Festival Mulheres do Mundo promove debates e atrações até domingo

Começou hoje (16), no Rio de Janeiro, o Festival Mulheres do Mundo (WOW, da sigla em inglês para Women of the Word). Até domingo (18), serão cerca de 150 atividades gratuitas que ocuparão o Museu do Amanhã, o Museu de Arte do Rio (MAR), o Armazém 1 e a Praça Mauá, na região portuária da cidade. Serão debates, rodas de conversa, exposições, performances, oficinas, troca de experiência, shows e apresentações artísticas, além de uma grande feira de produtos, serviços e ideias produzidos por mulheres.

Por  Akemi Nitahara, da Agência Brasil

O festival surgiu em 2010, no Southbank Centre, em Londres, e já passou por mais de 20 países. Esta é a primeira edição no Brasil. Este ano versões do WOW foram realizadas em outros 53 países. A ideia é ser um espaço onde as mulheres celebrem suas histórias de luta e conquistas, além de estabelecer laços para refletirem e se fortalecerem, renovando as energias para avançar nas conquistas femininas.

Na mesa de abertura do evento, a idealizadora do festival, Jude Kelly, destacou que o objetivo é colocar as mulheres do mundo todo para conversarem entre si e, dessa forma, buscarem caminhos para tornarem suas vidas e a sociedade a sua volta melhores, com mais igualdade entre homens e mulheres.

São aguardadas mais de 30 mil pessoas nos três dias do evento – Arquivo/Agência Brasil

“Isso não é sobre as mulheres, é sobre uma mudança do mundo, claro que para as mulheres, mas para todos também. Ao redor do mundo todo estão ocorrendo essas conversas sobre igualdade de gênero, por diferentes razões, cada país tem uma visão. Em alguns se fala sobre empoderamento, não necessariamente sobre igualdade. O WOW sempre promove essa interseção entre temas de gênero, raça, social, integrando as mulheres. Mulheres no mundo devem conversar entre elas e dar apoio umas pras outra”.

Jude ressaltou que não se trata apenas de questões relativas às mulheres, mas sim de promover uma mudança cultural e de atitudes no mundo como um todo. “Isso, portanto, envolve também os homens no processo”, disse.

Desigualdade

No Rio de Janeiro, o evento é conduzido pela organização não governamental Redes da Maré. A diretora da ONG e curadora do festival no Rio de Janeiro, Eliana Sousa e Silva, disse que a desigualdade atinge as diferentes mulheres de formas diversas. A intenção do festival é reunir todos esses debates.

“Existe uma desigualdade de gênero para todo mundo, mas existem camadas diferenciadas de como essa desigualdade se expressa, porque é uma para mulher branca e outra para mulher preta. Existem questões específicas dessas lutas e me causou muito impacto ter um lugar onde a gente possa conversar sobre todas essas camadas, para ter um olhar mais ampliado sobre as demandas das mulheres, não trabalhar só um aspecto”.

Eliana disse que os temas serão tratados de forma profunda e integrada de todas as camadas do ser mulher, sem tabu nem preconceito, lidando com as questões de maneira aberta e livre, para ir além. “São questões complexas e vamos pensar, não só denunciar essas desigualdades, trazer à tona, mas pensar estratégias e os detalhes sobre cada especificidade.”

Eliana e Jude destacaram que o objetivo maior é formar redes de colaboração para que as mulheres continuem se apoiando em iniciativas individuais e coletivas, sendo o festival um impulsionador para iniciar novas relações entre as pessoas interessadas em temas comuns. Nas conversas preparatórias, já foram mapeadas no Rio de Janeiro cerca de 300 iniciativas lideradas por mulheres.

O Festival Mulheres do Mundo é organizado em quatro eixos temáticos: Mulheres em diálogos, com rodas de conversas e trocas de experiências; Mulheres das Artes e Culturas, com dezenas de apresentações culturais e artísticas; Mulheres empreendedoras, com o espaço Mercado Delas; e Mulheres Ativistas, que desenvolvem campanhas e atividades na sociedade civil.

Participantes

A estimativa da organização é de receber 30 mil pessoas nos três dias de evento. Estão confirmadas mais de 200 participantes nacionais e internacionais, entre elas as filósofas Djamila Ribeiro e Sueli Carneiro, a poeta Elisa Lucinda, as escritoras Jarid Arraes e Conceição Evaristo, as grafiteiras da Rede Nami, a líder indígena Sônia Guajajara, as deputadas eleitas Talíria Petrone e Benedita da Silva, a socióloga Julita Lembruger e as cantoras Valesca Popozuda, Tati Quebra-Barraco e Tia Surica.

Toda a programação é gratuita, mediante inscrição prévia on-line ou retirada de ingressos. A programação completa pode ser consultada no site www.festivalmulheresdomundo.com.br.

Nos grandes shows musicais, a atração principal de hoje é a cantora Elza Soares, que apresentará seu novo trabalho, Deus é mulher. Amanhã (17), o encerramento das atividades do dia será com Karol Conka e seu disco Ambulante. E fechando o festival no domingo (18), a atração é o carimbo de Dona Onete, paraense que gravou o primeiro disco em 2012, aos 73 anos de idade. Os shows começam às 19h na Praça Mauá, com acesso livre.

+ sobre o tema

Ex-N’Sync Lance Bass adere a campanha em prol da comunidade LGBT

O cantor, que é homossexual assumido, pediu respeito aos...

Educação feminina ajuda a evitar casamentos na infância, afirma UNESCO

Educação feminina De acordo com estimativas do “Relatório de Monitoramento Global Educação...

para lembrar

Taís Araújo sobre racismo: “As pessoas não percebem nossa dor”

Em depoimento emocionante durante o evento Mulheres na Mídia,...

Cesáreas representam 57% dos partos em SP

Na última década, a taxa de cesáreas em São...

Câmara aprova projeto com medidas para aumentar proteção das mulheres contra violência

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (29) um projeto de...

7 frases do papa Francisco que incomodam as mulheres

Este mês, quando o papa Francisco quis dar destaque...
spot_imgspot_img

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...
-+=