Festival Bixanagô começa nesta semana com exposição inédita e shows de Tássia Reis, Rico Dalasam e outros destaques da cena preta e LGBTQIA+

Começa nesta semana a edição de 2021 do Festival Bixanagô Bixanagô – Empoderamento e Estética Negra, que chega chegando totalmente online no dia 21 de março, Dia Internacional contra a Discriminação Racial, e segue nos dias 25, 26 e 27. A programação é aberta com uma exposição inédita e traz shows, rodas de conversa e oficinas para todas, todos e todes.

Com curadoria de Micaela Cyrino e Paulete Lindacelva, a exposição de abertura “Como quebrar uma linha”, no sábado (21), reúne um grupo de cinco artistas que se aprofundaram em suas travessias – caminhos – e inquietações, entre contextos históricos e sociais, de afetação dos corpos, das almas e a amálgama que todos esses espaços preenchem. São eles: Alexandre dos Anjos, Karolyne Kimberbeli, Mayara Amaral, Micaela Cyrino e Manauara Clandestina.

“Cada um dos artistas escolhidos tem sua própria trajetória e nós, o público, precisamos acompanhar e conhecê-los para desfazer esse ciclo colonial de produção e consumo de arte, garantindo que de alguma maneira possamos viver de arte no Brasil. Entre os temas diversos, todas trazem de alguma maneira a existência de corpos dissidentes. Me sinto representada em todas as obras”, conta Micaela Cyrino, co-curadora da mostra.

Entre os shows estão apresentações de cantoras e cantores de prestígio e destaque na cena preta e LGBTQIA+ como Tássia Reis, Rico Dalasam, Alice Guél, Lys Ventura, Enme, Tasha e Tracie, Mateus Fazeno Rock e Uriass. Maravilhoses, né? E não acabou. A edição traz também performances das dançarinas Babiy Querino e Renata Prado e showcases com talento de sobra como as Irmãs de Pau, Gê de Lima e Victor Bebiano.

Rico Dalasam e Larissa Zaidan (Foto: Fotos: Tássia Reis by Jeff)

Rodas de conversa e oficinas

Com transmissão online, as rodas de conversa e oficinas desta edição do Festival Bixanagô trazem temas de relevância para todas as pessoas, com a participação e mentoria de convidados inspiradores e verdadeiras referências em suas áreas de atuação.

Os assuntos das rodas de conversa vão desde economia, passando por identidade das periferias, direitos da população LGBT, até prevenção contra ISTs (infecções sexualmente transmissíveis). Confira: “Bixa cadê meu dinheiro: Sustentabilidade econômica e economia criativa nas artes”, com Guilherme Calixto; “Bixa cadê meu dinheiro:espaços de captação e mobilização de recursos”, com Élida Mirando e Allyne Andrade; “Criminalização da cultura e das identidades periféricas”, com Jaqueline Santos, Juliana Bragança e Maitê Freitas; “Das margens, ao centro do debate: Direitos, Políticas Públicas e Pop LGBTQIA+”, com Felipa Brunelli e Thiago Amparo; “Pega ou não pega: ISTs, transmissão e prevenção”, com Beto de Jesus; e “Prevenção combinada – novas tecnologias para o controle da AIDS”, com Dr. Alvaro Costa, Lorangeles Thomas e Emer Conatus e Raul Nunnes do projeto Preto Positivo.

Já os temas das oficinas são “Planejamento Financeiro”, com Gabriela Chaves da plataforma NOFRONT; “Meu Corpo Meu Templo: cuidados e imunização pela boca”, com Isis Appes da Menina Brasileira ecogastronomia; “Produção Musical e Processo criativo”, mentoria com Badsista; e “Um close é um close: moda urbana e identidade BixaNagô”, com curadoria de Vicenta Perrota e Dil Vaskes.

“Para as oficinas, tivemos o trabalho de observar quais eram as necessidades do cotidiano das BixaNagôs, como por exemplo, pensar em sua alimentação, ou em arranjos produtivos que consigam gerar alguma fonte de renda. Assim também foi feito com as rodas de conversa, onde tivemos o cuidado de pensar questões que interferem diretamente no cotidiano como a criminalização da cultura periférica, sustentabilidade econômica e espaços para pensar na prevenção combinada de ISTs”, explica Marcelo Morais, idealizador do festival e curador das atividades.

O Festival Bixanagô foi contemplado pelo Programa de Ação Cultural (ProAC Expresso LAB) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e do Governo Federal, através da Lei Aldir Blanc, do Governo Federal.

Serviço:

Edição 2021 do Festival Bixanagô – Empoderamento e Estética Negra

Quando: 21, 25, 26 e 27 de março

Onde: Totalmente online

Programação completa em https://www.festivalbixanago.com e no Instagram (@festivalbixanago).

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

“História de bicha”: Aguinaldo Silva provoca Benedito Ruy Barbosa após polêmica

O autor de 'Império' alfinetou o colega de trabalho...

Tenente gay é absolvido da acusação de deserção na Bahia

A Justiça Militar decidiu absolver o tenente da Polícia...

STF aprova por unanimidade a união gay

O STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu nesta quinta-feira, após...

Trama de casal gay em ‘Insensato’ sofre corte; autor se esquiva

Novela com o maior número de personagens gays dos...

para lembrar

Gilberto Gil republica show na ONU e discurso de posse no Ministério da Cultura

O cantor Gilberto Gil postou em suas redes sociais...

Cultne TV tem diversas opções on-line e mais estreias em maio

Novos episódios semanais de diversas séries chegam à Cultne...

Favela Sounds lança line-up de sua quinta edição

Programação reúne oficinas, debates, shows e sessões de mentoria...

SLAM BR vai selecionar representante para o 1º Abya Yala – Copa América de Slam

Depois de sagrar Jessica Campos (representante do SLAM Tiquatira) como...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=