comunidade. O dia será encerrado com dança. A partir das 16h, as irmãs fazem um samba-de-roda em comemoração a assunção de Maria, no Largo d’Ajuda.

Na terça-feira (16), às 20h, será oferecido um cozido à comunidade, no Largo d’Ajuda. O encerramento da festa será às 20h da quarta-feira (17). Um caruru, comida típica da Bahia, será servido para a comunidade.

História

De acordo com dados do Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural da Bahia (Ipac), até a década de 1970, a Irmandade da Boa Morte não tinha sede própria e guardava os pertences na casa da juíza perpétua Zuleika Machado.

A festa anual era realizada em casas alugadas. Em 1990, a instituição recebeu três sobrados como doação. Um deles abriga a sede da Irmandade hoje, no Largo D’Ajuda, em Cachoeira.

Em 2010, o governo da Bahia reconheceu a festa da Boa Morte como Patrimônio Imaterial da Bahia. A tradição da festa começou em 1820. A irmandade é composta por mulheres descendentes de escravos africanos e teve início em Salvador, atrás da Igreja da Barroquinha. Era ali que elas praticavam seus rituais. Após serem expulsas da localidade, elas seguiram para o Recôncavo Baiano e, assim, se instalaram em Cachoeira.

Hierarquia

Para integrar a irmandade, as mulheres precisam ter mais de 40 anos e serem ligadas a uma casa de candomblé, que pode ser da linha Ketu, Gegê ou Nagô. Ao serem aceitas, as irmãs passam por um ‘estágio’ de quatro anos.

Dentro dos seus 23 membros, a Irmandade da Boa Morte possui no topo da administração e hierarquia a Juíza Perpétua. A seguir situam-se os cargos de Procuradora-Geral, Provedora, Tesoureira e Escrivã, estando a Procuradora à frente das atividades executivas religiosas e profanas.

 

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Feira quilombola debate a igualdade racial

Negra Li, Sandra de Sá e o rapper MV...

Vasco festeja 90 anos da ‘Resposta Histórica’ contra o racismo

  Em evento realizado nesta segunda-feira na sede náutica do...

African-American Film Critics Association 2011: Os vencedores

Nesta vaga de premiações norte-americana, também os críticos de...

para lembrar

Aniversariante do dia, Taís Araújo se emociona com festinha do Vídeo Show

O VÍDEO SHOW interrompeu as gravações de Viver a...

Congresso de capoeira discute rumos para desenvolver esporte em Manaus

Congresso debate demandas referentes à prática esportiva e outras...

Filha mais nova de Mike Tyson morre após acidente doméstico nos EUA

A filha mais nova de Mike Tayson, ex-boxeador americano,...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...
-+=